Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

FORA DO AR?

Em briga judicial com a Record, empresa oferece Pan de 2023 para ESPN

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Izaquias Queiroz no Pan de 2019 com um casaco verde amarelo e medalhas

Izaquias Queiroz no Pan de 2019: com Record fora, edição de 2023 pode ir parar na ESPN

GABRIEL VAQUER, colunista

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 26/4/2022 - 6h30

A Pan Am Sports, entidade que organiza os Jogos Pan-Americanos, ofereceu os direitos da próxima edição, que será realizada no Chile em 2023, para a ESPN. A competição está sem transmissão assegurada no Brasil desde que a Record rescindiu seu contrato em 2020 e alegou não ter condições de honrar os pagamentos durante o auge da pandemia de Covid-19. 

O canal esportivo da Disney é a primeira investida da Pan Am Sports no mercado brasileiro desde o golpe financeiro que sofreu da emissora de Edir Macedo. Com a proximidade do Pan do Chile, espera-se que um acordo seja fechado em breve. Em países como Argentina e Colômbia, o Pan já tem contratos de TV acertados. 

Segundo apurou o Notícias da TV, as conversas com a ESPN ainda são iniciais. Mas existe um interesse pela quantidade de eventos diferentes durante o Pan-Americano. O plano não seria apenas uma transmissão na TV paga, mas também através do Star+, plataforma de streaming da Disney. 

Outras empresas devem ser procuradas nos próximos meses. O Pan de 2023 será realizado em Santiago, capital do Chile, entre 20 de outubro e 5 de novembro do ano que vem. Ao todo, 44 modalidades diferentes vão ser disputadas. Para o esporte brasileiro, o Pan é visto como o mais importante evento antes dos Jogos Olímpicos. 

Enquanto tenta um novo acordo de TV no Brasil, a Pan Am Sports segue com seu processo judicial contra a Record. Em 2020, a emissora rescindiu unilateralmente o contrato de exclusividade que tinha para a transmissão do Pan, que fazia parte de sua programação desde 2007. A crise financeira causada pela Covid-19 e o argumento de que não queria mais investir em esportes foram as desculpas dadas naquele momento.

Com isso, a Pan Am Sports entrou com processo no Brasil para receber os US$ 9,8 milhões (R$ 47,8 milhões na cotação atual) que eram devidos da emissora. Segundo a Pan Am, US$ 4,8 milhões foram repasses da Record que estavam atrasados em 2019. Os outros US$ 5 milhões são referentes a valores que não foram pagos já em 2020. 

"Este é certamente um golpe financeiro. Iniciamos ações judiciais no Brasil, estamos seguindo o rumo jurídico. Vamos ao mercado para vender os direitos para Santiago. Perdemos parte da receita da Record, mas vamos garantir que o impacto econômico seja o mínimo possível", disse o secretário-geral da entidade, Ivar Sisniega, na época. 


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.