Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Em 1996, Luciano Huck queria resgatar programa que revelou Faustão na Band

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Luciano Huck com as mãos espalmadas em formato de tela, ele sorri em foto de 1999

Após fazer sucesso na Band, Luciano Huck foi contratado pela Globo em 1999

THELL DE CASTRO

Publicado em 27/6/2021 - 6h15

Luciano Huck despontou na TV na metade dos anos 1990, com apenas 23 anos, quando já era um bem-sucedido empresário. Em 1996, quando foi para a Band, um de seus objetivos era resgatar o espírito do Perdidos da Noite, que havia revelado Fausto Silva, justamente a quem substituirá em breve na Globo.

Nascido na capital paulista em 3 de setembro de 1971, Huck veio de uma família com recursos financeiros. Ainda jovem, se tornou dono do Bar Cabral, que atraía a jovem elite paulistana, entre outros empreendimentos.

Em 1995, após se destacar com uma coluna no Jornal da Tarde e com um programa na Jovem Pan, estreou na televisão com um quadro no programa Perfil, que Otávio Mesquita comandava no SBT.

No mesmo ano, Huck estreou a própria atração. Era o Circulando, uma espécie de revista eletrônica diária, exibida pela nanica CNT. Entre um quadro e outro, ele visitava baladas na noite paulistana, mostrando os destaques da juventude da época.

No início de 1996, o programa foi parar na Band, que estava de olho no potencial publicitário e de audiência do jovem talento. "Em cinco meses, pulamos da sétima emissora para a terceira, que cobre 96% do território nacional", comemorou o apresentador em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo de 21 de janeiro daquele ano.

REPRODUÇÃO/BAND

Faustão no Perdidos na Noite, da Band

Perdidos na Noite

Meses depois, em agosto de 1996, com bons resultados obtidos para os padrões da Band, Huck foi convidado a ter outro programa na emissora.

Inicialmente, o próprio Circulando seria reformulado, deixando de ser noturno para ganhar um espaço ao vivo nas tardes do canal, com direito a plateia para até 200 pessoas.

O curioso é que, de acordo com reportagem do Estadão de 18 de agosto de 1996, o principal objetivo do novo programa era resgatar o clima de baderna do Perdidos na Noite, comandado por Fausto Silva, que acaba de deixar a Globo após 32 anos de Domingão do Faustão.

No final das contas, esse era o embrião do H, que estreou em 14 de setembro de 1996, aproveitando uma brecha na grade da Band no início da tarde.

O resto da história praticamente todo mundo conhece: o H fez sucesso, Huck virou a maior estrela da Band no final dos anos 1990, revelou personagens como Tiazinha (Suzana Alves) e Feiticeira (Joana Prado) e, ao ser exibido no horário nobre, chegou a alcançar 15 pontos de audiência.

Aos 27 anos, Luciano já havia passado do primeiro milhão de dólares. Naquela época, faturava uma média de R$ 120 mil por mês na televisão, entre salários e merchandising, além de embolsar mais de R$ 80 mil mensais com outros negócios, incluindo revista, programa de rádio, restaurantes, empreendimentos imobiliários, site na internet e comerciais.

Em julho de 1999, a Globo começou a assediar Huck, ao mesmo tempo em que contratava nomes como Serginho Groisman, Ana Maria Braga e Jô Soares, num dos maiores ataques da emissora à concorrência.

Antes de fechar com a Globo, Luciano flertou com o SBT, que queria um substituto para o comandante do Programa Livre. Mas não rolou: o contrato com o apresentador foi assinado em setembro daquele ano, com o Caldeirão do Huck estreando em 2000. Após mais de 21 anos, um novo capítulo será iniciado nessa trajetória daqui a alguns meses.


Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novelaOutubro Rosa: Conheça cinco famosas que venceram o câncer de mamaAlém de José de Abreu: Sete atores brasileiros que se aventuraram na política

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas