Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

'DESTEMPERO'

Bonner critica ataques de Jair Bolsonaro a jornalistas: 'Não cumpre seu papel'

Reprodução/TV Globo

De terno e gravata, William Bonner tem expressão séria em editorial do Jornal Nacional

William Bonner no Jornal Nacional do dia 19, quando fez editorial sobre 500 mil mortes na pandemia

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 27/6/2021 - 7h01

William Bonner não ficou calado diante dos recentes ataques do presidente Jair Bolsonaro à imprensa --em especial, a profissionais mulheres. O âncora do Jornal Nacional declarou que questionar o governo é um direito de todos os cidadãos, e que os jornalistas estão representando o povo ao inquirir os políticos. "Se a autoridade pública manda calar a boca, se ela se recusa a responder, ou responde com impropérios e insultos, quem não está cumprindo seu papel é a autoridade pública", criticou.

O companheiro de Renata Vasconcellos na bancada do Jornal Nacional participou do Altas Horas de sábado (26), e foi questionado por Serginho Groisman sobre os editoriais feitos no telejornal em dias nos quais as mortes por Covid-19 atingem números expressivos --como as 500 mil mortes do último dia 19.

"Durante a pandemia, foram feitos alguns editoriais quando números muito impressionantes eram atingidos. Isso aconteceu, por exemplo, quando o número de 100 mil mortes foi atingido. Agora com 500 mil mortes, nós achamos que era o momento não apenas de fazer um editorial para marcar posição sobre a gravidade dessa tragédia nacional, mas para marcar uma posição nossa, do Jornalismo da Globo, em defesa de coisas que constam na nossa essência e nos nossos princípios editoriais", explicou Bonner.

"Então, o editorial teve o objetivo de informar o povo brasileiro, contar pro povo brasileiro que a despeito de tudo o que está acontecendo, nós não vamos arredar pé da defesa do direito à saúde, que é um direito do cidadão brasileiro, e o direito de vivermos numa democracia. Tudo aquilo que põe em risco uma coisa ou outra, demanda da gente uma postura muito firme", continuou o âncora.

"Nós observamos naquele editorial que tudo na vida, tudo no universo comporta diversos ângulos, e você deve acolher todas as possíveis visões dos problemas, esses ângulos e essas visões são acolhidos no debate. Mas é óbvio que tem que haver exceções, e a gente não vai transigir quando o que estiver em risco for a saúde de todo mundo e a democracia brasileira que a gente preza tanto e pela qual se lutou tanto", alfinetou, que relembrou a Ditadura Militar (1964-1985) e o risco à democracia.

Eu tinha 20 anos quando a gente começou a brigar para ter eleições diretas, por exemplo. E aí declarações, atitudes, manifestações, sinais vão sendo dados, aqui e ali, que acendem a nossa luz de alerta. A imprensa livre tem como papel, toda a imprensa livre tem como papel, defender a nossa democracia. É o que a gente está fazendo e foi o que a gente quis marcar com aquele editorial.

Apesar dos ataques cada vez mais frequentes de Bolsonaro, Bonner ressaltou que os jornalistas não devem se alterar ao serem confrontados pelo presidente. "Mas como nós dissemos essa semana, no próprio Jornal Nacional, a respeito desse destempero da autoridade pública, cabe a todos nós seguir fazendo o nosso trabalho com a serenidade. Serenidade nós temos, e estamos com o público ao nosso lado nesse trabalho que é tão importante e fundamental à democracia", finalizou.


Leia também

Enquete

Você gostou dos participantes escolhidos para o BBB22?

Web Stories

+
BBB22: Cinco vezes em que Naiara Azevedo atraiu o ranço do público na primeira semanaFaustão na Band abala concorrentes com ibope histórico e equipe provoca RecordAntes da estreia, BBB22 já rendeu treta entre famosos, tentativa de redenção e maisBBB22: Após frustrar público, Globo anuncia participantes nesta sexta-feiraSunga branca, esponjão e recorde no paredão: 10 momentos para o BBB22 tentar superar

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas