Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

HAJA VENDA!

Black Friday: Globo cobra até R$ 850 mil para exibir comercial de 30 segundos

REPRODUÇÃO/YOUTUBE

Luciano Huck sorri em propaganda de rede varejista; a cena está com um fundo azul

Luciano Huck é garoto-propaganda de uma rede varejista que inunda a TV de anúncios na Black Friday

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 26/11/2021 - 10h39

Nesta sexta-feira (26), com as empresas interessadas em vender produtos na Black Friday, os intervalos estão inundados com ofertas. As emissoras aproveitam a ocasião para turbinar os ganhos com campanhas e merchandisings. Principal vitrine da televisão, a Globo cobra até R$ 852 mil por um comercial de 30 segundos exibido para o mercado nacional.

O preço mais alto é o do Jornal Nacional, seguido por Um Lugar ao Sol. O espaço publicitário na novela das nove sai por R$ 843,5 mil. Por conta dos índices de audiência, os maiores valores estão no horário nobre.

Fantástico (R$ 649,9 mil), Quanto Mais Vida, Melhor! (R$ 551,1 mil) e a segunda edição do telejornal local (R$ 519,1 mil) completam o top cinco de intervalos mais caros da Globo.

Como comparação, um espaço de 30 segundos no matinal Mais Você sai por R$ 95,4 mil. Os dados são de novembro e constam na lista de preços disponibilizada pelo departamento de Negócios da Globo. Os valores são sugeridos na tabela, mas geralmente são negociados e podem sofrer redução.

Veja abaixo uma lista com os valores:

Programas exibidos de segunda a sexta

  • Hora 1 - R$ 34,1 mil
  • Bom Dia (local) - R$ 78,5 mil
  • Bom Dia Brasil - R$ 122,1 mil
  • Mais Você - R$ 95,4 mil
  • Encontro - R$ 110 mil
  • Local TV (1ª Edição) - R$ 209,6 mil
  • Globo Esporte - R$ 245,2 mil
  • Jornal Hoje - R$ 243,4 mil
  • Sessão da Tarde - R$ 99,5 mil
  • O Clone (Vale a Pena Ver de Novo) - R$ 178 mil
  • Malhação - R$ 259,4 mil
  • Nos Tempos do Imperador - R$ 406 mil
  • Local TV (2ª Edição) - R$ 519,1 mil
  • Quanto Mais Vida, Melhor! - R$ 551,1 mil
  • Jornal Nacional - R$ 852,4 mil
  • Um Lugar ao Sol - R$ 843,5 mil
  • Tela Quente - R$ 336,2 mil
  • The Voice Brasil - R$ 411,4 mil
  • Futebol de quarta-feira - R$ 472,3 mil
  • Jornal da Globo - R$ 190,2 mil
  • Conversa com Bial - R$ 90 mil
  • Corujão - R$ 25,8 mil

Programas exibidos no sábado

  • Como Será? - R$ 23,4 mil
  • É De Casa - de R$ 79,2 mil a R$ 106,6 mil
  • Sessão de Sábado - R$ 129,9 mil
  • Caldeirão - R$ 194,3 mil
  • Vai que Cola - R$ 263,9 mil
  • Altas Horas - R$ 166,8 mil
  • Supercine - R$ 95,4 mil

Programas exibidos no domingo

  • Pequenas Empresas - R$ 45,8 mil
  • Globo Rural - R$ 105,9 mil
  • Auto Esporte - R$ 180 mil
  • Esporte Espetacular - R$ 204,8 mil
  • Temperatura Máxima - R$ 172 mil
  • Zig Zag Arena - R$ 172 mil
  • Futebol de domingo - R$ 397,1 mil
  • Domingão - R$ 367,8 mil
  • Fantástico - R$ 649,9 mil
  • Domingo Maior - R$ 133,8 mil
  • Cinemaço - R$ 25,8 mil

Black Friday na Globo

A Globo começou a pensar em como ganhar mais dinheiro com a Black Friday muito antes deste mês. Em junho, a emissora lançou pacotes de anúncios que incluíam desde intervalos tradicionais até programas exclusivos para vender produtos. A líder de audiência colocou à disposição suas principais estrelas para conquistar a atenção das marcas.

O combo com a maior exposição foi o Master, que tinha um pacote de mídia integrado entre TV aberta, por assinatura e digital, e com um limite de quatro marcas. A empresa que comprou essa opção, além das pesquisas de mercado inclusas nas outras cotas, teve breaks exclusivos na Globo e um destaque para exibir ofertas durante 30 segundos em um intervalo no Jornal Nacional.

Foi um pacote como esse que o Magalu comprou para fazer um programa apresentado por Luciano Huck e dirigido por J.B. Oliveira, o Boninho, no Multishow na quinta-feira (25).


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.