Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

MATHEUS RIBEIRO

Apresentador da Globo denuncia radialista por homofobia: 'Me sinto obrigado a lutar'

REPRODUÇÃO/GLOBO

O apresentador Matheus Ribeiro na bancada do Jornal Nacional, no Rio de Janeiro

Matheus Ribeiro na bancada do Jornal Nacional; apresentador da Globo entrou na Justiça contra homofobia

GABRIEL PERLINE

Publicado em 8/2/2020 - 8h09

Alvo de comentários homofóbicos após sua estreia na bancada do Jornal Nacional, em novembro, Matheus Ribeiro protocolou uma notícia-crime no Ministério Público Federal contra o radialista Luiz Gama, que usou suas redes sociais para insinuar --com palavras de baixo calão-- que o apresentador da TV Anhanguera, afiliada da Globo em Goiás, teria conquistado espaço no principal telejornal do país após revelar-se homossexual.

"Fiz o que cada um de nós deve fazer diante de manifestações que incitam o ódio e a violência. Depois do avanço que foi a equiparação da homofobia ao racismo, não podemos ser omissos na hora de exigir do Estado a punição contra esses excessos. Como jornalista, sou um defensor radical da liberdade de expressão, mas também me sinto obrigado a lutar contra qualquer tipo de discriminação", disse Ribeiro ao Notícias da TV.

O jornalista de Goiás estreou na bancada do JN em 9 de novembro, ao lado de Larissa Pereira, da Paraíba, em decorrência do aniversário de 50 anos do telejornal, que promoveu um rodízio de apresentadores com representantes de todos os Estados do país.

Quatro dias depois, Luiz Gama usou seus perfis nas redes sociais para destilar seu ódio. Na época, ele atuava como radialista na BandNews FM de Goiânia.

"Putz! Onde o Brasil vai parar? Um apresentador de telejornal de qualidade média virou a bola da vez no jornalismo nacional só porque revelou que sua rosquinha está à disposição. A qualidade profissional que se f...", escreveu Gama em em seus perfis no Twitter e no Facebook.

Ele chegou a apagar os comentários, mas prints já haviam sido salvos e viralizaram na web. Após a ameaça de processo por parte de Ribeiro e uma nota de repúdio emitida pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Goiás, a Band oficializou a demissão do radialista.

Crime de homofobia

O advogado do jornalista, Ricardo Sidi, disse à reportagem que o objetivo da ação não é obter indenização financeira para seu cliente, mas levar para a esfera penal, e obter a pena máxima para o Luiz Gama, que pode pegar até três anos de reclusão.

"É muito provável que essa pena, se aprovada, possa ser revertida em prestação de serviços comunitários, que é um praxe de nossa Justiça para casos em que o réu é condenado a menos de cinco anos de prisão. De qualquer modo, levaremos até o fim para que a sociedade entenda que homofobia é crime e que casos como o de Matheus, meu cliente, sejam cada vez menos frequentes", explicou.

Com a notícia-crime protocolada no Ministério Público, Sidi espera que o órgão encaminhe o caso para a Justiça Federal. Nesta esfera, Luiz Gama poderá responder a uma ação penal. "Não visamos uma indenização, e tampouco abriremos espaço para uma conciliação", avisou o advogado de Matheus Ribeiro.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você acha que a Globo deu um tiro no pé em reprisar uma novela tão recente como A Força do Querer?

Sim, 2017 é logo ali
21.50%
Não, a novela merece ganhar esse espaço atual
18.71%
Vacilaram, tinham outras opções
42.04%
Não vejo, não sou capaz de opinar
17.76%