Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PASSAPORTE PARA LIBERDADE

Sophie Charlotte usa cara de pau e origem alemã para protagonizar nova minissérie

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Sophie Charlotte de casaco azul e luvas roxas nas mãos, olha para o horizonte caracterizada como sua personagem em Passaporte para Liberdade

Sophie Charlotte foi pessoalmente pedir pelo papel de Aracy na minissérie Passaporte para Liberdade

FERNANDA LOPES

fernanda@noticiasdatv.com

Publicado em 16/12/2021 - 6h45

No próximo dia 20, Sophie Charlotte aparecerá na Globo num dos papéis mais importantes de sua carreira: a protagonista da série Passaporte para Liberdade. Quando descobriu que a emissora faria uma produção para retratar os atos heroicos de Aracy de Carvalho (1908-2011), a atriz não teve dúvidas e botou a cara de pau para jogo. Ela se ofereceu para o trabalho e usou sua origem alemã para convencer o diretor Jayme Monjardim de que deveria ser contratada. Deu certo.

Passaporte para Liberdade conta a história de Aracy, chefe da seção de passaportes do consulado brasileiro em Hamburgo, na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Ela ajudava judeus a fugirem do Holocausto dando a eles vistos para embarcarem para o Brasil e viverem permanentemente aqui. Aracy agia na ilegalidade para salvar vidas, correndo risco de morte por isso. 

A própria Sophie é natural de Hamburgo, onde viveu seus primeiros oito anos. Ela se encantou com a história de Aracy e foi literalmente bater na porta da sala de Jayme Monjardim para pedir o papel. Ela falou em alemão, se apresentou como Aracy, e na mesma hora o diretor concordou: "É sua". 

"Foi arrebatador descobrir uma história dessa importância meio que por acaso, descobrir que isso se tornaria uma série em processo de desenvolvimento com o Jayme, fui correndo bater na sala dele. Quando eu ia imaginar? Muitos acasos me encaminharam pra essa história. Fiquei intensamente envolvida com a história da Aracy", diz a atriz.

No meio do processo de desenvolvimento da série, foi decidido que ela seria toda gravada em inglês, pois é uma coprodução da Globo com a Sony. O elenco contou com auxílio de uma preparadora de atores que os ajudou a trabalhar no idioma. 

"Realmente, se arriscar em outra língua é uma aventura imensa. Eu tive a cara de pau de falar que eu dava conta de fazer isso. Uma coisa é falar numa língua e outra é atuar numa coisa que não é do seu dia a dia. [Ajudou] Ter ligação profunda com essa cidade [Hamburgo], por ter vivido até os oito anos lá. O encontro cultural Brasil e Alemanha faz parte da minha vida. Eu me sinto privilegiada de ter tido essa oportunidade", afirma Sophie. 

Hoje, a atriz de 32 anos enxerga até semelhanças entre sua vida e a de Aracy e diz que levou o exemplo da mulher corajosa para a própria trajetória. 

"Eu tenho um filho de cinco anos, o filho dela foi morar lá [na Alemanha] com cinco anos. Essa relação entre maternidade, impulso, se sustentar enquanto mulher, ser humano, ativa, transformando a vida das pessoas... Tudo isso foi muito especial, é muito marcante encontrar uma história assim pra se contar como atriz. E tinha que mergulhar no alemão, que é minha primeira língua, isso me deu um mergulho na memória. Também dá uma sensação de ciclo. Essa série poderia ter acontecido antes, ou daqui a um tempo. Não existem acasos", acredita.

"Essa jornada da Aracy é muito poderosa, mostra a importância de se ter coragem na vida, de agir com o coração, seguir adiante sem temer. Não deixar o medo tomar conta. Essa coragem virou o grande lema da minha vida, na minha jornada", conclui Sophie.

Passaporte para Liberdade estreia na Globo e no Globoplay na próxima segunda. Os episódios estarão disponíveis em português (dublado) e em inglês (legendado), nas vozes originais dos atores. 


Leia também

Enquete

Com quem Irma merece ficar em Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.