Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Cheios de desculpas, astros da Globo recusaram papéis em O Clone

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Fabio Assunção em Os Maias (2001), em cena externa, sob sol, com expressão séria, de terno e gravata

Fabio Assunção em Os Maias (2001); ele recusou papel em O Clone (2001) após estrelar a minissérie

THELL DE CASTRO, colunista

Publicado em 1/5/2022 - 10h28

Atualmente em exibição no Vale a Pena Ver de Novo, O Clone (2001) passou por contratempos na hora da escalação do elenco. Alguns artistas foram cogitados ou chegaram a ser confirmados para viverem importantes personagens da trama de Gloria Perez, mas acabaram cedendo o lugar para outros colegas. Será que se arrependeram?

Um dos principais casos envolve a protagonista Jade, que impulsionou de vez a carreira de Giovanna Antonelli. Ela vinha do sucesso de Capitu, de Laços de Família (2000).

Antes dela, o papel deveria ficar com Leticia Spiller. A atriz, no entanto, se recusou a participar da novela, alegando compromissos no teatro. A Globo não deixou barato e suspendeu o contrato da atriz para que ela "resolvesse todos os seus projetos pessoais", como foi divulgado na época.

Leticia acabou se acertando com a emissora e, em 2002, protagonizou a esquecida Sabor da Paixão. Ana Paula Arósio também foi cotada para viver a muçulmana, mas pediu para descansar após emendar vários trabalhos.

Os gêmeos Lucas e Diogo e o clone Léo (Murilo Benício) também poderiam ter tido outro intérprete. Em março de 2001, Fabio Assunção foi dado como certo no elenco da novela, para viver os principais papéis masculinos da história.

"Até a semana passada, somente Fabio Assunção e Juca de Oliveira estavam certos no elenco", informou o jornal O Estado de S. Paulo na época. Os personagens acabaram ficando com Murilo Benício, e Assunção estrelou Coração de Estudante em 2002.

"Em setembro do ano passado, a Gloria me telefonou dizendo que tinha escrito o papel principal para mim. Fiquei muito lisonjeado com o convite, mas não estou com disponibilidade emocional para a empreitada. Quero dar uma reciclada, tenho uma boa relação com a emissora, e eles entenderam que eu precisava dar uma parada", contou o ator ao Jornal do Brasil.

Outros casos

Eduardo Moscovis foi a primeira escolha da Globo para viver o personagem Said. No entanto, ele alegou que estava cansado de emendar novelas --havia feito Anjo de Mim (1997), Por Amor (1998), Pecado Capital (1998) e O Cravo e a Rosa (2000) praticamente sem descanso, e por isso recusou o papel, que ficou com Dalton Vigh. Em 2002, o ator esteve na fracassada Desejos de Mulher.

Atualmente longe da televisão, José Mayer era uma das principais estrelas da Globo na época, vindo de Laços de Família. Ele foi cotado para viver o tio Ali na trama de Gloria Perez.

No entanto, preferiu integrar outro projeto de Manoel Carlos, a minissérie Presença de Anita (2001), que também fez sucesso. O personagem Ali foi parar nas mãos de Stênio Garcia, que deixou A Padroeira (2001) para migrar de faixa e viver um dos grandes sucessos de sua carreira.

"Dá para acreditar no José Mayer como pai do Murilo Benício aos 40 anos? Claro que não", disse a própria Gloria ao Jornal do Brasil em 2001, citando outra possibilidade: o papel de Leônidas, que ficou com Reginaldo Faria. "Optar pelo José Mayer neste papel seria apenas escolher um galã e não um ator adequado", completou.

Ivete Sangalo também poderia ter sido uma das estrelas de O Clone. A cantora, que sempre sonhou em ser atriz, foi convidada pela autora para interpretar uma policial --ela também foi chamada por Carlos Lombardi para Uga Uga (2000). No entanto, por questões burocráticas, a participação de Ivete não aconteceu.

Além dos citados, foram cogitados para o elenco da novela nomes como Cláudia Abreu, Walmor Chagas, Edson Celulari, Jonas Bloch, Thiago Lacerda e Cláudio Heinrich.


Últimas de O Clone

Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.