Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SING 2

Paulo Ricardo exalta o rock e se compara ao U2: 'Estamos em segundo plano'

Reprodução/Universal Pictures

Paulo Ricardo em vídeo de divulgação para a animação Sing 2

Paulo Ricardo dubla Clay Calloway em Sing 2; cantor exaltou a importância do rock para o mundo

ANDRÉ ZULIANI

andre@noticiasdatv.com

Publicado em 10/1/2022 - 6h30

Ícone musical dos anos 1980 e 1990, Paulo Ricardo se arriscou pela primeira vez como dublador em Sing 2 (2022), sequência da elogiada animação Sing: Quem Canta Seus Males Espanta (2016). No longa, ele interpreta um astro do rock cujo sucesso ficou no passado, situação com a qual o cantor diz se identificar e que mostra a importância do gênero para a cultura mundial.

Em Sing 2, Paulo Ricardo dá voz a Clay Calloway, um leão que fez muito sucesso como cantor de rock, mas que passou os últimos 15 anos recluso em sua casa. Na versão original, o personagem é dublado por Bono Vox, vocalista do U2.

Em entrevista exclusiva ao Notícias da TV, o ex-vocalista da banda RPM contou que enxerga em Clay a mesma situação na qual ele e Bono se encontram atualmente. Para ele, os grandes ídolos do rock ficaram em segundo plano com o passar dos anos.

"O Clay é o rock em si, o rock enquanto gênero dentro de Sing, que aborda todo o show business. O rock, como o Clay, andava recluso há 15 anos. A situação dele é uma metáfora para todo o rock", explicou.

O gênero tem estado em segundo plano, assim como o U2. Nós todos sentimos isso. Houve um momento em que eu, Bono e outros explodimos, e o mundo estava aberto para o novo rock. Nós éramos a bola da vez, mas nos últimos 20 anos a coisa mudou, e a gente se sentiu fora do protagonismo.

À reportagem, Paulo Ricardo apontou que a representação de Clay em Sing 2 faz diversos paralelos com a carreira de um astro da música como ele e Bono. Como exemplo, o cantor explicou que bloqueios criativos e o medo do ostracismo fazem parte do processo, e que só o carinho dos fãs --assim como os do personagem-- são capazes de manter um músico fortalecido.

"É claro que todos nós já nos identificamos em muitos aspectos com o Clay. O momento de superação do medo que ele tinha do palco [no longa] é muito emblemático. É como se o filme estivesse preparando o retorno do rock para as novas gerações", pontuou.

Apesar de enxergar no personagem todo o lado negativo enfrentado pelo gênero musical nas últimas décadas, Paulo Ricardo disse acreditar que Sing 2 mostra a capacidade do rock de se reinventar e que a nova audiência clama pela volta dos velhos tempos.

"É uma boa notícia que as crianças, o entretenimento e o cinema de um modo geral estejam colocando as fichas no rock e em um personagem como o Clay. A gente sente esse chamado, essa necessidade que as pessoas e outros personagens mais jovens do filme manifestam do rock, que é possivelmente o gênero cultural mais importante do século 20. O rock está de volta, e fazer parte disso foi muito legal", finalizou. 

Sing 2 está em exibição nos cinemas brasileiros. Assista ao trailer dublado abaixo:


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.