Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PROCESSO DIFÍCIL

Fiuk revela perrengues do trabalho de dublagem para Sing 2: 'Você fica perdido'

Divulgação/Universal

Fiuk durante trabalho de dublagem para a animação Sing 2

Fiuk dubla o personagem Johnny em Sing 2; ator contou perrengues do processo de trabalho

ANDRÉ ZULIANI

andre@noticiasdatv.com

Publicado em 8/1/2022 - 6h35

Um dos astros do elenco de voz nacional de Sing 2 (2022), Fiuk voltou a dublar o personagem Johnny depois de se destacar no primeiro longa, lançado em 2016. Apesar de comparar o retorno ao trabalho para o segundo filme como "andar de bicicleta", o ex-BBB revelou alguns perrengues do processo de dublagem.

Após se destacar como ator e cantor, Fiuk confessou ter sentido dificuldades para se encaixar no trabalho de dublador em sua primeira experiência. De acordo com o artista, o fato de sua voz ser um pouco mais grave do que a imaginada para Johnny atrapalhou o início do processo até ele encontrar o tom ideal.

"No começo você fica meio perdido para encaixar algumas frases. Tudo tem uma fórmula. Até entender tudo, acho que custou metade do processo da gravação do primeiro filme. A gente teve que dar uma suadinha no começo. Às vezes vem uma frase para você falar na dublagem que não cabe na boca do personagem. Tem uns ajustes, mas depois que você pega, você respira igual ao personagem", contou o ator em entrevista exclusiva ao Notícias da TV.

Ao superar as dificuldades no primeiro longa, Fiuk confessou que retornou para Sing 2 mais leve e preparado. À reportagem, o ex-vocalista da Hori contou que a adaptação foi tão rápida que levou metade do tempo esperado e surpreendeu até Manolo Rey, diretor de dublagem da animação.

"Parecia que eu tinha entrado no estúdio como Johnny. Você começa a entender os tempos da dublagem. Parece que eu lia a boca e já entendia a cena completa. Foi um pingue-pongue gostoso, passou muito na brincadeira e foi muito mais leve. De fato, o segundo foi mais de boa", explicou.

Para explicar as dificuldades de se dublar um personagem de uma animação, o terceiro colocado do BBB21 comparou o trabalho com o de atuar em um filme ou em uma novela. A principal diferença, segundo Fiuk, está na incorporação.

É totalmente diferente. Uma coisa é atuar, a vida está na minha cara, no meu jeito, na voz. Outra coisa é um desenho, você vê o personagem ali. Se você não encontra o tom, fica estranho, destoa e parece que não encaixa. Existe esse desafio para encontrar o personagem até para não ficar parecido comigo. Você chega no cinema e fala: 'Pô, Fiuk, para de falar comigo'.

Diferentemente do primeiro longa, o ator teve a companhia do pai, Fábio Jr., em Sing 2. No filme, o cantor de 68 anos faz uma ponta como Big Daddy, pai de Johnny e um dos antagonistas de Sing: Quem Canta Seus Males Espanta (2016).

Na visão de Fiuk, o trabalho de Fábio o surpreendeu pela facilidade com que encontrou o tom específica para seu personagem --totalmente diferente da voz original do criador do hit Alma Gêmea.

"Ele se entregou bastante, fez um vozeirão. A gente mergulha no papel quando está no estúdio. Até ele, que tem tantos anos de carreira e o seu perfil de fazer coisas. Quando eu o vi fazendo o timbre do personagem, fiquei surpreso. Eu o conheço, achei que ia fazer da maneira dele, mas ficou de um jeito que, se não soubesse que era ele, eu ia duvidar", acrescentou.

A voz da experiência

Aos 19 anos, a atriz, cantora e dançarina Any Gabrielly pode dizer que tem mais experiência do que Fiuk nos trabalhos de voz. Além de viver a personagem Nooshy em Sing 2, a artista também dublou a protagonista de Moana: Um Mar de Aventuras (2016).

De volta ao estúdio de dublagem, Any explicou ao Notícias da TV que o processo de trabalho é amplo e que ainda existem muitas coisas a aprender antes de se declarar uma dubladora oficial.

"Ainda existem muitos desafios para mim. A coisa mais gostosa de dublar é que, sempre ao entrar no estúdio, nós não sabemos o que esperar. A gente só conhece os personagens lá dentro. Eu amo que toda vez é uma experiência nova e diferente. Sempre é um personagem novo e tem algo que eu preciso mudar e aprender", definiu.

No caso de Sing 2, a dubladora explicou que o trabalho de se adaptar à personagem se tornou mais fácil por se identificar muito com a personalidade da Nooshy, uma gata dançarina que se torna tutora de Johnny no mundo da dança.

"Eu super me identifico com ela. A Nooshy tem um jeitão muito igual ao meu. Ela é descolada e divertida, mas também tem valores muito definidos dentro dela e não abre mão disso. Ela não abaixa a cabeça e luta pelo que acredita", finalizou. 

Sing 2 já está disponível nos cinemas do Brasil. Assista abaixo ao trailer:


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.