Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

INDEFERIDO

Justiça nega pedido de Xuxa Meneghel para tirar programa de Sikêra Jr. do ar

Reprodução Record / Reprodução RedeTV!

Xuxa com expressão de incômodo e Sikêra Jr. apontando a mão para a câmera

Xuxa processa Sikêra Jr. após ser acusada de pedofilia; liminar da apresentadora foi rejeitada pela Justiça

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 20/11/2020 - 11h48

Em despacho liberado no último dia 18, a Justiça do Estado de São Paulo negou em primeira instância o pedido de Xuxa Meneghel para tirar do ar o Alerta Nacional, de Sikêra Jr., após ser chamada de pedófila pelo apresentador no programa da RedeTV!. O juiz César Peixoto entendeu que a liminar não continha argumentos suficientes para banir o noticiário.

O magistrado argumentou que a solicitação extrapola os limites da liberdade de expressão e pode configurar censura. Segundo documentos obtidos com exclusividade pelo Notícias da TV, houve um exagero na forma como o caso passou a ser tratado na mídia.

"Processe-se o recurso, sem efeito suspensivo, diante da ausência de plausibilidade dos argumentos articulados, sobretudo porque eventual exagero do conteúdo das informações/reportagens dependeu de avaliação futura e mais aprofundada, sem embargo da possibilidade, em tese, da retirada do programa do ar, sob pena de censura prévia", diz um trecho da decisão.

O juiz relator também vetou o pedido da apresentadora para que o caso passe a correr em segredo de Justiça. "Indefiro o segredo de Justiça, porque a hipótese seguiu a regra da publicidade ampla inexistindo qualquer tipo de constrangimento à exposição."

Xuxa Meneghel recorreu da decisão no início da noite de quinta-feira (19).

Após as acusações de Sikêra Jr., a rainha dos baixinhos pediu na Justiça a cassação do título de jornalista do apresentador, bem como sua demissão da RedeTV!, e uma indenização de R$ 500 mil --que ela pretende doar a instituições de caridade.

A ação foi protocolada na Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro, em São Paulo, em 27 de outubro, e a apresentadora da Record pediu tutela de urgência ao caso, pois alega que o rival oferece riscos à sociedade.

Desabafo

Nesta sexta-feira (20), Xuxa Meneghel fez um desabafo no Instagram sobre as críticas com as quais tem lidado nas últimas semanas, desde que começou a ser alvo dos ataques de Sikêra.

Ela compartilhou um vídeo do fã Henrique, feliz por ter ganhado de presente sua biografia, Memórias, e escreveu:

"Nesses dias eu tenho recebido muitas críticas, muitas delas infundadas, criadas porque eu não concordo com as atitudes de alguns políticos, porque eu não concordo com as pessoas destilando o ódio em nome de Deus e da família, críticas por estar me protegendo de ataques. Mas aí vejo essa imagem do Henrique e meu coração se enche de gratidão".

Entenda o caso

Os ataques a Xuxa Meneghel começaram depois que ela se revoltou ao tomar conhecimento de um vídeo que o apresentador exibiu em seu programa, no qual aparecia um homem estuprando uma égua. Sikêra ainda fez graça com a situação e ainda convocou dois membros de seu programa para simularem a cena ao vivo.

Xuxa se manifestou nas redes sociais, e Sikêra iniciou os ataques. A chamou de pedófila, usando como argumento o fato de a loira ter atuado no filme Amor Estranho Amor (1982), e a acusou de fazer apologia às drogas, por uma vez ela ter dito em entrevista que sua mãe, dona Alda Meneghel (1937-2018), fazia uso de maconha medicinal para amenizar sintomas de sua doença degenerativa.

Sikêra também afirmou que Xuxa incentiva as crianças a "safadeza, putaria e suruba" por ter lançado recentemente o livro Maya, o Bebê Arco-Íris, que conta a história de uma garotinha que tem duas mães.

Diante das acusações, a apresentadora levou o caso à Justiça e alega que "o conteúdo exibido e prolatado pelo requerido é calunioso". Xuxa afirma que os comentários do funcionário da RedeTV! "não se tratam de liberdade de expressão, mas de abuso de direito".


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?