Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

PROCESSO DE LUTO

Fernanda Lima revela que gritou no meio do mato após perder pai: 'Choro primitivo'

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

A apresentadora Fernanda Lima com o pai, Cleomar Lima, em foto publicada no Instagram

Fernanda Lima com o pai, Cleomar Lima, em foto do Instagram; apresentadora falou sobre luto

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 22/12/2020 - 9h31

Fernanda Lima revelou que ficou muito tempo gritando no meio do mato após perder o pai, Cleomar Lima, para a Covid-19. "Eu berrava para tudo. Para todos os recursos que eu pudesse ter. E também para ele. E eu chorava, mas eu chorava um choro primitivo. Aquele choro que você só consegue chorar sozinha", declarou a apresentadora.

Em entrevista ao canal do YouTube de Astrid Fontenelle na noite de segunda-feira (21), Fernanda relembrou seu processo de luto quando teve que se despedir do pai, em julho deste ano, durante a pandemia.

"No dia 18 de março, quando começou a história de se recolher, a gente pegou o carro de São Paulo e foi para o Rio. Ficamos lá quatro meses direto sem sair, somente nós. Óbvio que minha relação com a família já é muito grudada. Estamos sempre juntos. Mas a minha relação com a natureza, de uma maneira geral, foi muito, muito intensa", começou a funcionária da Globo.

"Todo mundo sabe que perdi meu pai. Foi um processo bastante doloroso. Durante esses quatro meses, durante toda essa tortura que a gente passou, andava todo dia no meio do mato sozinha e gritava, de verdade. Eu berrava. Para todos os recursos que eu pudesse ter. E também para ele", disse a mulher de Rodrigo Hilbert.

"Eu chorava, mas eu chorava um choro primitivo. Aquele choro que você só consegue chorar sozinha. Óbvio que o Rodrigo me deu muito colo. Minha família foi muito importante. Mas você chora e uma hora tu para. Porque tipo: 'Ah, não vou ficar aqui chorando na frente de todo mundo'. Dava uma vergonha chorar", relembrou a atriz, que falou sobre o medo de parecer fraca.

"Foi muito importante para mim essa coisa de estar perto da natureza, porque na natureza eu me libertei, libertei minha dor, libertei meu grito visceral", concluiu a artista. 

Confira a entrevista de Fernanda Lima a Astrid Fontenelle: 


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?