Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

QUEM VENCE?

Ibope lança ferramenta para incendiar guerra entre TV, streaming e redes sociais

REPRODUÇÃO/BBC E NETFLIX

Montagem de fotos com a participante Sara Davies no reality Strictly Come Dancing, da BBC (à esq.), e o ator Jung-Jae Lee em Round 6, da Netflix

Sara Davies no reality Strictly Come Dancing, da BBC (à esq.), e Jung-Jae Lee em Round 6, da Netflix

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 6/12/2021 - 6h35

A Kantar Ibope Media está lançando uma ferramenta de medição de audiência que pretende incendiar a guerra entre TV, streaming e redes sociais. Sem um nome oficial, o medidor começou a ser usado no Reino Unido e deve chegar ao Brasil em 2022 para traçar comparativos entre séries on demand, programas de televisão e até conteúdos de plataformas como o TikTok.

De acordo com informações fornecidas pelo instituto ao Notícias da TV, essa nova medição é uma atualização lançada pelo Barb (Broadcasters' Audience Research Board, ou Grupo de Pesquisa do Público de Emissoras), que traça um ranking do mês e abrange todos os players de conteúdo (TV aberta, TV paga, serviços de streaming e plataformas de compartilhamento de vídeo) de forma linear.

É diferente da aferição dos dados de audiência utilizada hoje em dia, que compara somente concorrentes de cada categoria, como Globo x Record x SBT e Netflix x Prime Video, por exemplo. 

Em um ranking de outubro do Reino Unido, o programa mais visto pelos britânicos foi o reality Strictly Come Dancing (versão original da Dança dos Famosos), que atraiu 10,4 milhões de pessoas à emissora BBC em um único dia (30 de outubro). Em segundo lugar ficou o The Greatest British Bake Off, do Channel 4, que conquistou 8,8 milhões de pessoas em 26 de outubro.

Fenômeno da Netflix, Round 6 ficou em 10º lugar nesta lista, já que seu sétimo capítulo foi visto por "apenas" 5,7 milhões de telespectadores em 21 de outubro. 

Confira o ranking de outubro no Reino Unido (traçado pelo Barb): 

REPRODUÇÃO/KANTAR IBOPE MEDIA

Ranking de audiência do Barb

Programas mais vistos do Reino Unido em outubro

Como funciona a ferramenta

CEO da Kantar Ibope Media, Antônio Wanderley explica à reportagem que o novo medidor é uma extensão do que já existe para a televisão: "A medição é inédita. O objetivo é colocar diferentes conteúdos consumidos lado a lado, de uma forma que junta todos os players na mesma base de métricas". 

Essa medição é fruto da combinação de diferentes técnicas de coletas de dados com uma equipe de cientistas da medição para equalizar todos os dados fornecidos. De tecnologia, nós temos o peoplemeter, que faz o reconhecimento de áudio igual ao utilizado no Brasil, depois o focalmeter, que também é um hardware de propriedade intelectual da Kantar Ibope Media, por meio do qual conseguimos medir todo o fluxo da internet da casa, seja qual for o dispositivo que esteja sendo utilizado. 

Questionado sobre a chegada da ferramenta ao Brasil, o executivo avisa que a empresa está trabalhando para tornar isso possível já para o ano que vem. "Ainda em 2022, o mercado brasileiro também poderá ter uma comparação entre os níveis de audiência dos serviços SVOD (vídeos sob demanda) com os canais de televisão", adianta. 

A atualização do Barb será uma boa notícia para as empresas de publicidade, que terão como analisar melhor os dados de audiência e criar campanhas personalizadas de maneira mais objetiva e inteligente. 

"Essa métrica vai ajudar o anunciante a entender o real alcance das suas campanhas publicitárias. Porque hoje um anunciante faz uma campanha e coloca na televisão, depois pode colocar em um serviço de streaming, e ele não sabe o quanto dessa verba está gerando retorno ou em que momento essa combinação vai funcionar", defende Wanderley.

"Ele [o anunciante] vai ver de que forma pode maximizar as oportunidades de alcance, buscando novas pessoas que a campanha não atinge", conclui. 


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.