Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Sucesso que estreava há 22 anos na Globo quase foi parar na lata do lixo

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Reynaldo Gianecchini e Vera Fischer de roupa de gala em cena de Laços de Família (2000)

Reynaldo Gianecchini e Vera Fischer formavam o casal de protagonistas em Laços de Família (2000)

THELL DE CASTRO

Publicado em 5/6/2022 - 6h15

Há exatamente 22 anos, em 5 de junho de 2000, Laços de Família substituía Terra Nostra na principal faixa de horários da Globo. O que muita gente não sabe é que esse sucesso de Manoel Carlos escapou de ir para o lixo.

A trama tinha como um de seus principais motes a paixão de mãe e filha pelo mesmo homem, mas poderia até não ter existido se a sinopse original de outra novela do autor tivesse sido produzida como previsto, cinco anos antes.

Exibida entre julho de 1995 e março de 1996 no horário das seis, História de Amor teve sua sinopse alterada pela emissora por determinação do Ministério da Justiça, em virtude do horário de exibição.

Maneco havia criado um triângulo amoroso envolvendo Carlos (José Mayer), Helena (Regina Duarte) e sua filha Joyce (Carla Marins).

No entanto, quando ficou sabendo que sua obra seria exibida às seis, modificou o enredo --segundo ele, antes mesmo da decisão do Ministério. Carlos acabou sendo disputado por Helena, Sheila (Lília Cabral) e Paula (Carolina Ferraz).

Sendo assim, a trama da mãe e filha que disputam um mesmo amor acabou ficando para alguns anos depois, em Laços de Família, nos papeis de Helena (Vera Fischer), Camila (Carolina Dieckmann) e Edu (Reynaldo Gianecchini).

Briga judicial

Além disso, por muito pouco Laços de Família não teve outro nome. É que a Record entrou com um processo contra a Globo em 2000 para utilizar esse título na nova produção que estava fazendo, mesmo sabendo que a emissora da família Marinho também estava gravando uma trama homônima.

A guerra aconteceu nos primeiros meses de 2000 e foi resolvida em março, quando o INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) chegou à conclusão que a Globo tinha registro mais antigo da marca Laços de Família.

Solange Castro Neves, autora da atração da Record, entregou a sinopse com esse nome em junho de 1999, mas disse que não houve preocupação em registrá-lo.

"Não temos o hábito de fazer isso. O registro do título é mais comum em cinema", disse à revista Istoé Gente de 14 de março de 2000.

Com o revés, a Record foi obrigada a mudar de estratégia para sua novela, e a autora enviou três novos títulos para aprovação. O canal de Edir Macedo acabou decidindo por Marcas da Paixão.

"Não sei por que deram tanta importância a esse fato. O importante não é o nome, e sim o conteúdo", declarou Solange na mesma reportagem.

Marcas da Paixão estreou um mês antes de Laços de Família, em 8 de maio de 2000, sendo exibida até 18 de novembro do mesmo ano.

Contando no elenco com Vanessa Lóes, Carla Regina, Carlos Casagrande, Irene Ravache, Cláudio Cavalcanti, Nathália Timberg e Oscar Magrini, entre outros.

A meta da emissora era audaciosa: dez pontos no Ibope, mas o resultado foi aquém do esperado. A trama estreou bem, mas viu a audiência cair e fechar na casa dos seis de média.


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.