Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PAPO DE POLÍTICA

Natuza Nery encara guerra contra tempo e muito telefone para colocar programa no ar

REPRODUÇÃO/GLOBONEWS

Natuza Nery nos estúdios de São Paulo da GloboNews, durante a gravação do Papo de Política

Natuza Nery é apresentadora do Papo de Política, da GloboNews, que completa dois anos no ar

GABRIEL VAQUER e ERICK MATHEUS NERY

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 29/8/2021 - 7h00

Apresentadora do Papo de Política, na GloboNews, Natuza Nery encara uma verdadeira guerra contra o tempo para colocar o programa no ar. Em aproximadamente 24 horas, a jornalista usa seu telefone mais de 20 vezes para apurar bastidores dos fatos da semana e encontrar novos ângulos para as notícias do agitado cenário político nacional.

"A gente apura tudo de quarta para quinta. E apuramos muito. Falo com umas 20 fontes entre a noite de quarta e a manhã de quinta para montar o mosaico de fatos e encontrar o sentido da semana", relata a jornalista em entrevista exclusiva ao Notícias da TV.

Idealizado inicialmente em 2019 como um podcast, o programa de áudio fez tanto sucesso que virou uma atração semanal nas noites de quinta-feira da GloboNews em outubro de 2020. Hoje, ele é líder de audiência em seu horário na TV por assinatura.

O elenco segue formado apenas por mulheres: Maju Coutinho, Julia Duailibi e Natuza Nery. Andréia Sadi, que está de licença-maternidade, volta em outubro ao programa. E não é só na frente das câmeras que o Papo tem dedos femininos. Daniela Abreu atua como editora-chefe da atração e foi uma das profissionais que ajudaram Natuza na formatação do programa, junto com outros nomes do Jornalismo da Globo.

Mesmo que a ideia seja apresentar ao público um resumo dos fatos políticos da semana, o debate tenta ser o mais quente possível. Para isso, toda a apuração do programa é feita horas antes de ele ir ao ar. A equipe faz tudo entre quarta e quinta. Além disso, após a gravação do programa de TV, uma versão do bate-papo em podcast também é produzida.

"Nesses dois anos, eu tenho sido mais feliz, faço o que gosto, me divirto fazendo. Estou ao lado de mulheres incríveis com quem divido as dores e as delícias do jornalismo. Tem muita coisa para acontecer ainda", pontua a comentarista da GloboNews ao celebrar o aniversário de dois anos da atração, a ser comemorado nesta segunda-feira (30).

Confira a íntegra da conversa:

Notícias da TV - Como foi a concepção do podcast Papo de Política?
Natuza Nery - Há uns três anos, Daniela Abreu, hoje nossa editora-chefe, falou sobre como seria legal ter um programa de política feito por mulheres. Isso ficou martelando na minha cabeça e, um dia, pensei alto sobre a ideia da Dani: "E se a gente fizesse um podcast?". Sadi, Julia e Maju estavam ali, e as três se empolgaram. Pronto, estávamos a bordo de um projeto juntas! Depois de sugerirmos internamente, de alguns pilotos e com o desejo de ter um produto conversado, como os papos que tínhamos sobre o noticiário, nasceu o Papo de Política.

Como você avalia o projeto hoje, que é um programa de TV junto com um podcast? Acha que ele ainda pode melhorar em algumas questões?
Acho o máximo. Na quinta, a gente grava primeiro o programa e, em seguida, o podcast. Nossa equipe se divide. Um desafio que sempre temos é falar de política de um jeito menos hermético. Por isso, gosto dos causos, das metáforas, de reproduzir diálogos curiosos, reveladores, pois eles ajudam a colorir, a levar quem nos assiste e ouve para dentro da história.

De alguma forma, o noticiário tão pesado dos últimos tempos impede algum tipo de maior leveza no programa?
Buscamos a leveza como meta, mas nem sempre dá pra colocar em prática. Vivemos tempos bicudos, afinal. A trilha da semana, a música que define o noticiário, tem esse objetivo de dar leveza mas, às vezes, a semana foi tão pesada que não tem muito como. A dinâmica do programa acaba ajudando a ser mais leve. Mesmo nas horas mais difíceis, precisamos de respiro. Por isso, equilibramos um pouco para não ficar só de uma cor, digamos assim.

Um dos diferenciais do Papo de Política é que vocês conseguem explicar as notícias de um jeito mais descontraído e "traduzido", diferente do que a gente acompanha no hard news tradicional. O tempo de produção do programa é o que permite esse diferencial?
Nós não combinamos o que cada uma vai falar (ou cantar!). Como gravamos o programa como se fosse ao vivo, de uma tacada só, realmente nos surpreendemos com o que a outra fala. Muitas vezes caímos na gargalhada, quando a apuração é engraçada. Fazemos uma reunião de pauta na quarta à tarde. Ali, definimos os assuntos que queremos tratar. E bolamos os recursos de imagens.

Não faz sentido produzir com antecedência um programa de política hoje em dia. Tudo muda muito rápido. Se produzíssemos o Papo de Política na segunda-feira, por exemplo, ele se transformaria em um museu na quinta. Por isso, apuramos tudo de quarta para quinta. E apuramos muito. Você só consegue explicar direito o que compreende bem.

Falo com umas 20 fontes entre a noite de quarta e a manhã de quinta para montar o mosaico de fatos e encontrar o sentido da semana. As meninas falam com outras tantas. Uma peça minha vai se juntando às peças delas e, assim, vamos costurando a colcha de retalhos.

Como foi essa experiência de adaptar um podcast para um programa de TV? Vocês sentiram alguma dificuldade com essa migração?
Quando me perguntaram o que eu achava de levar o Papo de Política para a TV, fiquei um pouco tensa de perder a conversa fluida do podcast. Foi aí que Fatima Baptista, chefe de Redação da GloboNews, e o Miguel Athayde, diretor do canal, tiveram uma sacada: no lugar de criar uma linguagem diferente para a TV, vamos levar o podcast para a tela. Parece simples, mas foi fundamental para não perder o clima leve e informal que alcançamos no podcast.

Dois anos depois do nascimento do projeto, você sente um sentimento de "dever cumprido"? Qual balanço você faz desta trajetória do Papo? E podemos esperar novidades (e novas sessões de karaokê) no programa?
Nunca acho que o dever está cumprido, e isso não é só no Papo de Política, é em tudo. Nesses dois anos, eu tenho sido mais feliz, faço o que gosto, me divirto fazendo. Estou ao lado de mulheres incríveis com quem divido as dores e as delícias do jornalismo. Tem muita coisa para acontecer ainda. E eu só tenho uma certeza: este não é um projeto apenas profissional. É um projeto de vida. Estamos e estaremos sempre juntas.

Podemos esperar novidades no Papo de Política?
Por ora, só sobre a política - toda quinta, na TV, e toda sexta, com os novos episódios do podcast.


Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Mitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novela

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas