Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Pelas barbas do profeta

Locutor mais original da TV, Silvio Luiz narra até cena de filme pornô

Reprodução/TBS

Silvio Luiz narra uma cena fictícia de filme pornô durante entrevista a Antonio Tabet, no Show do Kibe - Reprodução/TBS

Silvio Luiz narra uma cena fictícia de filme pornô durante entrevista a Antonio Tabet, no Show do Kibe

DANIEL CASTRO

Publicado em 25/6/2015 - 19h16
Atualizado em 26/6/2015 - 6h27

Conhecido pelos bordões originais, por não gritar gol e pelo esforço em transformar jogos ruins em espetáculos televisivos, o locutor Silvio Luiz, 80 anos, revela mais uma faceta: ele toparia narrar um filme pornográfico. Na edição do Show do Kibe que o canal TBS exibe no próximo domingo, Silvio Luiz diz que aceitaria o desafio se fosse convidado. Ele chega a descrever uma cena erótica inventada na hora. Como nos jogos da Série B que ancora na RedeTV! aos sábados, a locução da "cena" é toda enviesada e marcada por um de seus bordões clássicos: "Pelas barbas do profeta".

Silvio Luiz é um dos grandes narradores esportivos brasileiros e o mais original deles. Além de "pelas barbas do profeta", criou outro bordão memorável: "Pelo amor dos meus filhinhos", hoje atualizado para "Pelo amor dos meus netinhos", para comentar jogadas desastrosas. Nos anos 1970 e 1980, dominou as transmissões com um jeito singular de narrar gols da seleção: "Ééééé... mais um gol brasileiro, meu povo. Enche o peito, solte o grito da garganta e confira comigo no replay. Foi, foi, foi ele! [Nome do jogador], o craque da camisa número [número]".

Ex-árbitro de futebol, Silvio Luiz revela que muitas de suas expressões, como "mandar um sapato" e "meter o bambu", vieram das partidas que apitou. Silvio Luiz também foi radioator. Entrou para o universo do rádio e da TV acompanhando a mãe, locutora. "Para cabular estudo, eu ia pra rádio onde ela trabalhava", lembra.

Na entrevista a Antonio Tabet, Silvio Luiz diz que jogo bom, para ele, é jogo ruim. "Quanto pior o jogo, melhor pra mim, porque eu me divirto, começo a pegar no pé dos caras. Se tiver um diretor de televisão bom, que mostre os torcedores na arquibancada, aí eu fico perguntando o preço do pastel, se o cara tem uma sogra com o calcanhar rachado", conta.

O Show do Kibe é um talk show que só entrevistou comediantes em sua primeira temporada. Silvio Luiz abre a entrevista recusando o rótulo. "É a segunda vez que os caras acham que sou engraçado. Não [sou engraçado]. Eu sou um cara natural", defende. "Sou um cara sarcástico, gozador, faço piada de tudo". O locutor reconhece sua influência na nova geração de jornalistas esportivos da TV. "Ele pegou um pedacinho da minha linha", diz, sobre Tiago Leifert, da Globo.

No programa, o narrador confessa que torceu contra o Brasil na Copa de 2014. Diz que temia que uma eventual vitória servisse para acobertar "problemas difíceis", como ocorreu no Mundial de 1970, durante a Ditadura Militar (1964-1985). "Se a gente ganhasse essa Copa aqui, em casa, os problemas difíceis seriam acortados", aposta. Mas os 7 a 1 da Alemanha não doeram? "Eu dei risada", responde.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do início do BBB21?