Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

BRIGA ELEITORAL

Igreja Universal usa horário na Record para atacar esquerda, Lula e PT: 'Mentirosos'

REPRODUÇÃO/RECORD

Renato Cardoso com uma blusa azul e terno azul durante o programa Entrelinhas, produzido pela IURD e exibido na Record

Renato Cardoso em um programa da Igreja Universal na Record: ataques e fake news contra PT

GABRIEL VAQUER, colunista

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 31/5/2022 - 16h56

A Igreja Universal do Reino de Deus usou seu horário na madrugada da Record nesta terça-feira (31) para produzir um programa que atacou a esquerda --mais especialmente o PT (Partido dos Trabalhadores), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e a ex-deputada federal Manuela D'Avila. O caso já gera polêmica nos bastidores por ter citado uma notícia falsa que roda a internet desde 2019 e por ser uma suposta propaganda eleitoral antecipada.

A atração, chamada de Entrelinhas, foi apresentada por Renato Cardoso, genro de Edir Macedo e que também é apresentador de programas na Record, como o The Love School. No formato, Cardoso convidou outros pastores para discutir uma acusação de que a "esquerda" supostamente contratou pastores evangélicos para orientarem Lula a moderar o discurso sobre assuntos considerados moralistas.

"Em 2022 é ano de eleição. Mais do que nunca, é ano de analisar quem quer ter o poder nas mãos. Contudo, é importante estar alerta. Não só nas propostas e em tudo que é falado, mas principalmente no que não é falado. Esconder as verdadeiras intenções da esquerda foi a ideia de um pastor que ficou conhecido como o pastor do PT", disse um texto de abertura da atração narrado por uma voz feminina.

No VT, a narradora contou a história de Paulo Marcelo Schallenberger, o "pastor do PT". Com 46 anos de idade, o religioso foi convidado pelo partido para uma consultoria de ajuda a se aproximar do eleitorado evangélico. Em entrevista para o UOL, ele defendeu que a esquerda brasileira não falasse abertamente sobre casamento gay, legalização de drogas e aborto. No entanto, a IURD usou o caso como uma verdade absoluta da campanha do partido para o pleito.

"Em outras palavras, é preciso esconder as verdadeiras intenções da esquerda para se eleger. Dessa forma, o pastor e o PT tratam os evangélicos como desinformados, despreparados e até esquecidos", dizia o vídeo. A partir daí, a "reportagem" começou os ataques diretos, mostrando que o PT votou contra projetos apresentados pelo presidente Jair Bolsonaro. "Diziam que o passado era melhor, mas isso não é verdade", desafiou.

Entre os projetos apresentados pela IURD e que o PT teria votado contra, estão o Marco Civil do Saneamento Básico e a entrega de títulos provisórios para pequenos agricultores. "O governo Bolsonaro tentou entregar os títulos, mas o PT e o MST foram contra. Eles passaram a priorizar os interesses da esquerda", completou o VT.

Fake news contra ex-deputada foi divulgada

Em outro trecho, o programa alegou que a esquerda e o PT eram apoiadores de um projeto de lei que apoiaria a "regulamentação" de casamento entre pais e filhos --chamado de "legalização do incesto". O projeto teria sido apresentado por Manuela D'Avila, do PCdoB. Esse caso já foi esclarecido como uma notícia falsa que roda grupos de WhatsApp desde 2019, segundo agências de checagem.

O Notícias da TV conversou com Manuela por telefone. Ela repudiou o ataque e afirmou que estudará o que fazer: "Nós temos visto o uso da televisão para propagação de notícias falsas desde 2018. Essa notícia é falsa por si só. Eu nem tenho mandato mais como deputada e nem poderia apresentar um projeto. Infelizmente, essas pessoas usam seu poder de televisão para disfarçar propaganda para o candidato que elas apoiam. Verei o programa e estudarei o que fazer".

Após a reportagem, Renato Cardoso entrou para debater o assunto com outros três pastores evangélicos. Entre eles, estavam Eduardo Bravo, presidente da Unigrejas (União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos), associação criada em 2018 e ligada à IURD. Na mesa, outros dois pastores da Igreja Universal concordavam com todas as afirmações ditas pelo vídeo apresentado anteriormente.

No encerramento do programa, houve ataques diretos a Lula. Renato Cardoso disse que o ex-presidente não foi absolvido da condenação por corrupção e o tratou pela nome de "ex-presidiário". "Não foi absolvição. Foi simplesmente a anulação da competência. Houve a anulação. Ele foi condenado em todas as instâncias, diga-se de passagem. Hoje, nós estamos colhendo tudo o que a esquerda e o PT plantou. É não se enganar. Eu estou apelando para usar a sua inteligência. É não cair na voz desses mentirosos", concluiu.

Foi a primeira vez neste ano que a Igreja Universal usou seu espaço na Record para discutir questões ligadas à política. O fato acontece após uma pesquisa do Datafolha divulgar na semana passada que Lula tem 48% das intenções de voto. Bolsonaro, apoiado pela Igreja, tem 27%.

O Notícias da TV apurou que a edição do Entrelinhas já chegou nas mãos do PC do B e do PT, mostrados em imagens durante o programa. Os partidos estudam que medidas pretendem tomar. A coluna procurou a Igreja Universal, mas não obteve resposta até o fechamento.

Veja o programa na íntegra:


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.