Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

DEPÓSITO ERRADO

Homem devolve Pix de R$ 318 mil da Globo, mas fica na mira da Justiça

REPRODUÇÃO/YOUTUBE e GOOGLE MAPS

Marco Antônio Rodrigues, acusado de receber Pix errado da Globo; prédio onde ele comprou apartamento

Marcos Antônio Rodrigues e o prédio em que ele comprou apartamento com os R$ 318 mil da Globo

GABRIEL VAQUER e LI LACERDA

vaquer@noticiasdatv.com

Publicado em 11/5/2022 - 6h35

O homem acusado de receber um Pix errado de R$ 318 mil da Globo em dezembro de 2021 devolveu o dinheiro para a emissora. No entanto, a Justiça indeferiu o seu pedido de arquivamento do caso e seguirá com o processo por entender que houve apropriação indevida do valor na compra de um apartamento. O caso é julgado na 3ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e cabe recurso.

Segundo os autos, aos quais o Notícias da TV teve acesso, o advogado Marcos Antônio Rodrigues dos Santos, alvo da ação, alegou que o objeto do processo já havia se encerrado com a devolução do montante. Ele também disse que o caso não tinha relevância para o público e solicitou que fosse mantido em segredo de Justiça. Ambos os pedidos foram negados. 

No primeiro caso, o juiz Luiz Felipe Negrão, que aprecia a situação, afirmou que o homem depositou o dinheiro apenas para recuperar o apartamento que teria adquirido com o valor, sem reconhecer exatamente a dívida que tem com a emissora. Ou seja, isso mata o seu argumento de que teria feito o depósito de boa-fé, segundo o meritíssimo. 

"Observe-se que não é --nem poderia ser-- depósito para pagamento, porque o procedimento comum, na fase de conhecimento, não comporta o ato processual de depósito de quantia para pagamento, ato que só pode ocorrer quando encerrada a fase de conhecimento, seja no incidente de pagamento espontâneo, seja no cumprimento coativo de sentença", disse o magistrado. 

Já sobre o pedido de sigilo, o juiz afirmou que o caso não cabe em situações previstas no Código Penal. "Indefiro o requerimento de segredo de Justiça, visto que a matéria tratada na presente demanda não se adequa a nenhuma das hipóteses previstas", concluiu Negrão. 

O que dizem especialistas?

Especialistas ouvidos pelo Notícias da TV explicaram o motivo de o caso continuar mesmo após o dinheiro ter sido devolvido à Globo. Adib Abdouni, advogado criminalista e constitucionalista, disse que o homem contra-atacou a Globo no Judiciário, o que mostra uma vontade de continuar com a ação. 

"Cumpre observar que o depósito do valor alvo da discussão judicial realizado por Marcos não ostenta a natureza de pagamento, na medida em que o réu o fez apenas para obter a revogação da ordem cautelar de protesto contra a alienação do bem imóvel. Isso não se confunde com a postura processual equivalente ao reconhecimento da procedência jurídica do pedido, o que levaria à extinção do processo por eliminação da resistência do réu à pretensão do autor, haja vista que Marcos manejou uma reconvenção contra a Globo, correspondente ao ajuizamento de lide secundária na mesma base jurídica procedimental", disse Abdouni. 

Já Carolina Carvalho de Oliveira, advogada criminalista da Campos & Antonioli Advogados Associados, salientou que o caso de apropriação indevida não precisa de um dos acusadores para ser investigado ou continuado pela Justiça --e que isso explica o fato de ele não ter sido arquivado. 

"Esse é um crime que não depende de representação da vítima. Uma vez que ele foi comunicado ao Estado, deve proceder a sua investigação. O que vemos aqui é um arrependimento posterior, também previsto no Código Penal. Ele pode ser aplicado para crimes que não têm violência ou grave ameaça, ou quando a pessoa repara o dano. Mas isso não exime a prática delitiva. Apenas reduz eventualmente a pena em proporção a ser determinada pelo juiz", comentou Carolina. 

Relembre o caso do pix errado da Globo

A confusão começou em 27 de dezembro de 2021. A Globo alegou que havia celebrado um acordo trabalhista com um jornalista e, mediante decisão judicial, feito o depósito naquele dia. Porém, o setor responsável enviou o montante para a conta de Marcos Antônio Rodrigues dos Santos, um homem que nada tinha a ver com a história.

Após notar o erro, a Globo entrou em contato com Santos por WhatsApp e telegrama, e recebeu a informação de que Marcos Antônio havia comprado uma casa no bairro do Irajá, zona norte do Rio.

Indignada com o fato, a emissora entrou na Justiça para tentar o bloqueio do uso deste imóvel e provar que houve apropriação indevida de um dinheiro estranho. A Globo conseguiu bloquear o apartamento comprado por ele, o que ele tenta reconquistar até agora.

A Globo não comenta casos que estão em curso na Justiça. 


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.