Novela rural

Há 25 anos, Pantanal quebrava hegemonia da Globo com sexo

Fotos: Reprodução

Cristiana Oliveira em cena de Pantanal; novela bateu a Globo com sexo, nudez e belas paisagens - Fotos: Reprodução

Cristiana Oliveira em cena de Pantanal; novela bateu a Globo com sexo, nudez e belas paisagens

PAULO PACHECO - Publicado em 22/03/2015, às 06h03

Em 1990, a extinta TV Manchete estragou a festa de 25 anos da Globo com Pantanal. A trama, que completa 25 anos de sua estreia na próxima sexta (27), fez história ao quebrar a hegemonia global e superar a então líder de audiência com cenas de nudez e sexo no horário nobre, além de belas paisagens do interior do Brasil.

Pantanal estreou com 13 pontos. O capítulo final, em 11 de dezembro, registrou impressionantes 41, contra 21 da Globo. Fechou com média de 34 pontos no Ibope da Grande São Paulo. O erotismo alavancava a trama. Logo na vinheta de abertura, a modelo Nani Venâncio desfilava pelada. Em 16 de maio de 1990, a nudez de Cristiana Oliveira, então com 26 anos, chegou a picos de 42 pontos.

Os peladões incomodavam a Globo. O dono da emissora, Roberto Marinho (1904-2003), disse que Pantanal fazia "exploração do sexo", segundo a revista Veja na época. "A própria Manchete depois diminuiu as cenas de nudez, mas acabou aumentando a audiência", explica o jornalista e pesquisador de TV Elmo Francfort, autor do livro Rede Manchete: Aconteceu, Virou História (2008).

Marcos Winter (Jove) e Cristiana Oliveira (Juma) em cena de Pantanal

A Manchete se aproveitou de uma trama rejeitada pela própria Globo. Benedito Ruy Barbosa ofereceu à emissora uma história ambientada no Pantanal mato-grossense, mas teve a proposta recusada pelo alto custo. O autor aproveitou um período de descanso por férias acumuladas e entregou a novela para a Manchete, interessada em incrementar sua teledramaturgia após os sucessos Dona Beija (1986) e Kananga do Japão (1989).

"Quando o Benedito [Ruy Barbosa] voltou de férias, a Globo disse a ele: 'Você não vai para a Manchete de forma alguma!", lembra Elmo Francfort. "A Manchete percebeu que o Benedito poderia dar um gás para a teledramaturgia deles", completa. Ruy Barbosa retornou à Globo em 1992.

Benedito Ruy Barbosa teve a ideia de escrever uma novela no Pantanal em meados dos anos 1980, quando se hospedou na fazenda do cantor Sérgio Reis e se deslumbrou com o amanhecer do dia na região.

Com a direção de Jayme Monjardim, conhecido por explorar belas paisagens nas novelas, e o inédito formato de captação em fitas Betacam, que melhoravam a qualidade da imagem, a trama rural ganhou ares cinematográficos e conquistou o público.

"Pantanal foi um caso específico de trama totalmente diferenciada naquele momento, tanto em termos de narrativa quanto de estética. Isso certamente chamou a atenção", analisa Mauro Alencar, doutor em Teledramaturgia Brasileira e Latino-Americana pela USP (Universidade de São Paulo) e membro da Academia de Artes e Ciências da Televisão em Nova York (EUA).

Para enfrentar a Globo, a Manchete armou uma estratégia de guerrilha. Assim que terminava a então novela das oito, Rainha da Sucata, o Jornal da Manchete acabava para dar lugar a Pantanal. A Globo se viu forçada a exibir seu principal produto cada vez mais tarde e até trocou o humorístico TV Pirata por filmes. Os Intocáveis (1987) conseguiu empatar com a trama rural (29 pontos).

Cássia Kis Magro (Maria Marruá) e Cláudio Marzo (Joventino) em cena de Pantanal

A novela se passa em duas épocas. Na primeira, entre os anos 1940 e 1960, o peão José Leôncio (Paulo Gorgulho) e seu pai, Joventino (Cláudio Marzo), chegam ao Pantanal para aumentar o rebanho com marruás (um tipo de boi selvagem), quando o fazendeiro desaparece durante uma caçada. Um tempo depois, o filho, já rico, vai para o Rio de Janeiro, engravida a jovem mimada Madeleine (Ingra Liberato) e retorna ao campo.

Na segunda fase, 25 anos depois, o filho de José Leôncio, Jove (Marcos Winter) viaja ao Pantanal para tentar conhecer o pai (Cláudio Marzo) e se relaciona com a moça selvagem Juma Marruá (Cristiana Oliveira), que, segundo comentários das redondezas, consegue se transformar em uma onça pintada.

Pantanal foi reprisada mais três vezes pela Manchete, em 1991, 1993 e 1999, às vésperas do final da emissora. Saiu do ar por questões judiciais. Após a falência da rede, as fitas foram adquiridas em um leilão e vendidas para Silvio Santos. Benedito Ruy Barbosa tentou proibir a reapresentação pelo SBT, em 2008, mas perdeu na Justiça e desistiu da ação.

Relembre a abertura de Pantanal:


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você gostou da novela Orgulho e Paixão?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook