Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Reprise no Viva

A Grande Família volta ao ar: Relembre bastidores com mortes e brigas no elenco

Fotos: Divulgação/TV Globo

Elenco de A Grande Família em 2001; quatro primeiras temporadas serão reprisadas - Fotos: Divulgação/TV Globo

Elenco de A Grande Família em 2001; quatro primeiras temporadas serão reprisadas

REDAÇÃO

Publicado em 5/8/2018 - 7h10

A família mais "unida e ouriçada" da TV volta ao ar nesta segunda (6). O canal Viva reprisará, em horário nobre, as quatro primeiras temporadas da segunda versão de A Grande Família. O programa, sucesso na Globo durante 14 anos, marcou a história da TV brasileira e cravou lugar na memória afetiva do público com as confusões de uma típica família suburbana, mas também teve casos de comoção e discussões nos bastidores.

Lúcio Mauro Filho, que interpretava o Tuco, deu entrevista em que confirmou brigas entre o elenco, principalmente envolvendo Pedro Cardoso (o Agostinho). 

Ao longo dos anos, a série perdeu dois atores: Rogério Cardoso (1937-2003), o avô Floriano, e Francisco Milani (1936-2005), contratado para substituir o colega como outro parente idoso da família, o tio Juvenal.

Já Marieta Severo, intérprete da matriarca dona Nenê, teve que se desdobrar para dar conta de três papéis diferentes em pouquíssimo tempo.

Relembre curiosidades e histórias dos bastidores de A Grande Família:

Cena de briga em A Grande Família; elenco teve discussões durante gravações da série

Brigas
Nos últimos anos de A Grande Família, começaram a surgir boatos de brigas nos bastidores, e os próprios atores confirmaram. Em 2012, Guta Stresser admitiu que discussões com Pedro Cardoso interromperam uma gravação do seriado.

Um ano após o fim do programa, Lúcio Mauro Filho deu uma entrevista ao Pânico (na rádio Jovem Pan) em que também citou as brigas e problemas com Cardoso. "Tivemos poucas brigas para 14 anos juntos. Agora, quando brigava, também... É família, né? São 14 anos, quando briga não tem filtro, não tem nada (...) [Cardoso] É chateado desde que nasceu. Mas aprendi muito com ele", contou.

O ator Rogério Cardoso fez parte de A Grande Família e foi homenageado no dia de sua morte

Mortes no elenco
Rogério Cardoso fez o papel de Floriano durante dois anos. Em julho de 2003, ele morreu em um ataque cardíaco fulminante, aos 66 anos. No mesmo dia, a Globo exibiu uma reprise de um episódio focado nele, chamado O Velhinho Pocotó. A morte do ator causou muita comoção no elenco.

Para suprir a falta de seu Floriano, foi criado outro personagem, o tio Juvenal, interpretado por Francisco Milani. Mas o ator também morreu, em 2005, e depois dele não foram incluídos outros parentes idosos na história.

Quando entrou para A Grande Família, a atriz Marieta Severo já tinha outros dois empregos

Atriz com três empregos
Quando a proposta de A Grande Família foi feita para Marieta Severo, ela estava comprometida com dois outros trabalhos: uma peça de teatro e a personagem Alma, uma vilã socialite em Laços de Família (2000).

Mas a atriz achou o convite tão irrecusável que topou fazer Dona Nenê mesmo assim. Ela chegou a se dedicar à novela e à série ao mesmo tempo. Um dia depois de gravar sua última cena para Laços de Família, já cortou o cabelo para interpretar a matriarca da família Silva.

A casa de A Grande Família tinha três quartos e ampla área de convivência para todos

Casa de verdade
Para montar o universo de A Grande Família, a Globo contratou uma antropóloga, que estudou vários bairros do Rio de Janeiro e decidiu que o cenário da casa e as ruas ao redor deveriam ser construídos com inspiração no Realengo.

A casa cenográfica tinha 120 m², três quartos, um banheiro, sala, cozinha e garagem. Tudo foi construído como uma casa normal, com interruptores e torneiras que funcionavam de verdade, para que os atores agissem com mais naturalidade e intimidade em cena.

Paulão (Evandro Mesquita) e Agostinho (Pedro Cardoso) pesavam a mão nas estampas

Inferno das estampas
Os figurinistas de A Grande Família se esforçaram para trazer um visual suburbano e muito bem pensado para cada personagem _por exemplo, Agostinho com suas camisas coloridas e calças que não combinavam, e Bebel com roupas de lantejoulas e strass. Até o look da casa de Dona Nenê era escolhido nos mínimos detalhes.

Toda a identidade visual da série foi definida pelo figurinista Cao Albuquerque como "inferno das estampas". As cores berrantes fizeram sucesso e marcaram o programa, assim como os acessórios de decoração. A jarra de abacaxi de Dona Nenê virou ícone nos lares brasileiros.

Leia também

Enquete

Com quem Irma merece ficar em Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.