Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

'Cerceamento da liberdade'

Globo vai recorrer em proibição da Justiça no caso da 'rachadinha' de Flávio Bolsonaro

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Flávio Fachel na bancada do Jornal Nacional deste sábado (5)

Flávio Fachel no Jornal Nacional deste sábado (5); Globo vai recorrer em decisão da Justiça

REDAÇÃO

Publicado em 5/9/2020 - 21h19
Atualizado em 5/9/2020 - 21h37

A Globo informou que vai recorrer da proibição de mostrar documentos ou peças relacionadas às investigações de um suposto esquema de "rachadinha" na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). O jornalista Flávio Fachel leu o posicionamento da emissora no Jornal Nacional deste sábado (5). A decisão da Justiça foi feita a pedido do senador Flávio Bolsonaro na sexta-feira (4).

"A pedido do senador Flávio Bolsonaro, a juíza Cristina Serra Feijó, da 33ª Vara Cível do Rio de Janeiro, proibiu a Globo de divulgar informações e documentos sigilosos extraídos da investigação criminal no escândalo da rachadinha, que envolve o senador", afirmou Fachel.

"A Globo respeita ordens judiciais, mas lamenta esse cerceamento da liberdade de informação, uma vez que a investigação em questão é do interesse de toda a sociedade. A Globo recorrerá da decisão assim que for notificada", informou ele.

"Essa semana o grupo de atuação especializada no combate a corrupção do Ministério Público do Rio divulgou nota informando que concluiu as investigações e encaminhou o caso ao procurador geral da Justiça, Eduardo Gussem", explicou Ana Luiza Guimarães.

"As investigações foram abertas em julho de 2018. Para os investigadores, o ex-assessor Fabrício Queiroz era o operador de um esquema de lavagem de dinheiro chefiado por Flávio Bolsonaro", continuou Fachel.

Em seguida, Ana Luiza Guimarães e Flávio Fachel leram algumas notas das entidades que repudiaram a atitude da juíza, como as da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Nacional de Jornais (ANJ) que caracterizaram como censura a decisão.

O jornalista ainda informou que o senador fez uma postagem sobre a proibição. "Em uma rede social, Flávio Bolsonaro comemorou a decisão e diz que não tem nada a esconder", finalizou o âncora.

Entenda o caso

Na sexta-feira (4), a juíza Cristina Serra Feijó acatou uma petição da defesa do filho de Jair Bolsonaro e determinou que a Globo não pode mostrar documentos sobre os desdobramentos das investigações do Ministério Público sobre o suposto esquema de "rachadinhas" na Alerj. A justificativa é de que o caso corre em segredo de Justiça.

O Ministério Público apurou envolvimento de Flávio Bolsonaro e seu grupo em peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Por ser senador, o político ganhou foro especial, e o caso foi para a segunda instância. O político é suspeito da prática de "rachadinha", quando servidores públicos devolvem parte do salário ao parlamentar.

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, é apontado pelo MP como operador financeiro do suposto esquema. A Globo noticiou a conclusão das investigações na segunda-feira, e a repórter Andréia Sadi informou no dia seguinte que o órgão vai discutir se denuncia ou arquiva as investigações.

Leia também

Enquete

Você gostou da escolha de Tadeu Schmidt para o BBB22?

Web Stories

+
Elenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novelaOutubro Rosa: Conheça cinco famosas que venceram o câncer de mamaAlém de José de Abreu: Sete atores brasileiros que se aventuraram na políticaApós derrota em eleição, Victor Pecoraro perde mais uma votação e deixa A Fazenda 13Deixaram saudade: Conheça cinco atores de O Clone que já morreram

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas