Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

PROIBIÇÃO NO JORNALISMO

Globo tem recurso negado pela Justiça e sofre nova derrota para Flávio Bolsonaro

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Montagem de fotos com Flávio Bolsonaro discursando e William Bonner no Jornal Nacional

Flávio Bolsonaro e William Bonner: Justiça negou pedido da Globo contra decisão favorável ao senador

REDAÇÃO

Publicado em 16/9/2020 - 16h49

Após a Globo recorrer da proibição de mostrar documentos ou peças relacionadas às investigações de um suposto esquema de "rachadinha" na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), a Justiça do Rio de Janeiro manteve a decisão favorável ao senador Flávio Bolsonaro e negou o recurso solicitado pela emissora. A decisão saiu nesta quarta (16).

A Globo havia registrado na 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro um pedido de efeito suspensivo, mas o desembargador Fábio Dutra não acatou a petição por entender que não houve censura. A informação foi publicada em primeira mão pela coluna Radar, da revista Veja.

No último dia 4, a juíza Cristina Serra Feijó, da 33ª Vara Cível do Rio de Janeiro,  acatou uma ação da defesa do filho de Jair Bolsonaro e determinou que a Globo não pode mostrar documentos sobre os desdobramentos das investigações do Ministério Público sobre o suposto esquema de "rachadinhas" na Alerj. A justificativa é de que o caso corre em segredo de Justiça.

"A Globo respeita ordens judiciais, mas lamenta esse cerceamento da liberdade de informação, uma vez que a investigação em questão é do interesse de toda a sociedade. A Globo recorrerá da decisão assim que for notificada", informou o âncora Flávio Fachel, que leu o posicionamento da emissora no Jornal Nacional em 5 de setembro.

Flávio Bolsonaro é suspeito da prática de "rachadinha" na época em que era deputado estadual, quando servidores públicos devolvem parte do salário ao parlamentar. O senador é investigado por suspeita de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro em seu gabinete na Alerj.

Entidades de imprensa, como as da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Nacional de Jornais (ANJ), caracterizaram como censura a decisão judicial contra a Globo.

Já Flávio Bolsonaro comemorou e atacou a emissora, com uma imagem de "Globo lixo" publicada em suas redes sociais em 4 de setembro. "Não tenho nada a esconder e expliquei tudo nos autos, mas as narrativas que parte da imprensa inventa para desgatar minha imagem e a do presidente Jair Bolsonaro são criminosas", escreveu o parlamentar.

"A juíza entendeu que isso é altamente lesivo à minha defesa. Querer atribuir a mim conduta ilícita, sem o devido processo legal, configura ofensa passível, inclusive, de reparação", disse ele.

Nesta terça (15), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Felix Fischer, adiou o julgamento de um recurso da defesa de Flávio Bolsonaro, que pede para paralisar as investigações sobre o suposto esquema de "rachadinhas" na Alerj.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?