Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

PAULO CÉSAR DE OLIVEIRA

Comentarista da Globo vai à delegacia após ser chamado de 'macaco' na web

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

O comentarista de arbitragem da Globo no estúdio de transmissões da emissora, com o logo da Central do Apito ao fundo

Comentarista de arbitragem da Globo, Paulo César de Oliveira foi alvo de injúria racial no Instagram

VINÍCIUS ANDRADE

Publicado em 16/9/2020 - 14h31
Atualizado em 16/9/2020 - 17h09

Comentarista de arbitragem da Globo, Paulo César de Oliveira vai registrar uma queixa-crime contra um torcedor que cometeu um ato de injúria racial no Instagram. Após a transmissão de Fluminense x Corinthians no último domingo (13), o ex-árbitro foi chamado de "macaco sem vergonha" por um perfil identificado como gugu.berti. Galvão Bueno prestou apoio ao colega de trabalho.

Em entrevista ao site GE, da Globo, Oliveira confirmou que vai à delegacia nesta quarta-feira (16). "Foi um comentário de um internauta, vi só na segunda-feira. Ontem [terça] fiz contato com a delegacia especializada em crime virtual em São Paulo e agora vou registrar a ocorrência", disse o analista da Central do Apito.

"Pediram pra salvar a URL do perfil, o print, e já fiz isso. Estou indo agora à tarde. O comentário ainda está na minha publicação, não respondi nada para não alardear, mas pedi orientação ontem e vou registrar. É inaceitável", explicou o ex-árbitro.

O torcedor que fez o xingamento já apagou todos os posts que tinha no Instagram, sumiu com o comentário e retirou a foto de perfil. Ele fez o xingamento por não ter concordado com uma análise de Paulo César durante a transmissão.

"Não conheço o internauta, não sei se é perfil falso ou se não é, acho que não, mas vou levar o caso adiante para servir mesmo como um processo educativo, uma forma de repudiar essa conduta", avisou o comentarista.

Comentário printado por Paulo César de Oliveira em sua rede social (Foto: Reprodução/Instagram)

Após passar a informação de que entraria com uma denúncia, PC começou a receber apoio de seguidores pelo Instagram. "Não abra mão do processo, PC! Ele tem que servir de exemplo!", pediu o perfil de João Pedro Guedes. Os comentários da publicação também contavam com a hashtag Não ao Racismo.

Essa não foi a primeira vez que Paulo César de Oliveira foi alvo de racismo no universo da bola. Ele também já havia entrado com um processo contra o ex-jogador e ex-técnico Carlos Alberto Torres (1944-2016).

"A primeira [vez] infelizmente foi com o falecido Carlos Alberto Torres, ele era técnico do Paysandu, fiz um jogo entre Paysandu e Flamengo, ele me ofendeu, chamou de 'negro de merda', teve uma repercussão muito grande, mas depois me pediu desculpas pessoalmente. Cheguei a processá-lo, mas com o pedido de desculpas abri mão do processo, perdoei, que a alma dele descanse em paz", desejou.

Pelo Twitter, Galvão Bueno, principal nome do time esportivo da Globo, falou sobre o caso. "Meu amigo e parceiro de trabalho Paulo César de Oliveira é mais uma vítima dessa coisa nojenta chamada racismo! PC é um homem do bem, grande profissional e cidadão exemplar", afirmou o narrador.

"Não sei o que poderia dizer do ser desprezível que se esconde nas redes sociais atrás do codinome Gugu Berti, mas sei que as autoridades constituídas, o Ministério Público, têm a obrigação de identificá-lo e levá-lo aos tribunais", pediu Galvão. Veja:

TUDO SOBRE

Globo

Justiça

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?

Vanessa Giácomo
21.13%
Lucy Alves
16.78%
Rafa Kalimann
12.62%
Isis Valverde
22.07%
Uma atriz desconhecida
27.40%