DECISÃO DIFÍCIL

Cabrini lembra troca da Globo pela Band: 'Até hoje penso se foi certo ou não'

DIVULGAÇÃO/REDETV!

Roberto Cabrini ao lado de Daniela Albuquerque em entrevista para o programa Sensacional, da RedeTV!

Roberto Cabrini com Daniela Albuquerque no programa Sensacional: entrevista vai ao ar nesta quinta (12)

REDAÇÃO - Publicado em 12/12/2019, às 14h48 - Atualizado às 16h50

Roberto Cabrini já trabalhou nas principais emissoras do país. Quando tinha 23 anos de idade, ele trocou a Globo, emissora em que trabalhava há seis anos, e foi para a Band, convidado por Luciano Do Valle (1947-2014). "Foi a decisão mais difícil que tomei. Até hoje penso se foi certo ou não... Mas acho que foi certo, sim", avaliou o jornalista em entrevista ao programa Sensacional, da RedeTV!.

Atualmente com 59 anos, o apresentador do Conexão Repórter, do SBT, conversou com Daniela Albuquerque e relembrou momentos marcantes da carreira, como a entrevista com o empresário PC Farias (1945-1996), braço direito do ex-presidente Fernando Collor de Mello.

A reportagem com o então foragido da Justiça rendeu recorde histórico de audiência durante o Jornal Nacional, com 80 pontos no Ibope em 21 de outubro de 1993.

O desempenho excepcional foi uma pequena vingança para Cabrini. Meses antes, ele tinha feito uma entrevista exclusiva com PC Farias, que ainda não era foragido da Justiça, mas ficou preso no trânsito e só chegou à Redação cinco minutos depois de o jornal terminar. Foi passado para trás pela Folha de S.Paulo, que publicou uma conversa com o tesoureiro na manhã do dia seguinte.

"Em consenso com os diretores da Globo na época, decidimos colocá-la no ar no dia seguinte. Perguntaram se algum outro veículo de comunicação tinha feito a matéria e falei: 'Olha, não posso te garantir', mas um repórter da Folha [de S.Paulo] conseguiu fazer e perdemos essa. A nossa matéria entrou no dia seguinte, mas não teve o mesmo impacto", disse.

"Foi experiência de fracasso e nesse dia ficou o gosto amargo de 'poxa, tinha uma matéria arrasa-quarteirão e acabou sendo uma matéria não tão importante assim'", lamentou Cabrini para Daniela Albuquerque. 

Essa experiência acabou motivando o jornalista a conseguir um novo furo de reportagem com o braço direito de Collor. Conseguiu localizá-lo em Paris, onde estava escondido, e obteve uma entrevista exclusiva. A história é uma das dez contadas no primeiro livro de Cabrini, No Rastro da Notícia, lançado em novembro.

Ao ser questionado por Daniela sobre o trabalho que mais o sensibilizou, Cabrini falou da morte de sua mãe e de como a matéria intitulada A um Passo da Eternidade o ajudou a enfrentar a dor.

"Fiquei muito abalado e chocado quando minha mãe morreu. Ela foi uma grande incentivadora da minha carreira e, quando ela se foi, tive a ideia de fazer algo que partisse da seguinte pergunta: 'O que muda na vida do ser humano com a proximidade da morte?'", explicou.

"Quase desisti quando comecei porque os primeiros personagens que encontrei num hospital de doenças terminais foram muito depressivos, até o encontro com uma mulher fantástica, de muita luz e sabedoria, que se chamava Rosa. Achei que iria consolá-la, mas ela que me consolou", confessou Cabrini. Essa reportagem foi ao ar em 1º de março de 2015, no Conexão Repórter.

A entrevista completa do jornalista será exibida na edição desta quinta (12) do Sensacional, às 22h45, na RedeTV!. 

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual novela a Globo deve reprisar depois de Novo Mundo?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook