Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

RODRIGO TERNEVOY

Ator brasileiro faz história na televisão irlandesa com drama LGBTQ+

Divulgação/RTÉ One

Rodrigo Ternevoy (Cristiano) e John Cronin (Will) em cena de briga da novela irlandesa Fair City

Rodrigo Ternevoy (Cristiano) e John Cronin (Will) em cena de briga da novela irlandesa Fair City

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 17/10/2019 - 5h25

O brasileiro Rodrigo Ternevoy entrou para a história da TV irlandesa: o ator de 35 anos, que está no elenco da novela Fair City há três, foi o protagonista da primeira cena de violência doméstica envolvendo um casal LGBTQ+ em um programa local. A sequência em que seu personagem, Cristiano, é espancado pelo namorado, Will (John Cronin), foi ao ar na noite de quarta-feira (16) em um capítulo para lá de especial da trama, no ar há três décadas.

"O episódio inteiro foi basicamente só com dois atores, algo muito raro para uma novela que tem tantos personagens e tantas histórias ao mesmo tempo. Dá para contar nos dedos, em 30 anos de novela, quantas vezes isso tinha sido feito", conta Ternevoy, orgulhoso, em entrevista ao Notícias da TV.

O capítulo da agressão foi o ápice de uma trama construída nos últimos meses: Will começou a demonstrar um ciúme doentio, a impedir Cristiano de encontrar amigos e a querer vigiar cada passo do namorado. Depois de uma sessão frustrada de terapia de casal, os dois voltaram para casa, e o agressor se descontrolou de vez.

"Ele perde a cabeça, puxa o Cristiano pelo cabelo, joga no sofá, esmurra travesseiro, culpa o namorado por ter perdido sua família. O meu personagem ainda sente que ele o ama, e tenta consertar a situação. Os dois acabam se beijando, e aí o Will surta, dá um soco na barriga do Cristiano, começa a chutá-lo e a xingá-lo", narra o ator.

Antes da exibição do capítulo, a emissora RTÉ One colocou um aviso de que ele continha cenas fortes para alertar o telespectador desatento. Os produtores também precisaram pedir permissão às autoridades para colocar no roteiro a palavra "faggot", um xingamento para homossexuais considerado extremamente ofensivo.

Papel social

Mesmo com todo o drama que sofre em cena, Ternevoy comemora a oportunidade de contar uma história tão relevante em um dos programas mais vistos do país. "Na minha pesquisa, descobri que 25% das relações heterossexuais na Irlanda envolvem abuso, e entre casais LGBTQ+ o índice é esse também. Mas ainda é um assunto pouco falado, eu estava meio cego sobre o quanto isso é comum. Achei importante quebrar esse tabu, levantar essa bandeira", discursa o brasileiro.

Antes mesmo da cena da agressão ir ao ar, o ator começou a ser procurado por fãs que passaram por situações similares fora da ficção.

"Eu nunca vivi nada parecido, nem conheço ninguém que tenha vivido. E cada mensagem que eu recebi, de gente que perdeu tudo por medo de falar, de procurar ajuda. Inclusive, também fui procurado por mulheres, porque elas veem na tela um casal, com seus problemas, independentemente dos gêneros ou da orientação dos envolvidos."

O carinho do público e a necessidade de ver tantas histórias reais representadas na novela deram mais força para Rodrigo fazer bonito na TV. "As mensagens me inspiraram, fui para o estúdio com mais desejo ainda, sabe? Sinto um prazer por ajudar as pessoas de alguma maneira, mas ao mesmo tempo uma tristeza", diz.

Fair City é o primeiro grande trabalho de Ternevoy na TV: ele sequer tinha planos de virar ator; foi para a Irlanda com a intenção de aprimorar seu inglês e crescer na carreira de um banco multinacional. "Tirei um ano sabático para estudar. Mas, quando cheguei aqui, gostei tanto que acabei ficando", lembra ele.

No início, Cristiano era um mero coadjuvante na novela, funcionário de uma cafeteria em que os personagens se encontravam. O contrato do ator brasileiro era renovado mês a mês, de acordo com a necessidade dos roteiristas. Agora, com relevância o bastante para carregar uma história dramática, Ternevoy já fecha acordos anuais --está atrelado à novela, pelo menos, até 2020. Mas ele sonha em trabalhar no Brasil.

"Se eu conseguisse encaixar um trabalho mais curto, uma série, um filme, na minha agenda, seria ótimo. Novela agora não tem como, porque minha prioridade é Fair City. Mas não descarto nada, seria uma honra poder atuar no meu país", torce.

Confira o trailer do capítulo de Fair City estrelado por Ternevoy (em inglês):


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você já tem seu favorito em A Fazenda 12?