Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SÉRIE DA NETFLIX

Sucesso mundial de Cidade Invisível surpreendeu produtores: 'Era interrogação'

Divulgação/Netflix

Marco Pigossi e Julia Konrad se entrelaçam por cima de um rio em cena da série Cidade Invisível

Marco Pigossi e Julia Konrad em cena da primeira temporada de Cidade Invisível, sucesso da Netflix

ANDRÉ ZULIANI

andre@noticiasdatv.com

Publicado em 28/3/2021 - 7h12

Novo sucesso mundial da Netflix e listada no top 10 de mais de 40 países, Cidade Invisível era considerada uma incógnita pelos produtores Francesco Civita e Beto Gauss durante o seu processo de desenvolvimento. Eles se questionavam sobre quem, de fato, iria gostar da série, pensada para o público brasileiro.

Por ser uma atração que envolveu muito trabalho de pesquisa para alinhar as histórias do folclore nacional que seriam usadas e que necessitava de toques de pós-produção para efeitos especiais, Civita e Gauss tiveram bastante tempo para pensar sobre como seria a recepção do público. Mas, para eles, o resultado ainda era uma interrogação.

Em conversa com o Notícias da TV, a dupla, que também produziu Coisa Mais Linda para a Netflix, revelou que enxergava as muitas qualidades de Cidade Invisível, mas que foi surpreendida pelo alcance mundial da atração.

"Vou te falar que conversamos muito sobre isso durante a montagem. Como a série tem pós-produção, tivemos um tempo maior para chegar ao produto final. Com a pandemia, esse tempo se alongou. Nós pensávamos: 'Quem vai assistir? Quem vai gostar? Será que vai ser adolescente?'. A gente teve essa conversa dezenas de vezes com o próprio Carlos [Saldanha, criador da série], com a própria Netflix. 'Será que vai fazer algum sucesso fora?' Era uma grande interrogação", contou Civita.

Questionar-se sobre o resultado que uma série ou um filme vai atingir após o seu lançamento é normal. Como Civita explicou à reportagem, o sucesso de uma produção depende de muitos fatores: data de lançamento, momento do mercado e concorrência são apenas alguns dos mais importantes.

DIVULGAÇÃO/NETFLIX

Alessandra Negrini vive Inês, a Cuca na série

A dupla não esconde a felicidade com a repercussão da série. Apesar de Coisa Mais Linda também ter colecionado elogios pelo Brasil, Cidade Invisível foi o primeiro projeto da Pródigo, produtora liderada pelos dois amigos há mais de 15 anos, a se tornar um sucesso mundo afora.

"Acho que posso falar, sem dúvida alguma, que o Carlos Saldanha está acostumado a fazer sucesso no mundo inteiro. Então para mim, para o Beto e para a Pródigo como um todo, foi uma alegria", explicou Civita.

"Não que o sucesso tenha sido maior ou menor do que para o Carlos, mas certamente foi uma alegria muito grande para nós porque foi o primeiro lançamento da Pródigo que teve esse tipo de alcance internacional. E, embora o foco com que trabalhamos é para que faça sucesso no Brasil, sempre olhamos para fora", continuou.

O sucesso mundial, no entanto, não altera o foco da dupla. Segundo Beto Gauss, o principal objetivo para a segunda temporada, que já está oficializada pela Netflix, é aumentar ainda mais a repercussão no mercado nacional.

"O objetivo é ela ser ainda mais sucesso no Brasil. A gente nasce com isso. Por todos esses motivos que o Francesco [Civita] falou, você ir bem no mercado internacional, é maravilhoso não só para nós, como para a nossa indústria, que está sofrendo demais. Mas até a segunda temporada, nosso objetivo é continuar crescendo aqui no Brasil e fazer com que mais pessoas que não assistiram à primeira venham conhecer", acrescentou.

DIVULGAÇÃO/NETFLIX

Carlos Saldanha com o astro Marco Pigossi

A parceria com Carlos Saldanha

Civita e Gauss ajudaram a colocar a mão na massa para fazer Cidade Invisível acontecer, mas o fruto não teria surgido se Carlos Saldanha, conhecido por seus trabalhos nas animações Rio e A Era do Gelo, não tivesse aparecido com a semente.

Ao apresentar o projeto inicial para a Netflix, o cineasta foi direcionado para algumas produtoras que já haviam trabalho com o serviço de streaming. Segundo Gauss, as primeiras conversas logo se transformaram em um namoro.

"A gente conheceu o Carlos, e ele tinha a ideia de fazer uma série chamada Cidade Invisível, fez uma parceria com a Netflix e eles indicaram alguns produtores aqui do Brasil. A gente acabou se dando muito bem e começou um 'namoro'. Ao final de uma temporada, um sucesso do nosso ponto de vista e da qual temos muito orgulho, ganhamos um amigo sensacional, bondoso, muito criativo e agregador", valorizou.

Como no início de todo desenvolvimento de um projeto, os sócios analisaram a ideia de Saldanha e o responderam com os prós e os contras do que foi estudado. O cineasta adorou o retorno e deu o sinal verde para o início dos roteiros.

DIVULGAÇÃO/NETFLIX

O primeiro encontro entre Eric e Inês

"Ele [Saldanha] tinha menos conhecimento do mercado brasileiro. Nós montamos uma sala de roteiro, com roteiristas nacionais, sendo a Mirna Nogueira a chefe da sala, o que se mostrou um acerto. E a partir disso começamos a desenvolver toda a temporada. Um processo criativo muito interessante. Não é fácil desenvolver uma série original do zero, ainda mais de uma que mistura realidade com fantasia, mas deu supercerto", completou Gauss.

Como a Pródigo já tinha uma relação anterior com a Netflix por conta da criação de Coisa Mais Linda, Civita revelou que o serviço de streaming, com sua equipe nacional e internacional, também participou do desenvolvimento de Cidade Invisível.

De acordo com a dupla, cada etapa da criação do projeto possui tem e vindas entre eles, já aliados com Saldanha, e o serviço de streaming. É um entrosamento conquistado com a parceria anterior e, segundos eles, feito com muita liberdade.

"Acho que, para as pessoas que não tiveram essa oportunidade de trabalhar com a Netflix e com outras plataformas, fica parecendo que existe uma relação 'cliente-fornecedor', mas não é. É uma relação de coprodução em que a troca é com base no convencimento. Eu acho muito legal isso. A Netflix nos convence de uma coisa, outras horas é o Carlos que convence, depois somos nós que convencemos alguém. Isso vai trazendo uma riqueza ao processo", explicou.

DIVULGAÇÃO/NETFLIX

Wesley Guimarães é o saci contemporâneo

O folclore brasileiro como a Bíblia

Base mais importante da narrativa de Cidade Invisível, a introdução do folclore brasileiro foi uma das partes mais importantes no período de roteirização da série --foram mais de dez meses para escrever tudo.

Para Civita, o fato de o folclore não ser uma ciência exata e se tratar de uma fábula contada de boca em boca requer muito estudo e atenção para não cometer equívocos na hora da adaptação. Como exemplo para explicar o processo, ele comparou os contos com a Bíblia.

"Se pararmos para pensar, é como a Bíblia antes de ela ser o que é hoje. E assim ela continua, há uma beleza nisso. Mesmo assim, nós fizemos questão de trabalhar com consultores, ouvir especialistas e criar uma sala [de roteiristas] muito diversa. Alguns tinham mais experiência de um lado, na parte investigativa, outros tinham um contato maior com questões mais místicas", concluiu.

A segunda temporada de Cidade Invisível ainda não tem data para estrear, mas Francesto e Beto já estão trabalhando em novos projetos. Eles vão desenvolver uma adaptação de Prisioneiras, livro escrito por Drazio Varella, que terá exibição em um serviço de streaming não revelado.

Prêmio NTV Melhores do ano


Leia também

Enquete

Qual foi a melhor série documental brasileira do ano?

Web Stories

+
Ficção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabemJuan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do atorGui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembreDe série na Netflix a aposentadoria: Por onde anda o elenco de O Cravo e a Rosa?

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas