Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

SENTIMENTOS À TONA

Flora em A Favorita, Patricia Pillar carrega 'trauma' da novela; saiba qual

FOTOS: RENATO ROCHA MIRANDA/TV GLOBO

Patricia Pillar caracterizada como Flora em A Favorita; atriz veste blusa de onça e tem os cabelos cacheados na altura dos ombros. Ela encara a câmera, séria, em ensaio de divulgação de A Favorita

Patricia Pillar interpreta Flora em A Favorita; ressentida, personagem tem trauma de rejeição

SABRINA CASTRO

sabrina@noticiasdatv.com

Publicado em 10/5/2022 - 14h59

Patricia Pillar mergulhou de cabeça nos sentimentos de Flora durante as gravações da novela A Favorita. Ela diz que nunca mais foi a mesma. A atriz ficou marcada pela intensidade do ressentimento da personagem e ainda carrega um "trauma" da cantora: a rejeição. No folhetim, a personagem matou Marcelo (Flavio Tolezani), seu amante, quando descobriu que ele não pretendia se divorciar de Donatela (Claudia Raia).

"Me marcou a força que fica guardada em uma pessoa que não soube lidar com o sentimento de rejeição, que fez o amor pela irmã virar ódio, e e o ódio virar desejo de vingança. Muitas ações violentas são regidas pelo ressentimento. Poder lidar com essa gama tão complexa de sentimentos foi um grande aprendizado para mim", afirma a atriz, em entrevista enviada à imprensa pela Globo nesta terça (10).

Antes de tentar roubar o marido de Donatela, porém, a personagem já desejava ser como a parceira. Ela tem inveja da dondoca desde criança e busca roubar tudo o que é dela.

O problema é que o público não sabe disso até a metade da novela. Também não faz ideia qual das duas protagonistas matou Marcelo. Até lá, fica a questão: quem é a vilã da história? "O público tinha de ficar na dúvida sobre a Donatela, sobre o caráter dela. Não é sempre que trabalhamos essa dualidade no personagem e escondemos quem ele realmente é", relembra Claudia Raia.

Claudia Raia e Patricia Pillar em A Favorita

Claudia Raia e Patricia Pillar em A Favorita

Para Patricia, a reprise do folhetim dará um novo olhar ao telespectador, que terá a chance de assistir a novela já sabendo quem estava falando a verdade. "Assim, as pessoas terão uma compreensão melhor da complexidade de cada uma das personagens", diz.

A composição dessas mulheres foi um desafio. A mocinha com ar de vilã, por exemplo, fez com que Claudia se "despisse de si mesma". "Eu sou bailarina clássica, aprendi a ter postura desde os três anos de idade. Donatela é o oposto disso. Ela é uma mulher bronca, o que se reflete inclusive na maneira como anda, que é mais bruta", declara a artista.

A loira, por sua vez, precisou visitar um presídio feminino e lutar boxe para encarnar a ex-detenta. "Uma pessoa que ficou presa por muitos anos precisa ter essa vivência impregnada em seu corpo e em suas atitudes. Estive no presídio feminino Talavera Bruce, conheci várias detentas, muitas histórias de vida que me ajudaram a entender a dureza que é viver essa experiência", diz.

Exibida originalmente em 2008, A Favorita voltará ao ar no próximo dia 16 no Vale a Pena Ver de Novo. A novela de João Emanuel Carneiro dividirá a faixa da tarde com os capítulos finais de O Clone. O folhetim será reprisado quase na íntegra e só tem previsão para chegar ao fim em 2023.


Inscreva-se no canal do Notícias da TV no YouTube e assista a vídeos com revelações do que vai acontecer na novela O Clone e em outras tramas da TV.


Últimas de A Favorita

Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.