Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

COLUNA DE MÍDIA

Instagram pornô, OnlyFans revoluciona a indústria do sexo e do entretenimento

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Chef de cozinha e modelo Cândida Batista posando de lingerie em uma cozinha olhando para o lado

A chef de cozinha Cândida Batista une sensualidade e culinária nos conteúdos que publica no OnlyFans

GUILHERME RAVACHE

gravache@gmail.com

Publicado em 17/12/2020 - 6h55

Nos últimos dias, um nome recorrente tem aparecido em textos sobre temas relacionados a sexo: OnlyFans. A chef brasileira Cândida Batista se tornou uma espécie de Ana Maria Braga do OnlyFans ao publicar receitas e nudes na plataforma. Já a americana Paige Bauer disse ao Yahoo Lifestyle que está a caminho de ganhar US$ 1,3 milhão no OnlyFans.

Essas e outras notícias sobre pessoas ganhando notoriedade e dinheiro na plataforma chamam a atenção, mas como o OnlyFans está mudando a indústria do sexo e da produção de conteúdo ainda é um tema pouco discutido.

Lançado em 2016, o OnlyFans é um serviço de assinatura de conteúdo que passou a ser dominado por profissionais do sexo. Os usuários pagam para seguir criadores de conteúdo e desbloquear materiais exclusivos. As aplicações para pornografia são bastante óbvias e, ao contrário de plataformas mais "família", como Instagram e Facebook, o OnlyFans abraçou abertamente os criadores de conteúdo adulto.

O serviço oferece aos criadores diversas ferramentas para monetização da audiência, não apenas com diferentes modelos de assinatura, mas maneiras de permitir que os clientes pagantes interajam diretamente com os criadores.

De acordo com uma reportagem recente da Bloomberg, o site deve faturar US$ 2 bilhões neste ano. Impulsionado pela pandemia, o crescimento que era de 200 mil usuários/dia em maio saltou para até 500 mil usuários/dia.

Também cresceu o número de produtores de conteúdo. Hoje, já são mais de 700 mil criadores, que atendem a mais de 50 milhões de usuários registrados. Por mês, o OnlyFans já paga mais de US$ 200 milhões a criadores. Como o site fica com 20% do que é cobrado, isso o coloca no caminho para US$ 400 milhões em receita líquida anual.

rEPRODUÇÃO/INSTAGRAM

A ex-atriz pornô Mia Khalifa

Por que isso importa?

A industria da pornografia movimenta bilhões por ano, mas historicamente a divisão de receitas sempre privilegiou os donos dos canais de distribuição, com os atores ficando com a menor parte da receita. Um exemplo é o fenômeno pornô Mia Khalifa, que recebeu um total de US$ 12 mil para participar de alguns filmes --uma fração minúscula do que seu conteúdo gerou para distribuidores como o Pornhub.

"Os sites pornôs gratuitos --o principal deles o Pornhub-- fizeram com a indústria pornográfica o que o Facebook e o Google fizeram com a mídia com publicidade. Ao agregar a demanda por pornografia 'gratuita', eles aspiraram toda a receita publicitária que antes mantinha estúdios e distribuidores (para não mencionar as estrelas) no mercado, enquanto destruíam qualquer razão para pagar por seu conteúdo", afirma um ótimo texto sobre o tema no site Margins

"Você pode comprar uma assinatura de sites como o Pornhub, é claro, mas isso não resolve realmente o problema; é um pouco como comprar uma assinatura do Facebook para ler o jornal. Embora alguns atores e atrizes pornôs tenham conseguido construir marcas pessoais para monetizar seu conteúdo, esse é um processo extremamente difícil."

Basicamente, o OnlyFans criou uma plataforma que, ao oferecer conteúdo exclusivo e a capacidade de interagir com os artistas, bem como uma maneira para os criadores desenvolverem a própria marca, fez com que a audiência voltasse a ter interesse em pagar pelo conteúdo.

E por que isso é revolucionário? Pode parecer simples, mas não é pouco, porque diante da possibilidade de ganhar mais pelo que produzem, os criadores ganham maior controle e independência.

Mas o OnlyFans não se limita à indústria do sexo. O plano é atrair todo tipo de celebridades. Lembre-se que as plataformas sociais começam em nichos: Facebook para estudantes em dormitórios de faculdades americanas, Instagram para fãs de fotos, TikTok para jovens em busca de vídeos divertidos. O OnlyFans começou com a indústria do sexo.

rEPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Cardi B no videoclipe de WAP

Celebridades tradicionais como a cantora Cardi B já aderiram. Em seu primeiro material para o site, postado em 12 de agosto, Cardi B mostrou um vídeo dos bastidores de sua sessão de fotos para a capa da revista Elle. Algumas semanas depois, ela compartilhou imagens da produção de seu videoclipe WAP. A postagem gerou milhares de curtidas no OnlyFans e quase US$ 1 mil em "doações". 

A plataforma também planeja criar um novo serviço de streaming chamado OFTV, que apresentará conteúdo exclusivo, como séries voltadas para criadores e entrevistas pessoais com personalidades do OnlyFans. Novos escritórios da empresa na Ásia e América Latina também estão nos planos.

Bolha de pensamento

A indústria do sexo é gigantesca. Estima-se que até 20% das pesquisas online sejam sobre pornografia e que 30% do conteúdo na internet verse sobre o tema. Pior, até 88% da pornografia contém violência contra mulheres. Então, uma plataforma como o OnlyFans, que oferece maior controle para os produtores de conteúdo (em sua maioria mulheres) e permite que ganhem mais fazendo algo dentro da lei, deve ser avaliada.

Agora, updates para meus seguidores no Twitter que amam me odiar:

Tsunami de conteúdo da Disney afogará concorrentes

"Embora esperássemos ouvir sobre o investimento acelerado em conteúdo da Disney em seus negócios [direto ao consumidor], o tamanho e a qualidade do tsunami de conteúdo que atingiu a Disney+ foi alucinante e assustador para qualquer empresa de subescala pensando em competir no espaço de entretenimento com roteiro", escreveu o analista Michael Nathanson, da MoffettNathanson. Semanas atrás comentei sobre a subescala do Globoplay e o impacto da Disney+.

Por que isso importa?

A Disney planeja adicionar mais de cem novos títulos ao serviço por ano, e vai estrear dezenas de seus filmes e programas diretamente no online. O Disney+ está crescendo rápido o suficiente para que seus assinantes globais possam chegar a 260 milhões até 2024.

A Netflix atualmente tem quase 200 milhões de assinantes em todo o mundo, mas não está crescendo tão rápido quanto o Disney+. A plataforma novata ultrapassou a previsão anterior da empresa, que esperava atingir entre 60 milhões e 90 milhões de assinantes até 2024.

Bolha de pensamento

Aparentemente, a Disney encontrou um caminho. Mas diferentemente da Warner, disse que continuará a colocar seus maiores filmes nos cinemas e não irá seguir a mudança que a Warner Bros. anunciou para simultaneamente lançar todos os seus filmes de 2021 tanto nos cinemas quanto no HBO Max.

DIVULGAÇÃO/LEGENDARY

Primeira arte divulgada de Godzilla vs. Kong

Cinema vale mais que streaming

Semana passada comentei sobre o risco que a HBO e Warner corriam nas mãos da AT&T por causa da "Síndrome do Netflix". Durante décadas, o usual tem sido lançar os filmes no cinema e semanas depois em outros meios, como DVD e streaming.

Por que os provedores de conteúdo aderem a esse modelo? Basicamente, a bilheteria gera mais receita do que opções diretas ao consumidor. De acordo com a Ark Research, um filme de duas horas lançado nos cinemas monetiza cerca de US$ 4,50 por hora, em comparação com US$ 0,22 por hora na Netflix (os dados se referem ao mercado americano).

Por que isso importa?

Comprar um ingresso para ver todos os 17 filmes da Warner Bros. programados para serem lançados nos cinemas --que incluem Matrix 4, The Suicide Squad, Dune e Godzilla vs. Kong-- provavelmente custaria US$ 160 (ou mais de US$ 250, se você morar em Nova York). Se assinar o HBO Max, você poderá acessar todos esses filmes --além da biblioteca inteira da WarnerMedia-- por US$ 180 ao ano. E ainda pode dividir a assinatura.

Bolha de pensamento

A AT&T, dona da Warner Bros., é um conglomerado de telecomunicações e todo esse movimento está relacionado ao valor das ações da empresa na bolsa. Se a Warner Bros. morrer pelo caminho, mas o valor do conglomerado aumentar com mais assinantes de planos de telefonia para assistir ao HBO Max, por exemplo, a estratégia foi bem-sucedida. São custos do negócio.


Este texto é argumentativo e não expressa necessariamente a opinião do Notícias da TV. A Coluna de Mídia é publicada toda quinta-feira


Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Cinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novelaOutubro Rosa: Conheça cinco famosas que venceram o câncer de mamaAlém de José de Abreu: Sete atores brasileiros que se aventuraram na políticaApós derrota em eleição, Victor Pecoraro perde mais uma votação e deixa A Fazenda 13

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas