Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

FOCO NO KONDZILLA

Estagnada na América Latina, Netflix aposta em Sintonia para voltar a crescer

Christian Gaul/Netflix

Bruna Mascarenhas, Jottapê e Christian Malheiros estão sorridentes no meio da favela de Sintonia, série da Netflix

Bruna Mascarenhas, Jottapê e Christian Malheiros em cena de Sintonia: série bateu recorde na Netflix

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 21/10/2021 - 6h35

Se há dois anos a Netflix investia pesado no Brasil e via o país como um de seus três maiores mercados além dos Estados Unidos, hoje a situação é bem diferente: a plataforma de streaming praticamente estagnou no número de assinantes não só por aqui, mas em toda a América Latina. Para tentar reverter a situação, os chefões apostam na série Sintonia, desenvolvida pelo fenômeno KondZilla.

Segundo dados revelados aos acionistas nesta semana, a Netflix conseguiu apenas 330 mil novos clientes na América Latina entre julho e setembro deste ano --os índices por país não são informados. No mesmo período, a região da Ásia e da Oceania ganhou 2,1 milhões de contratos. É uma comparação preocupante, mas que os executivos atribuem a uma mudança nos preços.

Em julho, todos os planos de assinatura foram aumentados no Brasil. Agora, quem deseja conferir os conteúdos da plataforma precisa desembolsar entre R$ 25,90 e R$ 55,90 todo mês --um valor mais alto até do que o combo Disney+ e Star+, que sai por R$ 45,90 mensais.

"Sempre que aumentamos os preços, já é esperado que o crescimento diminua um pouco o ritmo a curto prazo", justificou o diretor financeiro da Netflix, Spencer Neumann, na conversa com os acionistas. "A boa notícia é que acreditamos que podemos subir os preços porque estamos entregando algo de valor para os assinantes. No fim, é bom para o negócio."

O discurso é bonito para o mercado, mas na prática a situação é outra. Se não vê potencial de crescimento em uma região, a Netflix começa a investir em produções de outro lugar, que possa lhe oferecer mais clientes novos. É aí que Konrad Dantas, o KondZilla, vira uma espécie de salvador da pátria.

O produtor musical, que tem quase 65 milhões de inscritos em seu canal no YouTube, conseguiu transformar Sintonia na produção brasileira com maior público da história da plataforma. A expectativa para a segunda temporada, que estreia na próxima quarta (27), é que os episódios atraiam novos olhos para a plataforma.

"Em qualquer lugar do mundo, nós temos que fazer séries e filmes que as pessoas amem. No Brasil e na América Latina, não é diferente", explicou Ted Sarandos, chefe de conteúdo da Netflix. "Agora, por exemplo, nós temos uma nova temporada de Sintonia a caminho, e ela é nossa maior série original do Brasil. Precisamos de projetos assim, com muito potencial, para reacender o crescimento na região."

Sintonia conta a história de três amigos que cresceram juntos na fictícia comunidade de Vila Áurea, em São Paulo. Até então inseparáveis, eles tomam rumos diferentes conforme viram adultos: Nando (Christian Malheiros) ganha importância no tráfico; Rita (Bruna Mascarenhas) descobre a salvação na fé evangélica; e Doni (Jottapê) tenta a sorte como cantor de funk.

Confira o trailer da série:


Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
Traída, enganada e desprezada: 7 vezes em que Bárbara quebrou a cara em Um Lugar ao SolMansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabem

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas