Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NOS CINEMAS

Pegador em Império, Daniel Rocha vive gay enrustido em boa comédia nacional

Divulgação/Paris Filmes

Daniel Rocha fala se olhando no espelho em cena de Quem Vai Ficar com Mário?

Daniel Rocha em cena de Quem Vai Ficar com Mário?; nova comédia nacional estreou nos cinemas na quinta (10)

ANDRÉ ZULIANI

andre@noticiasdatv.com

Publicado em 11/6/2021 - 6h55

No ar na TV como o pegador João Lucas na reprise de Império, Daniel Rocha muda da água para o vinho em Quem Vai Ficar com Mário?, nova comédia nacional que estreou na quinta-feira (10) nos cinemas. Na trama, ele vive o personagem-título, um escritor gay que tem medo de assumir sua sexualidade para a família.

Nascido em Nova Petrópolis, cidade do historicamente conservador Rio Grande do Sul, Mário (Rocha) disse à família que se mudou para o Rio de Janeiro para fazer uma pós-graduação em Administração. No entanto, ele se tornou um escritor e autor de peças e mora há alguns anos com o namorado Fernando (Felipe Abib), diretor da companhia teatral Terceira Força.

Convencido por Fernando a abrir o jogo com a família, Mário volta à cidade natal para, enfim, sair do armário para seu pai, Antônio (Zé Victor Castiel), um conservador dono de uma cervejaria local. Seus planos acabam mudando quando seu irmão, Vicente (Rômulo Arantes Neto), acaba revelando ser gay antes do rapaz e causa um alvoroço familiar.

Para piorar a situação para o jovem, ele se vê atraído por Ana (Letícia Lima), a nova coach empresarial contratada por seu irmão para ajudar na administração da cervejaria. Fernando percebe que o namorado está estranho e resolve ir atrás dele, causando ainda mais problemas na cabeça de Mário.

REPRODUÇÃO/PARIS FILMES

Daniel Rocha e Felipe Abib vivem casal

Dirigido por Hsu Chien (Pé na Cova), Quem Vai Ficar com Mário? usa a comédia para fazer um discurso atual e importante contra o conservadorismo. Se a principal pauta explorada no longa é a da homofobia, o machismo também não fica de fora, e ambos são criticados de forma quase didática.

Com tantas mensagens abordadas, fica evidente que a luta do filme é pela aceitação de ser quem você e pela liberdade de as pessoas escolherem sua sexualidade sem preconceitos, sejam elas plurais ou não. O trisal inusitado formado por Mário, Fernando e Ana soa como um grito de apoio ao poliamor e ao avanço da sociedade brasileira como um todo.

A pauta positiva de Quem Vai Ficar com Mário?, no entanto, não salva a produção de sequências e piadas ultrapassadas. Há excesso de diálogos e trejeitos estereotipados, o que pode gerar diversas críticas da ala mais radical da comunidade LGBTQ+ --sem contar a escolha do diretor de escalar dois homens héteros para representar o casal principal.

Integrantes do núcleo da companhia teatral, Nany People, Victor Maia e Nando Brandão ajudam a oxigenar a trama com diversos momentos cômicos. A chegada do trio na casa de Antônio rende algumas das melhores cenas do longa de Hsu Chien.

Mesmo imperfeito, Quem Vai Ficar com Mário? é uma boa comédia nacional que, infelizmente, chega aos cinemas em um momento complicado do Brasil. Em tempos sem pandemia, a história do trisal teria potencial para entrar na prateleira de comédias que fazem sucessos de bilheteria e com mensagens tão importantes quanto o dinheiro arrecadado.

Assista ao trailer do filme:


Leia também

Web Stories

+
Bárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acaloradaFim de casamento e cirurgia perigosa: Como estão os vencedores do Power Couple Brasil

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?