Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CRÍTICA

Morte no Nilo: Indicado ao Oscar, Kenneth Branagh eleva livro de Agatha Christie

Divulgação/20th Century Studios

Kenneth Branagh em cena do filme Morte no Nilo

Kenneth Branagh como o detetive Hercule Poirot em cena de Morte no Nilo; filme está nos cinemas

ANDRÉ ZULIANI

andre@noticiasdatv.com

Publicado em 10/2/2022 - 6h15

Após sofrer com adiamentos por causa da pandemia de Covid-19, Morte no Nilo finalmente estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (10). Sequência de Assassinato no Expresso Oriente (2017), o longa traz novamente o indicado ao Oscar Kenneth Branagh em uma história que eleva o livro original escrito por Agatha Christie (1890-1976).

A crise sanitária causada pelo novo coronavírus não foi o único empecilho para o lançamento de Morte no Nilo. Armie Hammer, ator que protagoniza o filme ao lado de Branagh e Gal Gadot (Mulher-Maravilha), foi acusado de canibalismo e demitido de várias produções com as quais já estava comprometido.

Ter no elenco o rosto de um astro cancelado por ser canibal trouxe risco para a Disney, que herdou o título após finalizar a compra dos estúdios e catálogo da Fox. Apesar de Hammer ter importância para a trama, seu rosto foi escanteado das artes de publicidade e permaneceu oculto durante a divulgação do longa.

Mesmo sem tantos percalços, a jornada de Branagh no comando de Morte no Nilo não seria fácil. O livro é um dos mais aclamados da carreira de Agatha e ganhou uma popular adaptação ao cinema nos anos 1970, que contava com grandes nomes da época, como Mia Farrow, Peter Ustinov (1921-2004) e Bette Davis (1908-1989).

DIVULGAÇÃO/20TH CENTURY STUDIOS

Gal Gadot em Morte no Nilo

Gal Gadot em Morte no Nilo

A comparação com versões cinematográficas antigas atrapalhou a repercussão de Assassinato no Expresso Oriente. O filme foi bem nas bilheterias e arrecadou mais de US$ 352 milhões (R$ 1,8 bilhão) para um orçamento de US$ 55 milhões (R$ 289,3 milhões), mas teve recepção morna de crítica e público.

Com Morte no Nilo, Branagh espanta de vez a sombra de seus antecessores e entrega uma adaptação que faz jus à obra marcante de Agatha Christie sem deixar de apimentá-la como uma boa dose de mistério e emoção.

Na trama, o experiente detetive Hercule Poirot (Branagh) viaja ao Egito, em 1937, para passar suas merecidas férias. Lá, reencontra Bouc (Tom Bateman), personagem introduzido em Assassinato no Expresso Oriente. Os dois amigos se unem para aproveitar o luxuoso casamento no hotel em que estão hospedados.

É Bouc quem apresenta a Poirot --e ao público-- os personagens que estarão envolvidos no mistério apresentado mais à frente do longa. Desta forma, Branagh posiciona as peças do quebra-cabeça que deverá ser construído pelo detetive quando corpos começam a cair em volta do famoso rio Nilo.

DIVULGAÇÃO/20TH CENTURY FOX

Armie Hammer e Gal Gadot

Armie Hammer e Gal Gadot

No centro da trama está a bela Linnet Ridgeway (Gal Gadot), ricaça que está noiva do pobretão charmoso Simon Doyle (Armie Hammer). O casal apaixonado é perseguido de perto por Jacqueline de Bellefort (Emma Mackey), ex-amante de Doyle que não aceitou o término da relação e tenta a todo custo impedir o casamento.

Estrela de Sex Education, Emma é o principal destaque desse triângulo amoroso. Enquanto Gal e Hammer sofrem com a falta de química emocional e corporal, a atriz destaque da Netflix rouba a cena em cada entrada que faz em Morte no Nilo.

A bordo do navio S.S. Karnak, um misterioso assassinato coloca o trio no centro da investigação de Poirot. Com um elenco de apoio repleto de estrelas como Annette Benning (Beleza Americana), Rose Leslie (Game of Thrones), Sophie Okonedo (Ratched) e Letitia Wright (Pantera Negra), o longa convence ao acrescentar dramaticidade na construção do mistério.

Morte no Nilo leva mais tempo do que deveria para alcançar seus momentos impactantes, mas Kenneth Branagh se preocupa profundamente o suficiente com Poirot para fazê-lo funcionar. Há, inclusive, uma introdução para mostrar as origens do protagonista e revelar como o detetive bigodudo se tornou o um ícone.

Como drama, o longa tem falhas e demora e se acertar, mas ao atingir o ápice da investigação de Poirot a produção desfruta da qualidade de seu diretor e boas performances do elenco de apoio. Aos admiradores da obra de Agatha Christie preocupados com a adaptação, Branagh provou que merece um voto de confiança.

Assista ao trailer de Morte no Nilo:


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.