Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

CASTELO RÁ-TIM-BUM

Na CCXP, Cao Hamburger critica governo de Bolsonaro: 'Pior do que Dr. Abobrinha'

REINALDO MARQUES/TV GLOBO

O diretor Cao Hamburger durante evento realizado em 2017

Diretor do clássico Castelo Rá-Tim-Bum (1994-1997), Cao Hambuger criticou o governo Jair Bolsonaro

FERNANDA LOPES

Publicado em 5/12/2019 - 13h30
Atualizado em 5/12/2019 - 14h09

O diretor Cao Hamburger é o grande homenageado da edição deste ano da CCXP (Comic-Con Experience), em São Paulo. Em painel dedicado aos 25 anos da estreia do Castelo Rá-Tim-Bum (1994-1997), ele fez duras críticas à forma com que o governo federal trata questões como ciência e educação no Brasil, e insinuou que há membros dos ministérios que são muito mais ameaçadores do que o vilão da série, o Doutor Abobrinha (Pascoal da Conceição).

Hamburger conta que criou o castelo como um lugar que guarda tudo de melhor que existe no mundo em relação à arte, ciência e conhecimento. Ele acha que, se existissem hoje, Dr. Victor (Sérgio Mamberti) e a bruxa Morgana (Rosi Campos) sofreriam muito preconceito.

"Os vilões que gostariam de destruir o Castelo são piores do que o Doutor Abobrinha. São pessoas que cuidam da ciência e da educação no Brasil. O pessoal do Castelo sofreria mais", acredita o diretor.

Durante o painel, Hamburger continuou defendendo a importância do investimento em educação no país. Ele se orgulha de ter feito um programa infantil e educativo de sucesso, mas acha que a responsabilidade de dar educação de qualidade às crianças é do governo.

"Educação não depende do entretenimento, deve ser a coisa mais importante num país decente. A gente tá num período desacreditado, é um pesadelo a educação no Brasil. A gente tem que chamar a atenção pra isso, e a sociedade tem que pressionar para que os governos priorizem a educação pública", afirma.

Ao final do painel na CCXP, Hamburger propôs uma homenagem às nove vítimas da operação policial em um baile funk em Paraisópolis, em São Paulo, no fim de semana. O diretor pediu que toda a plateia ficasse em pé; o seu pedido foi atendido com aplausos. Ele ficou muito sensibilizado pelas mortes dos jovens da periferia, uma vez que desenvolve programas justamente para o público dessa faixa etária.

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Quem deve ser a nova Juma Marruá?