Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NOVA DENÚNCIA

Investigação de abuso sexual e má conduta: Por que a Nike rompeu com Neymar

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Imagem de Neymar Jr. de capuz preto da Nike

Neymar Jr. em foto publicada nas redes sociais; jogador perdeu contrato com a Nike em 2020

PAOLA ZANON

paola@noticiasdatv.com

Publicado em 28/5/2021 - 9h51

Quase nove meses após o fim do contrato com Neymar, a Nike confirmou que o motivo do rompimento foi a investigação de um suposto caso de abuso sexual que o jogador teria cometido contra uma funcionária da empresa em junho de 2016. A marca esportiva decidiu romper com o atacante após ele se recusar a colaborar com as investigações.

A denúncia foi feita pela funcionária, confidencialmente, em um fórum organizado pela liderança da Nike em 2018 para seus empregados. Segundo o Wall Street Journal, foi aberta uma investigação independente em 2019, mas os resultados foram inconclusivos, por isso empresa optou por não levar o caso à Justiça. As informações foram confirmadas ao Notícias da TV pela Nike.

"A Nike ficou profundamente perturbada com as alegações de abuso sexual feitas por uma de nossos próprias funcionárias contra Neymar Jr. O suposto incidente ocorreu em 2016 e foi oficialmente relatado à Nike em 2018. Desde o início, tratamos as alegações da funcionária e sua experiência com grande seriedade", disse a empresa, em nota.

A marca explicou que a funcionária relutou em fazer a denúncia e só prosseguiu diante do compromisso de sigilo de sua identidade. "A Nike respeitou o desejo inicial de manter o assunto confidencial e evitou uma investigação. Tínhamos a responsabilidade de respeitar sua privacidade e não acreditávamos que fosse apropriado compartilhar as informações com as autoridades sem o consentimento da funcionária", explicou.

A suposta vítima, no entanto, decidiu dar andamento ao caso com investigações independentes em 2019 --mesmo ano em que Neymar foi acusado de estupro por Najila Trindade e, depois, inocentado. "A Nike contratou um advogado independente para a funcionária, de sua escolha, e às custas da empresa. A investigação foi inconclusiva", informou a nota.

A marca ressaltou ainda que não seria apropriado fazer uma investigação formal sem poder fornecer provas. "A Nike encerrou seu relacionamento com o atleta porque ele se recusou a cooperar em uma investigação de boa fé", justificou a empresa, que tinha um contrato com Neymar desde 2005, quando ele tinha apenas 13 anos.

Neymar nega as acusações

Ao Notícias da TV, a equipe do jogador afirmou que o fim do contrato, em agosto de 2020, se deu por questões comerciais. Na época, foi divulgado que Neymar não teria concordado com os valores propostos pela Nike, o que o levou a fechar um novo contrato com a Puma. 

A assessoria também informou que o atleta nega as acusações e comparou a nova denúncia ao caso de Najila Trindade. "Semelhante às alegações de violência sexual feitas contra ele em 2019 --alegações que as autoridades brasileiras julgaram Neymar Jr. como inocente--, estas alegações são falsas. Neymar Jr. nega estas alegações", disse a nota oficial. 

A equipe ainda afirmou ao Notícias da TV que, caso seja aberta uma investigação formal, Neymar irá se defender e questionou a veiculação das acusações apenas agora. "É bem estranho um caso que supostamente aconteceu em 2016 aparecer apenas neste momento", afirmou. 

Suposto abuso sexual

Segundo o Wall Street Journal, o caso teria acontecido em junho de 2016 em Nova York, durante uma viagem de Neymar para uma campanha publicitária. A funcionária da Nike estava trabalhando na logística do jogador e de sua equipe para um evento com o astro do basquete Michael Jordan. 

Na noite do evento, o atleta teria ido à boate Up & Down e, na madrugada do dia 2 de junho, funcionários do hotel pediram a ela que ajudasse Neymar a entrar em seu quarto, pois ele estava embriagado. Dentro do quarto, sozinho com a funcionária da Nike, ele teria abaixado a cueca, a forçado a fazer sexo oral e tentado impedi-la de sair do local.

As declarações foram feitas pela funcionária a pessoas próximas. Segundo ela, Neymar ainda a perseguiu pelo corredor do hotel depois que ela conseguiu sair do quarto.

TUDO SOBRE

Futebol

Neymar


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.