REDES CURIOSAS

Gabriel Diniz ganha 1,4 milhão de seguidores após morte; por que esse prazer mórbido?

REPRODUÇÃO/YOUTUBE

Gabriel Diniz morreu na tarde de segunda-feira (27); ele estava em um avião que caiu na região sul de Sergipe - REPRODUÇÃO/YOUTUBE

Gabriel Diniz morreu na tarde de segunda-feira (27); ele estava em um avião que caiu na região sul de Sergipe

GABRIEL PERLINE - Publicado em 30/05/2019, às 05h23

Gabriel Diniz ganhou 1,4 milhão de seguidores no Instagram em menos de 48 horas após a confirmação de sua morte, na tarde de segunda-feira (27), em decorrência de um acidente aéreo. Caroline Bittencourt (1981-2019) e Ricardo Boechat (1952-2019) também aumentaram exponencialmente o número de fãs nas redes sociais após suas trágicas mortes. O que justifica esse prazer mórbido das pessoas?

"A morte tem um apelo sensacionalista muito grande", defende a psicóloga Juliana Cambaúva. "Hoje a gente tem o fenômeno das redes sociais, do tempo líquido e do amor líquido. A morte faz com que a gente possa dissecar a biografia dessa pessoa e de alguma forma trazer a celebridade para um universo mais humano, porque aí a gente dialoga com a celebridade de um lugar mais de igual para igual. Entendendo o que aconteceu com o outro, a gente se ilude com a possibilidade de não morrer."

O sertanejo, que tinha 28 anos, saltou de 3,3 milhões para 4,7 milhões de seguidores no Instagram após a morte. De acordo com a ferramenta CrowdTangle, que afere o poder de influência dos usuários nas redes sociais, foi a maior projeção do artista desde que abriu seu perfil. Nem mesmo o estouro do hit Jenifer, no final do ano passado, o fez crescer tanto.

Caroline Bittencourt, que morreu em um acidente de barco no final de abril em Ilhabela, litoral de São Paulo, também inflou seu número de seguidores após a tragédia. De 420 mil, saltou para 826 mil. Alguns dos curiosos já deixaram de acompanhar o perfil e hoje a ex-modelo conta com 814 mil fãs.

FOTOS: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM E REPRODUÇÃO/BAND

Caroline Bittencourt e Ricardo Boechat também cresceram no Instagram após suas mortes

O jornalista Ricardo Boechat, que foi vítima da queda de um helicóptero em fevereiro deste ano, também teve um alto crescimento no número de seguidores após a confirmação de sua morte. Um dia antes do acidente, ele contava com 28 mil seguidores. Chegou a ter 248 mil após toda a comoção nacional, e hoje conta com 233 mil ávidos por atualizações que nunca virão.

"Não entendo esse comportamento como um prazer mórbido, mas situações como essas nos fazem refletir sobre a nossa própria morte, não somente quando formos idosos. Ir atrás de informações também é uma forma de digerir e enfrentar a perda", disse a psicóloga Luciana Mazorra, do Instituto 4 Estações, que presta auxílio a pessoas que precisam enfrentar o luto.

Para ela, a morte é um tabu na sociedade contemporânea. É algo do qual as pessoas normalmente evitam falar e também evitam pensar na sua própria morte, embora seja a única certeza que os seres humanos têm nessa vida.

"Seguir nas redes sociais um artista que morreu é uma forma de dar sentido à sua própria vida. As pessoas pensam: 'Aquele ídolo conseguiu tudo o que queria e morreu'. Ir atrás e ter mais informações é uma forma de cultuar essa figura idealizada, manter essa pessoa viva. Se eu vejo esse perfil, eu mantenho essa pessoa viva. E também é um processo de digerir a morte", acrescentou.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Quem é o personagem mais trouxa da TV?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook