LUTO

Âncora do Jornal da Band, Ricardo Boechat morre em acidente de helicóptero

Reprodução/Band

O âncora Ricardo Boechat no Jornal da Band da última sexta-feira (8): morte em acidente tragédia - Reprodução/Band

O âncora Ricardo Boechat no Jornal da Band da última sexta-feira (8): morte em acidente tragédia

REDAÇÃO - Publicado em 11/02/2019, às 13h50 - Atualizado às 14h29

O jornalista Ricardo Boechat, âncora do Jornal da Band, morreu nesta segunda-feira (11), aos 66 anos, em um acidente na rodovia Anhanguera, na zona oeste de São Paulo. Ele estava em um helicóptero que caiu sobre um caminhão na altura do quilômetro 7 do Rodoanel. Segundo o Corpo de Bombeiros, o motorista teve ferimentos leves, mas o jornalista e o piloto da aeronave morreram na hora --os corpos foram encontrados carbonizados.

Boechat tinha ido para Campinas (localizada a 100 km da capital) fazer uma palestra para uma indústria farmacêutica e voltava de helicóptero para São Paulo. Ele pretendia almoçar em casa e depois seguir para a Band, para comandar o Jornal da Band. O piloto foi identificado como Ronaldo Quattrucci.

A emissora, que exibia o esportivo Os Donos da Bola, apresentado por Neto, interrompeu o programa para chamar José Luiz Datena, que se emocionou ao informar sobre a morte do colega de emissora, por volta das 13h50.

A última coluna de Boechat na rádio BandNews FM foi, ironicamente, sobre a sucessão de tragédias que assolam o Brasil neste início de ano. A rádio saiu do ar nesta tarde. Os jornalistas pediram desculpas e pararam a transmissão.

A morte de Boechat causou consternação em todas as redações das principais emissoras do país. Na Globo, Sandra Annenberg ficou com a voz embargada em vários momentos ao noticiar o acidente e falar sobre a trajetória de Boechat. A jornalista Aline Mildred entrou no ar no Jornal Hoje direto da redação do G1 e também falou sobre o choque a tristeza dos jornalistas com a perda do amigo.

Na GloboNews, Maria Beltrão disse no Estúdio I que todos estavam muito abalados, e o colunista Ancelmo Gois deu depoimento carinhoso sobre a trajetória de Boechat. Na Record, Reinaldo Gottino deu a notícia no Balanço Geral. No SBT, ficou a cargo do Fofocalizando a cobertura da queda do helicóptero.

reprodução/tv globo

Imagens da Globo mostram bombeiros no local do acidente com o helicóptero de Boechat

Trajetória
Ricardo Eugênio Boechat nasceu em Buenos Aires, na Argentina, em 1952, e era filho de um diplomata. Começou a carreira como repórter em 1970, no Diário de Notícias, Foi secretário de comunicação de Moreira Franco no governo do Estado do Rio de Janeiro, em 1987, e entre os anos 1980 e 1990 foi repórter e colunista dos jornais O Globo, Jornal do Brasil e O Estado de S.Paulo.

A carreira na televisão começou em 1997, quando ganhou um quadro de opinião no Bom Dia Brasil. Permaneceu no Grupo Globo até 2001, quando foi demitido após se envolver num escândalo de empresas de telefonia.

A revista Veja publicou na época uma reportagem em que trazia conteúdo de telefonemas entre Boechat e o jornalista Paulo Marinho, em que eles conversavam sobre o conteúdo de reportagens sobre a guerra pelo controle e companhias telefônicas no Brasil. Marinho trabalhava para um aliado da TIM.

Mesmo após o escândalo, Boechat continuou considerado como um dos jornalistas mais importantes e influentes no Brasil. Ele foi colunista do Jornal do SBT e chegou a gravar o piloto de um telejornal para a emissora, que nunca se concretizou. Também foi colunista do jornal O Dia e professor de jornalismo na Faculdade da Cidade, no Rio de Janeiro.

Boechat entrou para a Band em 2006, como diretor de jornalismo da sucursal do Rio de Janeiro. Se mudou para São Paulo em fevereiro daquele ano para ser âncora do Jornal da Band, mesma função que exercia no Jornal BandNews, que apresentou na rádio até ontem. O jornalista também mantinha uma coluna na revista IstoÉ.

Ao longo da carreira, Boechat recebeu diversos prêmios por sua atuação no jornalismo. Foram três prêmios Esso (em 1989, 1992 e 2001) e nove Comunique-se (em 2006, 2007, 2008, 2010, 2012, 2013, 2014 e 2017). Ao receber tantos troféus, entrou para a Galeria de Mestres do Jornalismo da premiação e foi considerado hors-concours nas categorias Apresentador/Âncora de Rádio e Colunista de Notícia. Foi eleito como o jornalista mais admirado do Brasil em 2014 e 2015.

Boechat era casado com Veruska Seibel e deixa seis filhos.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Quem você acha que é o serial killer de O Sétimo Guardião?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook