Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

HATERS

Após sofrer ataques homofóbicos na internet, Marcelo Adnet vai processar bolsonaristas

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

O humorista Marcelo Adnet no humorístico Sinta-se em Casa, da Globo

Marcelo Adnet no Sinta-se em Casa, da Globo; humorista irá processar apoiadores de Jair Bolsonaro

REDAÇÃO

Publicado em 24/4/2020 - 8h45

Marcelo Adnet anunciou que irá processar apoiadores do presidente Jair Bolsonaro por ataques homofóbicos na internet. Após revelar abusos sexuais sofridos na infância, o humorista começou a ser xingado por pessoas identificadas como bolsonaristas. "Contratei uma equipe jurídica para condensar essas ofensas e nós vamos processá-los", declarou ele.

O comediante avaliou que sofreu ataques por tirar sarro de Bolsonaro. "Eles usam essa tática de machucar os outros, quando se levanta qualquer dúvida sobre o governo. Não me ofende ser chamado de boiola, viado, fracassado. Mas isso é péssimo e inexplicável", contou o funcionário da Globo, que produz sátiras imitando o presidente, em entrevista ao jornal Extra.

No começo de abril, a revista Veja deu em primeira mão as revelações de Adnet sobre os abusos sexuais que sofreu na infância. Ele relatou que a primeira vez ocorreu quando tinha 7 anos, por um caseiro. Aos 11, ele passou por uma nova violência, cometida por um amigo da sua família. 

Apesar dos haters, o humorista avaliou que a repercussão teve seu lado positivo. "Muitos homens me procuraram pelas redes sociais para relatarem que também já sofreram abuso na infância. A maioria não teve coragem de falar para a família e até hoje não conseguiu lidar com isso. Acho que o lado positivo do meu posicionamento foi poder levar esse tema para outras pessoas que passaram pelo mesmo", disse. 

"Faz 27 anos que isso aconteceu comigo pela última vez e eu tive tempo de entender, aceitar e contar para as pessoas mais próximas. Para mim, esse assunto não é tabu nenhum", completou Adnet. 

O apresentador do Sinta-se em Casa, disponível no Globoplay, enfrenta o isolamento social ao lado da namorada, Patricia Cardoso. Nas esquetes de humor diárias, ele traz imitações de figuras políticas, partcipantes do BBB20 e de personagens fictícios. O que era para ser apenas algumas piadas em seu Instagram, se tornou um projeto de trabalho após o interesse do serviço de streaming da Globo.

"Acho que a gente precisa se adaptar. O homem é um animal que se adapta. E, dentro desta nova realidade, comecei a fazer uns vídeos aqui na minha casa parodiando alguns políticos, uns BBBs, e logo o Globoplay entrou em contato comigo me sugerindo que eu produzisse um conteúdo parecido para eles. E achei muito maneiro", explicou o carioca.

Para produzir o Sinta-se em Casa, nada de glamour. "Filmo com meu celular. Não tenho nem estabilizador, nem tripé, nem nada. Em alguns momentos, Patricia segura o celular, em outra os eu apoio nos meus livros. Faço tudo no próprio dia, no período da tarde, e mando para os editores. E eles fazem a edição na casa deles. É tudo artesanal, e o público gosta disso. Costumo dizer que, quando falta produção, sobra criatividade", ressaltou Adnet. 

Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Web Stories

+
A Favorita: Veja 7 atores da novela que sumiram da GloboPão Pão, Beijo Beijo chega no Viva 39 anos depois: Quais atores já morreram?Resumo de Pantanal: Madeleine sofre tragédia, e Bruaca se choca com podridão do maridoGkay já fez harmonização facial? Veja antes e depois da influenciadoraNovela Pantanal: Descubra quem é Guito, o ator que interpreta Tibério na trama

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas