Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

ANDRE GABEH

Ex-BBB desabafa sobre homofobia dentro do reality: 'Coisas tão violentas'

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

O músico e ilustrador André Gabeh com um tureg sentado no sofá da sala do BBB 1

André Gabeh no Big Brother Brasil; ele foi alvo de piadas preconceituosas de artistas da Globo

DANIEL FARAD

vilela@noticiasdatv.com

Publicado em 3/7/2022 - 17h00

Andre Gabeh fez um longo desabafo neste domingo (3) sobre a homofobia que vivenciou dentro do BBB 1 (2002). O músico revelou que o preconceito se juntou à pressão do jogo para levá-lo à exaustão nas últimas semanas do reality show da Globo. Ele encontrou forças para chegar até a final em uma música de Kate Bush --redescoberta pelo público mais jovem graças à série Stranger Things, da Netflix.

O artista ficou em terceiro lugar com 11% da preferência popular, atrás de Vanessa (21)% e de Kleber Bambam (68%). "Kate Bush já me salvou. Mesmo. Sem exageros. Ela já me salvou várias vezes, mas esse salvamento do qual falarei foi público, quando participei do Big Brother", explicou.

"Eu fiquei 64 dias no programa. Até o final. Fui amigo de quase todas as pessoas confinadas comigo e vi todas elas serem eliminadas. Além disso, estive envolvido em todas as tretas e passei por constrangimentos homofóbicos imensos", lembrou ele.

"As coisas que passei foram tão violentas que o Viva cortou todas as cenas de visitas de famosos que aconteceram na casa. Quem viu na época sabe do que estou falando", ressaltou o brother.

Gabeh, que é assumidamente gay e assexual, foi alvo de piadas preconceituosas durante a passagem de humoristas pela casa, como Jô Soares. Chico Anísio (1948-2021) chegou a chamá-lo de "fresco". Ele também teve problemas com os comediantes do Casseta & Planeta, Urgente (1992-2010).

Volta por cima

Gabeh relembrou que, por volta do 52º dia de programa, já estava "destruído emocionalmente". Ele também estava preocupado com a saúde da avó, que morreu justamente durante o confinamento. "Eu já estava naquele estágio de chorar pelos cantos. A produção me perguntou até se eu estava precisando de uma consulta extra com o psicólogo", relatou.

"Eu comentei que música poderia me curar, me levantar. Na casa, é falar em voz alta. Nunca sabemos se alguém nos ouve", acrescentou ele. "Joguei com a sorte. Disse que precisava ouvir uma Kate Bush. Disse que isso me ajudaria muito. Mas vocês sabem, né O programa precisa de conflito, e quem sou eu na fila do borí para dizer o que queria ou deixava de querer", continuou.

O cantor disse que até Vanessa começou a ficar preocupada ao vê-lo em um estado depressivo. Ele até cogitou desistir da atração. "Aí deu-se a mágica. O DJ da casa soltou uma música no meio daquele momento de desolação, e eu reconheci o que era na primeira nota", frisou.

Tratava-se de Don't Give Up, um dueto entre Kate Bush e Peter Gabriel. "Fui andando para o jardim como se estivesse dentro de uma nuvem. Eu sentia o abraço de todo mundo que eu sei que gostava de mim. Senti o abraço dos meus pais, dos meus amigos, dos meus antepassados. Juro", relatou.

Gabeh lembra que deitou no chão mesmo debaixo de chuva e se sentiu bem pela primeira vez em dias:

Eles ainda tocaram a música mais duas vezes seguidas, e eu naquela emoção sagrada sentindo a vida voltar, a esperança voltar. Senti um afeto honroso. Uma sensação de proteção imensa. Eu sorri depois de dias. Respirei. A partir daquele dia, eu voltei para o jogo.

Confira o desabafo de André Gabeh sobre o BBB1:


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.