Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

ADRIANA ARAÚJO

Jornalista revela em livro que pai de sua filha quis trocar de bebê na maternidade

DIVULGAÇÃO/GLOBO LIVROS

Foto da estudante de Medicina Giovanna Araújo com a mãe, a jornalista Adriana Araújo, na capa do livro Sou a Mãe Dela, da Globo Livros

Giovanna com a mãe, a jornalista Adriana Araújo, na capa de Sou a Mãe Dela, da Globo Livros

KELLY MIYASHIRO

kelly@noticiasdatv.com

Publicado em 20/12/2020 - 7h10

Ex-repórter do Jornal Nacional e apresentadora da Record, Adriana Araújo revela no livro Sou a Mãe Dela, publicado recentemente, como o pai biológico de sua única filha, Giovanna, quis trocar de bebê na maternidade após descobrir que a menina tinha nascido com uma doença congênita.

Em um trecho da autobiografia publicada pela Globo Livros, Adriana relata as dificuldades que enfrentou para defender com unhas e dentes a sua menina, que nasceu com hemimelia fibular, uma síndrome congênita de causa desconhecida. Por causa dela, Giovanna veio ao mundo sem um osso na perna e com apenas dois dedos na mão direita.

O primeiro percalço enfrentado pela titular do Repórter Record Investigação foi lidar com o descaso de um namorado insensível após uma gravidez inesperada e uma gestação complicada quando tinha 25 anos.

"De tudo ficou a lembrança de uma frase, dita no meu momento de maior fragilidade: 'Podemos pagar uma enfermeira e trocar de bebê. Pegar outra criança que vai nascer nas próximas horas'. O tom de voz era baixo, calmo, como se nada estapafúrdio houvesse naquela junção de palavras", relata a jornalista no capítulo Ausência.

"'Você quer trocar de filha?', perguntou o pai biológico, que chegara de madrugada de uma viagem de trabalho. Emudeci. Não era uma sugestão real. Nunca foi e nunca achei que fosse. Não era a frase que eu esperava. Mas te digo: funcionou. Sequei as lágrimas e todas as minhas expectativas de colo, consolo e futuros diálogos", completa a autora. 

Sem revelar a identidade do pai biológico de sua única filha no livro, Adriana Araújo explica à reportagem que o genitor nunca foi uma pessoa pública, uma coisa que ela pretende manter, já que tudo que precisava ser dito sobre ele está naquelas quatro páginas de Sou a Mãe Dela.

"Minha menina nasceu de um namoro precoce, sem nenhuma definição de futuro. Jovem, em início de carreira, solteira e grávida. Pois decidi que deveria ser assim que deveria continuar. Só dois anos depois daquela frase na maternidade que a separação se concretizou por uma decisão minha. O afastamento da filha foi uma escolha dele, consolidada pelo tempo", conclui ela, ao final do capítulo.

Algumas páginas depois, o leitor descobre que Giovanna tem um pai de verdade, a quem ela chama carinhosamente de "Abu" (pai em árabe). No livro, Adriana conta como começou sua relação com Chico Zaidan Mendez, um jornalista com quem se casou e que acolheu a "sua menina" sem pestanejar --e que briga se ouvir a palavra "padrasto".


O livro

Sou a Mãe Dela é um relato poderoso sobre tudo que uma genitora pode fazer para que sua filha, nascida fora dos padrões, não seja vista como "coitadinha" perante a sociedade. Adriana Araújo largou o cargo de repórter da Globo Minas para assumir a bancada do Jornal da Record em São Paulo.

O salário três vezes maior a ajudou a bancar as dez cirurgias para corrigir os problemas ósseos de Giovanna, que apesar de ter relutado sobre a publicação da própria história, autorizou a jornalista a contar a jornada delas.

Entre outras coisas, a trajetória de mãe e filha fala ainda sobre um médico preguiçoso que quis amputar o pé da menina, um pai biológico ausente, e uma saga quase interminável para achar luvas personalizadas para que a estudante de Medicina pudesse cursar aquilo que sempre sonhou. 

Publicado pela editora Globo Livros, Sou a Mãe Dela está à venda no site da Amazon.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você espera ver na TV em 2021?

Novelas inéditas, não aguento mais reprise
23.44%
Silvio Santos e veteranos de volta ao estúdio
15.02%
Estreia de programas diferentes
30.20%
Chega logo, BBB21!
31.35%