SANDER MECCA

Vocalista do Twister revela abuso sexual aos 15 anos: 'Preço da fama'

REPRODUÇÃO/RECORD

Reprodução de imagem de Sander Mecca

Sander Mecca revelou no Câmera Record que sofreu abuso sexual aos 15 anos de idade

REDAÇÃO - Publicado em 01/06/2020, às 00h50

Sander Mecca, ex-vocalista da banda Twister, revelou que foi vítima de abuso sexual quando tinha 15 anos de idade. Em entrevista para o Câmera Record exibida no domingo (31), o cantor afirmou que durante o auge da carreira sofreu violência sexual por uma pessoa da equipe do grupo musical. "Ele dizia que era o preço da fama", disse o cantor sobre o posicionamento do agressor.

"[Ele dizia] Você quer participar da banda ou quer ver o sucesso pela TV? Ou você faz ou pula fora. O preço da fama é esse: você se deitar comigo", afirmou Sander. Segundo o cantor, o agressor era uma pessoa que tinha "muito poder" sobre a boyband e tinha cerca de 40 anos na época dos abusos.

Sander falou para a equipe do jornalístico que o abuso ocorreu em um hotel na capital paulistana e foi antes do lançamento da banda, na época da assinatura dos contratos.

"Tinham três pessoas que tinham poder na banda, entre empresários e produtores, e o agressor era um deles. Acho que as outras duas não sabiam o que ocorreu. Essa pessoa foi até o final do Twister, mesmo com as mudanças da equipe, e me acompanhou até os 17, 18 anos", revelou.

"Era uma pessoa em quem confiava no meio artístico. Na época, eu não encarei como vejo hoje. Tinha o sonho de ser famoso e aquilo não era maior do que o meu sonho. Hoje, eu considero que foi uma violência sexual", revelou ele.

A equipe do Câmera Record entrou em contato com quatro ex-integrantes do Twister. "Três falaram que desconhecem qualquer caso de abuso sexual dentro da banda, mas um deles afirmou que não chegou a ser abusado, embora tenho sido insistentemente assediado. Ele não quis gravar entrevista, pediu para não ser identificado e disse que até hoje, quando esse assunto vem à tona, tem crises de pânico e ansiedade" explicou o repórter Romeu Piccoli na matéria.

Hélio Batista, empresário responsável pela criação do Twister, foi procurado pela reportagem da Record, mas não respondeu os contatos.

Mecca também afirmou que revelou o abuso para os familiares antes da entrevista e que, durante o período em que ficou preso por tráfico de drogas, o agressor entrou em contato com ele e pediu desculpas pelo crime. Ele aceitou o pedido.

Ano passado, ele participou do programa Hora do Faro, no qual foi ofertado um tratamento para abandonar o vício das drogas. Ele aceitou a oportunidade e permaneceu três meses internado em uma clínica de reabilitação.

Tudo sobre

Câmera Record Record

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual novela a Globo deve reprisar depois de Novo Mundo?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook