Polêmica

Rodrigo Bocardi é acusado de racismo por telespectadores do Bom Dia São Paulo

Reprodução/Globo

Rodrigo Bocardi na edição desta sexta (7) do Bom Dia São Paulo

Rodrigo Bocardi na edição desta sexta (7) do Bom Dia São Paulo; apresentador foi acusado de racismo

REDAÇÃO - Publicado em 07/02/2020, às 08h06 - Atualizado às 11h03

Rodrigo Bocardi foi acusado de demonstrar racismo na edição desta sexta (7) do Bom Dia São Paulo. O repórter Tiago Scheuer entrevistava um jovem negro no metrô, que estava indo para um clube de classe alta da cidade. O âncora perguntou se o entrevistado era gandula, e ele respondeu que era atleta. Nas redes sociais, o público achou a perspectiva de Bocardi racista. O jornalista explicou que não teve má intenção e pediu desculpas.

A reportagem falava sobre a dificuldade de moradores da zona leste de São Paulo enfrentam para pegar a linha vermelha do metrô lotada pela manhã. Na plataforma de uma estação, Scheuer começou a entrevistar um jovem chamado Lionel, que estava esperando trem.

Quando ele contou que ia para um famoso clube de classe alta, que o próprio Bocardi frequenta, o apresentador perguntou se o entrevistado "pegava bolinha de tênis". A princípio Scheuer nem entendeu o que o âncora quis dizer, e Bocardi teve que deixar mais claro que queria saber se o rapaz era gandula.

Foi quando Lionel falou que era atleta de polo aquático, inclusive estava com uniforme do time. O apresentador não demonstrou desconforto, pelo contrário. Parabenizou o entrevistado e o elogiou por ter um sorriso no rosto logo cedo.

Mas, nas redes sociais, os telespectadores não reagiram bem. Muitos entenderam que Bocardi só achou que o jovem era gandula por ele ser negro e estar numa linha de metrô da zona leste de São Paulo, que tem muitos bairros de classe baixa. Confira:

Minutos depois da entrevista, Bocardi viu os comentários no Twitter e se pronunciou. Disse que as pessoas é que estavam vendo maldade no que ele falou: "Estou lendo as mensagens, hoje tudo vira motivo de grande discussão. A galera falando aqui do rapaz do clube Pinheiros. Eu só perguntei aquilo porque frequento todos os dias e jogo bola com todos aqueles garotos que usam aquela camiseta, por isso, achei que era. Não existe preconceito, não existe racismo. Quem escreve e que fala é que é"

No fim do jornal, contou que agiu na maior inocência. Reafirmou que não houve preconceito e queria deixar isso claro para "terminar a sexta-feira numa boa".

"Gente, queria aproveitar a oportunidade. Não vamos fazer disso uma grande história sobre o rapaz do polo aquático. Eu fui pela camiseta dele perguntar se ele pega bolinha na maior inocência. Assim como eu jogo e sou querido por vários garotos que estão ali comigo todo dia. Existem brancos, negros, de tudo quanto é tipo", discursou.

"Espero poder encontrar todos eles hoje, bater uma bola, quem sabe, seja onde for, na quadra que for, no clube que quiser. Não vamos terminar o dia assim. Tô falando de coração. Quem enxerga preconceito nisso não tá sendo justo. Preconceito tá no olhar", concluiu. 

Mais tarde, o jornalista se pronunciou numa thread em seu perfil no Twitter. Ele explicou por que achou que Lionel era gandula e pediu desculpas. Leia o comunicado de Bocardi na íntegra:

"Muito triste a acusação de preconceito. Eu pratico tênis no Clube Pinheiros. Os jogadores de tênis não usam uniformes, mas os pegadores/rebatedores, sim: uma camiseta igual a do Lionel, com quem tive o prazer de conversar hoje. Ao vê-lo com a camiseta que vejo sempre, todos os dias, pegadores/rebatedores de todas as cores de pele, pensei que fosse um deles.

Não frequento outras áreas do clube onde outros esportes são praticados. E não sabia que a camiseta era parecida. Se soubesse, teria perguntado em qual área ou esporte trabalhava ou treinava. Nunca escondi minha origem humilde. Comecei a vida como garoto pobre, contínuo, andando mais de duas horas de ônibus todos os dias para ir e voltar do trabalho e escola. Alguém como eu não pode ter preconceito. Eu não tenho, nunca tive, nunca terei.

E condeno atitude assim todos os dias. Mas, se ofendi pessoas que não conhecem esses meus argumentos e a minha história, peço desculpas. Não o chamei de pegador pela cor da pele ou pela presença num trem. Chamei-o por ver que vestia. O uniforme que eu sempre vejo os pegadores usarem. Peço desculpas a todos e em especial ao Lionel".

 
 
 
View this post on Instagram

Recuperei um trecho do #BDSP de uma outra sexta-feira, de um ano atrás, do dia 22/02/2019. E aproveito para fazer o esclarecimento abaixo: Muito triste a acusação de preconceito. Eu pratico tênis no Clube Pinheiros. Os jogadores de tênis não usam uniformes, mas os pegadores/rebatedores, sim: uma camiseta igual a do Leonel, com quem tive o prazer de conversar hoje. Ao vê-lo com a camiseta que vejo sempre, todos os dias, pegadores/rebatedores de todas as cores de pele, pensei que fosse um deles. Não frequento outras áreas do clube onde outros esportes são praticados. E não sabia que a camiseta era parecida. Se soubesse, teria perguntado em qual área ou esporte trabalhava ou treinava. Nunca escondi minha origem humilde. Comecei a vida como garoto pobre, contínuo, andando mais de duas horas de ônibus todos os dias para ir e voltar do trabalho e escola. Alguém como eu não pode ter preconceito. Eu não tenho, nunca tive, nunca terei. E condeno atitude assim todos os dias. Mas se ofendi pessoas que não conhecem esses meus argumentos e a minha história, peço desculpas. Não o chamei de pegador pela cor da pele ou pela presença num trem. Chamei-o por ver que vestia o uniforme que eu sempre vejo os pegadores usarem. Peço desculpas a todos e em especial ao Leonel. Obrigado.

A post shared by Rodrigo Bocardi (@rodrigobocardi) on

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Na casa de que famoso você passaria a quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook