Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Domingo de protestos

Repórteres da Globo cobrem manifestações com 'kit de guerra'

Reprodução/TV Globo

O jornalista José Roberto Burnier grava reportagem com capacete e colete na rua da Consolação, em SP - Reprodução/TV Globo

O jornalista José Roberto Burnier grava reportagem com capacete e colete na rua da Consolação, em SP

DANIEL CASTRO

Publicado em 16/3/2015 - 11h54

Escaldadas com as agressões sofridas nas manifestações de junho de 2013, as emissoras de TV cobriram os protestos de 15 de março como se estivessem em um campo de batalha. Em todo o país, repórteres da Globo e de suas afiliadas só foram para as ruas com um "kit de guerra", que inclui capacete, colete e máscara para proteção contra gases. No Fantástico, o repórter José Roberto Burnier apareceu paramentado com colete e capacete em uma reportagem sobre as manifestações em São Paulo.

Burnier foi uma exceção. A maioria dos repórteres que cobriu os protestos deixou o "kit de guerra" na mochila, porque não encontrou um ambiente hostil como em 2013. Na verdade, a Globo mandou poucos repórteres para o asfalto. Nas entradas ao vivo, os repórteres apareceram em helicópteros e em sacadas ou coberturas de prédios, longe dos manifestantes.

Em 2013, um cinegrafista da Band (Santiago Ilidio Andrade) foi morto em uma explosão no Rio, repórteres como Caco Barcellos foram ameaçados de agressão em São Paulo, o SBT teve carros depredados e a Record, uma unidade móvel de jornalismo queimada. Desde então, todas as redes tomam precauções ao cobrir manifestações populares. 

O resultado foi uma sensível queda na qualidade. As redes não se arriscam mais a enviar unidades móveis aos protestos, pois elas chamam muito a atenção. Ontem, ao vivo, as emissoras praticamente só ofereceram imagens aéreas. A Globo, em plantão na tarde de ontem, chegou a exibir imagens da avenida Paulista com qualidade sofrível. Foram geradas por uma câmera instalada em uma motocicleta (motolink), com transmissão via internet.

A Record também tinha motolinks na avenida Paulista, mas não correu o risco de usar as imagens ao vivo. Preferiu a cobertura via helicóptero e de um prédio em frente ao Masp, epicentro do protesto em São Paulo.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Prêmio NTV Melhores do ano

Leia também

Enquete

Qual foi a melhor série documental brasileira do ano?

Web Stories

+
Última temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmadoFicção virou realidade: Casa de Esqueceram de Mim é aberta ao público; veja fotosDivórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabemJuan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do atorGui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembre

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas