Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PETISTAS CRITICAM DECISÃO

RedeTV! decide não exibir entrevista exclusiva gravada com Lula em Curitiba

REPRODUÇÃO/TV FOLHA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da SIlva em entrevista concedida na superintendência da Polícia Federal em Curitiba - REPRODUÇÃO/TV FOLHA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da SIlva em entrevista concedida na superintendência da Polícia Federal em Curitiba

REDAÇÃO

Publicado em 4/5/2019 - 16h09
Atualizado em 4/5/2019 - 16h59

A RedeTV! não vai exibir a entrevista feita por Kennedy Alencar com o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. A conversa foi gravada na manhã de sexta (3) na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, local em que o político está preso. Prevista para ser mostrada nos telejornais da emissora e também em um programa documental da BBC, a entrevista só será exibida na rede britânica. A informação foi confirmada pelo próprio jornalista.

"A entrevista que fiz com o ex-presidente Lula será exibida com exclusividade num projeto em desenvolvimento com a BBC World News. Logo em seguida, o blog [do Kennedy] publicará as íntegras em texto e vídeo da conversa com o petista, que ocorreu na superintendência da Polícia Federal Curitiba na manhã de sexta. Aguardem", publicou Alencar em seu blog, sem dar previsão de datas.

A opção por não exibir a entrevista em TV aberta também foi comunicada no site de Lula: "O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu ontem, 3 de maio, uma entrevista para o jornalista Kennedy Alencar, que seria exibida na RedeTV! e num programa documental da rede britânica BBC. Fomos informados hoje que a RedeTV! decidiu não exibir a entrevista".

"Registre-se: a emissora não só entrou com uma reclamação junto ao Supremo Tribunal Federal para garantir o direito de entrevistar o ex-presidente, como gravou a entrevista no dia de ontem (3). A entrevista deve ser divulgada no exterior na BBC", informou a nota.

Na sexta-feira (26) passada, o ex-presidente concedeu sua primeira entrevista desde que foi preso, em abril de 2018. Ele conversou durante quase duas horas com Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo, e com Florestan Fernandes, do El Pais.

Após a publicação deste texto, a assessoria da RedeTV! procurou o Notícias da TV para explicar a decisão de não exibir a entrevista. "A RedeTV! foi contratada no ano passado pela BBC World News e pela K.doc para gravar entrevistas para a série-documentário de três capítulos. Realizou 12 entrevistas, três das quais com ex-presidentes da República. A série, chamada What Happened to Brazil, foi transmitida internacionalmente em janeiro pela BBC", afirmou, por meio de nota.

"A entrevista com Lula foi solicitada à época como parte desse projeto. Liberada agora pela Justiça, foi gravada na última sexta-feira. A entrevista será usada pela BBC World News com exclusividade, numa sequência da produção desenvolvida no ano passado. Todos os direitos sobre imagens e direção editorial são da BBC."

Haddad critica a decisão

Candidato do Partido dos Trabalhadores à presidência da República nas eleições de 2018, Fernando Haddad criticou a decisão da RedeTV! de não exibir a entrevista de Kennedy Alencar com Lula.

"Você tem medo de quê? A RedeTV! decidiu não exibir a entrevista com Lula, feita ontem por Kennedy Alencar. Registre-se que a emissora entrou com uma reclamação junto ao STF para garantir o direito de entrevistar o ex-presidente", escreveu o político em seu Twitter na tarde deste sábado (4). Veja abaixo:

Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Bolsonaro virou chacota na Globo! Nos Tempos do Imperador coleciona indiretasMitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabia

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas