Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Campanha salarial

Jornalistas da Globo e Record se unem em protesto com sapatos usados

Acervo Pessoal

Par de chinelos que será usado no protesto dos jornalistas da Globo e da Record - Acervo Pessoal

Par de chinelos que será usado no protesto dos jornalistas da Globo e da Record

DANIEL CASTRO

Publicado em 11/1/2016 - 5h03

Jornalistas da Globo e da Record em São Paulo se uniram e farão nesta terça-feira (12) um protesto silencioso contra a proposta das emissoras de reajuste salarial para a categoria. Os profissionais já juntaram 70 pares de calçados usados e vão distribuí-los em frente ao Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Estado de São Paulo, onde uma reunião será realizada. Os jornalistas estão inconformados com a proposta das emissoras de reajustar salários em apenas 5%, quando a inflação anual bateu nos 11%. 

A ideia foi copiada de um protesto realizado no final de novembro em Paris. Impedidos de realizar a Marcha pelo Clima, por questões de segurança, ambientalistas dispuseram centenas de pares de calçados na Praça da República, na capital francesa.

Aos pares de sapatos, tênis e chinelos, os jornalistas de TV de São Paulo vão anexar etiquetas com o tempo de casa do dono do calçado. A ideia é mostrar aos representantes dos patrões que eles ralam a sola do sapato pelas empresas e merecem mais consideração.

As emissoras alegam que não podem conceder reajuste maior do que 5% porque todas tiveram queda nas receitas no ano passado. Na média, as emissoras faturaram 8,5% a menos do que em 2014, o que resulta em uma perda de receita equivalente a toda a arrecadação anual do SBT (R$ 1,063 bilhão).

O argumento não sensibiliza os jornalistas engajados. Eles afirmam que, mesmo com a queda no faturamento, as emissoras continuam muito lucrativas. Lembram que somente a Globo teve um lucro líquido de R$ 2,4 bilhões em 2014. E não acham justo um reajuste de metade da inflação em um mercado em que as estrelas da categoria ganham centenas de milhares de reais. 

"Foi uma proposta ofensiva", resume André Freire, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo. A data-base dos jornalistas é 1º de dezembro.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do início do BBB21?