Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

REPRESENTATIVIDADE

Irmão mais novo do Cartoon debate inclusão com crianças de dois anos

Fotos: Divulgação/Cartoonito

Becky, Freckie e Ellen descem de um ônibus escolar em imagem da animação Little Ellen, do Cartoonito

A pequena Ellen DeGeneres (à dir.) com os amigos Becky e Freckie na animação Little Ellen

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 5/12/2021 - 6h30

Lançado na quarta-feira (1º), o canal Cartoonito quer provar que nunca é cedo demais para debater inclusão e representatividade na TV. Voltado para crianças pré-escolares, de dois a seis anos, o irmão mais novo do Cartoon Network tem em seu "elenco" o primeiro Robin negro da história e uma versão infantil de Ellen DeGeneres, apresentadora abertamente homossexual --na animação Little Ellen, a menina usa roupas com estampa de arco-íris, símbolo da comunidade LGBTQIA+.

"Não minimizamos as crianças nem o que elas precisam ouvir. Nós as levamos muito a sério, sabemos que elas estão preparadas para essas conversas [mais sérias]. E trabalhamos com pais e especialistas para fazer isso da maneira certa e de um jeito natural", explica Pablo Zuccarino, vice-presidente sênior e gerente-geral da WarnerMedia Kids & Family para a América Latina, ao Notícias da TV.

O objetivo principal é fazer com que todos os públicos se vejam na tela do Cartoonito. "A canção de lançamento do canal tem sotaques diferentes do Brasil, é uma maneira de todo mundo se sentir representado pela marca desde o início. Nunca fizemos isso, e acho que nossos concorrentes também não", continua Zuccarino. Confira a música em questão:

Cecilia Villanueva, chefe de Inclusão e Diversidade da WarnerMedia Kids & Family, acrescenta que a proposta não é encaixar o público dentro de um padrão. "Promovemos que as crianças tenham orgulho de suas diferenças. Falamos de compreensão, comunicação, conexão, e tudo isso vai ser feito no nosso conteúdo, nas nossas mensagens. É aprender a ver o mundo de uma maneira inclusiva desde muito pequenos."

Assim, ter o primeiro Robin negro em uma série de animação é um salto para uma população que, apesar de ser maioria no Brasil, raramente se vê representada na TV --ou que aparece em papéis de escravos, empregados ou criminosos. O personagem Duke Thomas, que veste o traje do menino prodígio, trabalha de igual para igual com Batman e Batgirl, que são brancos.

"A presença de personagens negros é muito importante. A população negra no Brasil é imensa e subrepresentada. Queremos ser inclusivos, representativos, dar às crianças a oportunidade de se ver na TV como pessoas bem-sucedidas, felizes, poderosas. Isso reafirma a personalidade delas e mostra que você não precisa mudar para ser feliz", valoriza Pablo Zuccarino. 

Batman, Robin e Batgirl em imagem da animação Batwheels

Batman, Robin e Batgirl na animação Batwheels

O executivo ressalta que os pais cujos filhos estão no público-alvo do Cartoonito também estão mais preparados para terem essas conversas com os pequenos. Não por acaso, aponta ele, muitos dos adultos de hoje cresceram com o Cartoon Network, canal que também levanta debates sobre gênero e identidade --e que completa 30 anos na América Latina em 2022.

"Nós sempre aceitamos as crianças como elas são. E promovemos a ideia de que elas encontrem suas forças e sejam as melhores versões de si mesmas. Mas se o Cartoon falava com as crianças de maneira independente, agora queremos que pais, representantes legais e avós participem também, a experiência precisa incluí-los", finaliza Zuccarino.


Leia também

Enquete

Você gostou de Tadeu Schmidt no comando do BBB22?

Web Stories

+
Final de Malhação na Globo tem sequestro, incêndio e final feliz; saiba tudoPor que Ludmilla e Anitta brigaram? Entenda a treta que respingou no BBB 22BBB22: Cinco vezes em que Naiara Azevedo atraiu o ranço do público na primeira semanaFaustão na Band abala concorrentes com ibope histórico e equipe provoca RecordAntes da estreia, BBB22 já rendeu treta entre famosos, tentativa de redenção e mais

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas