Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

FOLGUISTAS NA PANDEMIA

Invasão carioca: Saiba quem mais substituiu Bonner e Renata no JN em 2020

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Ana Paula Araújo, Hélter Duarte e Mariana Gross na bancada do Jornal Nacional

Ana Paula Araújo, Hélter Duarte e Mariana Gross foram os jornalistas mais acionados pela Globo para o JN

PIERO VERGÍLIO

pierovergilio@gmail.com

Publicado em 1/1/2021 - 7h10

Após um 2019 recheado de sotaques, o Jornal Nacional ficou mais carioca em 2020. As viagens dos plantonistas foram suspensas pela Globo por conta da pandemia, e os profissionais da sede do Rio de Janeiro tiveram que se revezar na bancada para substituir William Bonner e Renata Vasconcellos nos fins de semana e feriados. Jornalistas locais, como Mariana Gross e Mônica Teixeira, ganharam visibilidade nacional.

Maju Coutinho, Giulianna Morrone e César Tralli, alguns dos principais substitutos dos titulares do telejornal, foram pouco escalados neste ano e tiveram de se manter em suas bases (São Paulo e Brasília), dando espaço a nomes que nunca antes haviam apresentado o telejornal, como André Trigueiro e Hélter Duarte.

Rodrigo Bocardi foi o único de fora da base do Rio que teve uma frequência razoável de participações, por ter coberto as férias de duas semanas que Bonner tirou em fevereiro. Mas assim que a pandemia se instaurou no Brasil, ele nunca mais retornou ao maior noticiário do país.

O Notícias da TV fez um levantamento, analisando todas as edições do JN em 2020, e identificou quais foram os jornalistas que mais vezes substituíram Bonner e Renata na bancada. Confira:

Ana Paula Araújo

Apresentadora titular do Bom Dia Brasil, Ana Paula Araújo foi a substituta que mais apresentou o JN em 2020: foram 27 edições. No início da pandemia, ela teve sua participação reduzida por conta do afastamento de Chico Pinheiro, que integra o grupo de risco da Covid-19, e passou a comandar o matinal sozinha. Porém, ao longo do ano, voltou a ser escalada regularmente.

Hélter Duarte

Na vice-liderança entre os substitutos está Helter Duarte, com 21 participações. Natural de Goiânia, o jornalista chegou ao Rio em 1999, destacando-se pela cobertura de episódios de violência urbana. Entre 2012 e 2016, foi correspondente da emissora em Nova York.

Em dezembro, cobriu uma semana de férias de Bonner e Renata, e também estreou no Bom Dia Brasil na semana em que Ana Paula Araújo esteve no JN. Ele pediu, e ganhou, coxinhas de Ana Maria Braga.

Mariana Gross

Dona de um bom humor irritante --como ela mesma define--, Mariana Gross foi efetivada na apresentação do RJ1 em 2013. A jornalista estreou na bancada do Jornal Nacional em novembro do ano passado, representando o Rio de Janeiro no rodízio comemorativo dos 50 anos do noticiário. Neste ano, porém, foi a terceira jornalista que mais deu "boa noite" ao país. Foram 20 vezes. 

Fachel, Ana Luíza, Trigueiro e Mônica no JN

Flávio Fachel

Flávio Fachel fez Jornalismo por acaso. Seu grande sonho era se tornar publicitário, mas em Manaus, cidade em que morava no fim dos anos 1980, o curso ainda não existia. Na nova carreira, passou pela RBS (afiliada Globo no Rio Grande do Sul) e regressou à capital do Amazonas até chegar no Rio de Janeiro.

Foi correspondente da Globo em Nova York entre 2010 e 2012. Atualmente, apresenta o Bom Dia Rio e cobre folgas no JN. No horário nobre, esteve 19 vezes em 2020.

Ana Luíza Guimarães

Na Globo desde 1990, Ana Luíza Guimarães é a apresentadora titular do RJ2 desde 2013. Já em sua estreia, enfrentou o desafio de cobrir a primeira grande manifestação daquele ano, contra o aumento das passagens de ônibus. Antes disso, ela também apresentou o Bom Dia Rio entre 2005 e 2013. No JN, apareceu em 16 edições em 2020.

André Trigueiro

André Trigueiro apresentou o Jornal das Dez, o principal da GloboNews durante 16 anos, entre 1996 e 2012. Especialista em meio ambiente, ele comanda o Cidades & Soluções no canal de notícias. Na TV aberta, tornou-se repórter especial. Nos fins de semana, faz parte do rodízio dos telejornais locais do Rio de Janeiro. No JN, estreou em 25 de abril deste ano. Desde então, já apresentou 14 edições, incluindo a primeira semana de férias dos titulares, em dezembro.

Mônica Teixeira

Mônica Teixeira, que também estreou no JN neste ano, começou a carreira na televisão aberta como repórter do Programa Livre (1991 -2001), de Serginho Groisman, no SBT. Depois, passou pela TV Cultura, até chegar à RBS (Globo/RS), em 2000. Cinco anos depois, se transferiu para a Globo. Esteve no principal telejornal do país oito vezes.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você vai acompanhar a reprise de Império?