Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

ISRAEL CASSOL

Influenciador com coleção de bolsas de R$ 732 mil ganha programa na Band

REPRODUÇÃO/BAND TRIÂNGULO

Israel Cassol em reportagem diretamente de Londres para o programa Empire Style

Israel Cassol em reportagem diretamente de Londres para o programa Empire Style, da Band Triângulo

VINÍCIUS ANDRADE

vinicius@noticiasdatv.com

Publicado em 16/11/2020 - 7h00

Morador de Londres, na Inglaterra, o brasileiro Israel Cassol é o homem com a maior coleção de bolsas da grife francesa Hermès no Reino Unido. São 12 peças avaliadas em 101 mil libras, o equivalente a R$ 732 mil. O patrimônio valioso para o mundo da moda aliado ao trabalho como influenciador fizeram o modelo de 39 anos receber um convite para comandar um programa na Band Triângulo, afiliada da emissora em Minas Gerais.

Em junho, Cassol assumiu o Brasileiros pelo Mundo, um quadro exibido nas manhãs de sábado no Empire Style. Na atração, ele conversa sobre estilo e moda com pessoas que, assim como ele, nasceram no Brasil e moram na Europa.

O convite para entrar na TV partiu depois de ele atuar como entrevistador no Instagram, rede social em que conta com mais de 180 mil seguidores.

"Esse [convite] foi o momento de mostrar meu talento como apresentador. Eu quero fazer um programa para o Brasil inteiro. Quero ser o primeiro apresentador do Brasil que tem o estilo sem gênero a apresentar um programa. Já estou me vendo na estreia e usando saias", projeta, em entrevista ao Notícias da TV.

As saias fazem parte do estilo de Israel, que é nascido em Caxias, no Rio Grande do Sul, e se mudou para Milão, na Itália, em 2002 --três anos depois de começar a carreira como modelo. "Não foi nada fácil o início. Passei fome, fui enganado, me roubaram", revela.

Para se manter na Europa, o brasileiro atuou como gogo boy, chegou a se prostituir algumas vezes, mas diz que a situação começou a mudar quando conheceu a "galera da moda", como o designer italiano Riccardo Tisci, com quem chegou a ter um romance, e a modelo brasileira Lea T.

"Conheci pessoas que me ajudaram muito a trabalhar em Milão. Em 2006, fui estudar teatro e televisão em Londres, onde eu moro até hoje", explica ele. Na terra da rainha, os trabalhos de Cassol começaram a deslanchar. Ele atuou em dois filmes classificados como "drama gay" no Reino Unido, Seeing Heaven (Olhando o Paraíso, de 2010) e The Cost of Love (O Custo do Amor, de 2011).

Nessa época em que apareceu nos longas, ele conheceu o atual marido, o "britânico e discreto" Rupert G, com quem completará dez anos de relacionamento em 2021. Israel prefere manter a relação longe dos holofotes e pouco fala ou publica sobre o "parceiro para a vida toda".

O modelo abriu a própria agência de modelo no Reino Unido e no Brasil em 2015, mas o negócio não durou muito porque ele decidiu seguir a carreira de influenciador ao perceber que as pessoas se interessavam por suas peças e estilo de se vestir.

Israel Cassol passa álcool gel e exibe uma de suas bolsas Hermès em Londres (Reprodução/Instagram) 

"Eu amo a moda. Desde sempre me vesti com roupas mais chamativas, sempre fugindo do padrão. A moda me abriu várias portas e, com quase 40 anos, comecei a seguir meu instinto e abusar nos modelitos. Saia e bolsa, que sempre amei, e botas que amo desde muito cedo. Sou gaúcho, né? Quero mostrar para as pessoas que nao tem idade para ser influenciador", deseja.

Coleção de bolsas

Israel Cassol ganhou projeção para além do universo da moda ao se tornar o homem com a maior coleção de bolsas Hermès do Reino Unido. Em novembro de 2019, ele teve um perfil publicado pelo jornal britânico Daily Mail. Na ocasião, o influenciador se orgulhava de ter itens considerados exclusivos e luxuosos.

Para se ter uma ideia, uma pessoa interessada em comprar uma Hermès "básica" no Brasil terá de gastar ao menos R$ 40 mil. Cassol diz que esse gosto pela ostentação mudou depois que ele pegou Covid-19. Curado, decidiu que não quer aumentar a coleção.

"Comecei a refletir sobre o consumismo exagerado que eu estava tendo. Eu percebi que poderia viver com pouco e que o meu modo de consumir estava prejudicando muito o mundo. Hoje eu tenho uma visão melhor e quero ajudar de alguma maneira nosso planeta. Estou numa pegada mais consciente e tento colocar isso no meu trabalho", confessa.

Agora, além do trabalho no programa da afiliada da Band e do desejo de ter uma atração em rede nacional, Israel quer popularizar o uso da saia entre homens. O modelo está no Brasil finalizando um livro (Androginia: O Homem que Usa Saia) sobre o tema. A publicação está prevista para 2021.

"Ver um homem de saia ainda assusta as pessoas, eu não entendo isso. Algumas pessoas me xingam no meu Instagram dizendo que saia é só para as mulheres e que isso não é de Deus. Colocam Deus até nesse assunto. Gente, por favor!", contesta.

"A saia ja foi usada por homens há muito tempo, e os escoceses ainda usam. Então, acho que o meu e-book vai ajudar as pessoas verem a saia como um acessório sem gênero, e é isso o que eu quero que seja", explica.

TUDO SOBRE

Band


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual reality show você acompanhará após o fim do BBB21?