Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

MEMÓRIA DA TV

Há 20 anos, Globo teve que tapar buraco de novela proibida pela Justiça

DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Adriana Esteves, Fabio Assunção e Helena Ranaldi estão com roupas de festa posando para foto de divulgação da novela Coração de Estudante, da Globo

Adriana Esteves, Fabio Assunção e Helena Ranaldi protagonizaram Coração de Estudante em

THELL DE CASTRO

Publicado em 24/7/2022 - 8h50

O começo dos anos 2000 não foi dos mais felizes para a teledramaturgia da Globo. Apesar de contar com alguns sucessos, como Laços de Família e O Clone, a emissora também teve dissabores e dores de cabeça com tramas, como As Filhas da Mãe e A Padroeira.

Justamente para substituir a novela de Walcyr Carrasco e alavancar o horário das 18h, o canal convocou Maria Adelaide Amaral para escrever uma nova história para a faixa. Assim nasceu Dança da Vida, que seria protagonizada por Adriana Esteves e Fabio Assunção.

O problema é que a novela mexia com temas espinhosos, como a política, e acabou, por determinação da Justiça, sendo proibida de ir ao ar, por ser um ano eleitoral. Maria Adelaide voltaria a abordar a política somente em A Lei do Amor, trama problemática que a emissora produziu em 2016, na faixa das 21h.

Para tapar o buraco, a Globo acabou tendo que se virar. Manteve praticamente o elenco e chamou Emanoel Jacobina, que fez sucesso escrevendo Malhação, para criar uma nova trama às pressas.

Foi assim que Coração de Estudante veio ao mundo, sendo exibida a partir de 25 de fevereiro de 2002. No elenco, se destacaram nomes como Fabio Assunção, Helena Ranaldi, Adriana Esteves, Carolina Kasting, Marcello Antony, Angela Vieira e Claudio Marzo. Foi a primeira novela de nomes como Paulo Vilhena, Alinne Moraes, Fernanda de Freitas e o garoto Pedro Malta, então com oito anos.

No início, a novela não empolgou o público em seu início, fazendo a Globo continuar em crise na faixa. Carlos Lombardi foi escalado para ajudar Jacobina e sugeriu alterações, que acabaram revertendo o quadro.

Vilão coadjuvante ganha destaque

Entre essas mudanças estão a entrada de um novo personagem, o promotor Pedro Guerra (Bruno Garcia), e a alteração no perfil de outros. Um deles foi Nélio (Vladimir Brichta), que era um peão vilão coadjuvante, e acabou ganhando muito destaque na trama ao ser elevado a um papel cômico. Lombardi falou sobre o assunto ao livro Autores, Histórias da Teledramaturgia, do projeto Memória Globo:

Eu achava que Coração de Estudante podia ser mais leve e alegre do que estava sendo no ar. A história estava sendo contada de forma um pouco séria, mais solene do que a necessária. A partir do capítulo 70, eu me sentei com o Emanuel para discutir e montar uma estrutura. Ele escrevia, e eu fazia o texto final. A implantação da mudança de tom durou uns 30 e poucos capítulos. Como a reação em termos de audiência foi bem rápida, o próprio Emanuel ficou bem à vontade com aquele tom. Então fui diminuindo minha participação.

Se não foi um estrondoso sucesso, Coração de Estudante acabou pegando no tranco e recuperou a audiência, sendo exibida até 27 de setembro de 2002, em 185 capítulos. O folhetim deve substituir O Beijo do Vampiro no Viva a partir de outubro. A trama já foi reprisada uma vez pela Globo, no Vale a Pena Ver de Novo, entre novembro de 2007 e abril de 2008.


Leia também

Enquete

Qual o personagem mais chato de Pantanal?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.