Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Memória da TV

Em 1988, Jô Soares e Agildo Ribeiro menosprezaram humor do TV Pirata

Nelson Di Rago/TV Globo

Regina Casé, Gulherme Karan, Luiz Fernando Guimarães, Débora Bloch, Ney Latorraca (como o lendário Barbosa), Claudia Raia e Louise Cardoso integravam o elenco fixo do TV Pirata em 1988, na Globo - Nelson Di Rago/TV Globo

Regina Casé, Gulherme Karan, Luiz Fernando Guimarães, Débora Bloch, Ney Latorraca (como o lendário Barbosa), Claudia Raia e Louise Cardoso integravam o elenco fixo do TV Pirata em 1988, na Globo

THELL DE CASTRO

Publicado em 14/6/2015 - 6h47

O humorístico TV Pirata estreou na Globo no dia 5 de abril de 1988 trazendo uma promessa de renovação na linguagem do gênero. Após anos de programas com personagens fixos, bordões e rotinas que todos conheciam, a emissora investia em um projeto que satirizava a própria televisão e que tinha na linha de frente atores como Marco Nanini, Ney Latorraca e Regina Casé. Só que também incomodou muita gente: logo após o lançamento, nomes como Jô Soares, Agildo Ribeiro e João Kleber criticaram a atração.

Enquanto o tradicional Chico Anysio Show alcançou 62% de audiência na mesma semana do início do novo humorístico, o TV Pirata ficou com "apenas" 43%. Isso já foi o suficiente para levantar dúvidas sobre a eficácia do projeto.

Reportagem de Jorge Espírito Santo na Folha de S. Paulo de 17 de abril de 1988 trazia como destaque o menosprezo de humoristas ao TV Pirata. Jô Soares, que estava em seu primeiro ano no SBT, à frente do Veja o Gordo, disse que não havia muita diferença da estrutura do TV Pirata para a sua atração.

"Meu programa é feito de esquetes longos e rápidos, e não sei em que muda a estrutura quando eles fazem esquetes rápidos e longos que se alternam. Não vejo nada de novo nisso". Detalhe: Jô admitiu que ainda não havia visto o programa, que já tinha sido apresentado duas vezes.

Agildo Ribeiro, que comandava o Agildo no País das Maravilhas, na Band, e concorria diretamente com o TV Pirata, também não havia assistido ao novo humorístico. "Ele acredita que existe humor bom ou ruim e não uma nova fórmula de fazer rir os telespectadores. 'O humor do TV Pirata deverá viver do bom trabalho dos atores, da direção e, principalmente, dos redatores', diz Agildo. Como profissional, ele diz torcer para o programa dar certo, pois 'quanto mais programas de humor, melhor para os telespectadores e melhor para esse país'", publicava a Folha.

João Kleber também era do time que reprovava a atração. "Em determinados quadros, fica-se sem saber o que vai rolar, fica indefinido", disse. "Para João Kleber, o que falta no TV Pirata é humorista. 'Não importa quem seja', porque no duelo entre um humorista e um ator, o primeiro leva vantagem, diz ele".

Já Walter Clark, um dos responsáveis pela criação do "Padrão Globo de Qualidade" no final dos anos 1960, ao lado de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, disse à reportagem que riu mais com o programa de Chico Anysio.

"Para ele, o TV Pirata poderia ter sido feito rigorosamente há 15 anos, com o mesmo Nanini. A impressão que os dois primeiros programas lhe passaram é que o TV Pirata reuniu o maior número de bons comediantes já visto num programa brasileiro. 'Mas não saiu para fórmula nova nenhuma. O que o diferencia do Chico e do Jô é que estes estão apoiados no brilho de um grande ator', diz Clark".

Claudia Raia como a presidiária Tonhão, que fez sucesso no humorístico TV Pirata

Santa ingenuidade

Coordenador de textos do TV Pirata, Cláudio Paiva, atualmente em grande evidência com suas séries na Globo, defendia a atração, dizendo que não estavam querendo fazer nada de genial, mas um programa que conseguisse bom índice de audiência, a partir de um projeto que, até então, parecia inviável.

"Acho que o que a gente faz é novo em uma parte e velho em outra. Nós temos uma função mercadológica e fazemos um trabalho para que o espectador se acostume. Seria ingenuidade pensar de outra maneira. Como diria o Robin (o menino prodígio do Batman), 'santa ingenuidade'", afirmou na Folha.

Rubens Furtado, que havia sido diretor geral da Manchete, também gostou do TV Pirata. "Acreditava que depois de Chico Anysio, Jô Soares e Max Nunes, não apareceria nada mais em termos de humor no Brasil. Há uma tentativa de encontrar novas fórmulas, mas já querem cobrar uma coisa consolidada. Nada nasce perfeito, é uma contingência natural", declarou.

Apesar do início difícil, o TV Pirata logo começou a fazer sucesso e até hoje é apontado como inovador, tendo se transformado em cult. Quadros como Fogo no Rabo, TV Macho, Campo Rural e As Presidiárias fizeram muito sucesso, assim como o personagem Barbosa (Ney Latorraca).

Na temporada de 1989, todos os quadros foram renovados e o programa começou a perder fôlego. Em 1990, após uma malsucedida troca de dia de exibição (das terças para as quintas), a audiência minguou de vez e o humorístico foi cancelado, retornando para uma temporada derradeira em 1992, com elenco bem modificado.

O TV Pirata é considerado o pai do Casseta & Planeta, Urgente!, que estreou em 1992. Todos os integrantes do Casseta, inclusive, eram roteiristas do TV Pirata. Mais recentemente, o Tá no Ar: a TV na TV, de Marcelo Adnet e Marcius Melhem, também bebeu dessa água, alcançando repercussão positiva de público e crítica.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Web Stories

+
Ex de Anitta e rei da pegação: Gui Araujo é o primeiro fazendeiro de A Fazenda 13Elenco, estreia e bastidores: Saiba tudo sobre o reboot de Um Maluco no PedaçoAgressão e barraco em festa clandestina: Veja histórico dos peões de A Fazenda 13Vereda Tropical no Globoplay: Veja por onde andam cinco atores sumidos da novelaGlobo Esporte, Zero 1 e BBB: Confira trajetória de Tiago Leifert na Globo

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você gostou do elenco de A Fazenda 13?