Tempo ruim

Bonner 'atropela' diretoria e cria mal-estar por causa de Maju

Reprodução/TV Globo

William Bonner e Maria Julia Coutinho no Jornal Nacional da última sexta-feira; âncora elogiou repórter - Reprodução/TV Globo

William Bonner e Maria Julia Coutinho no Jornal Nacional da última sexta-feira; âncora elogiou repórter

DANIEL CASTRO - Publicado em 15/06/2015, às 05h44 - Atualizado em 16/06/2015, às 04h31

[Texto publicado originalmente às 5h40 de 15/6/2015]

Maria Julia Coutinho, a Maju, é um sucesso como nova moça do tempo do Jornal Nacional. Mas a escolha da jornalista para o principal telejornal do país gerou um enorme mal-estar nos bastidores da Globo. É que William Bonner, apresentador e editor-chefe do JN, convocou a repórter para fazer testes, no início de abril, sem antes consultar o comando do jornalismo em São Paulo, a quem Maju é subordinada. Bonner, como se diz nos bastidores da emissora, "atropelou" instâncias.

A direção de jornalismo de São Paulo nada poderia fazer contra a escolha de Bonner. Também não vetaria Maria Julia. O problema não foi a escolhida, mas a forma como ela foi feita.

Uma das jornalistas da chefia ainda não digeriu o "golpe". Decidiu responder turbinando a carreira de repórter de Michelle Loreto, que nos últimos dez anos foi a moça do tempo do JN. A primeira decisão foi emplacar Michelle no Programa do Jô, ainda em maio. Mesmo sem ter nenhuma novidade para contar, como um livro, por exemplo, Michele apareceu no talk show 20 dias antes de Maju, primeira moça do tempo negra da Globo.

Em seguida, Michelle foi alçada a apresentadora do quadro Sala de Emprego, do Jornal Hoje, durante as férias da titular, Veruska Donato. Em breve, Michelle vai aparecer à frente de uma série de reportagens sobre poluição em São Paulo, dentro do projeto especial Respirar, prioridade da emissora. O plano é tornar Michelle, por enquanto funcionária apenas dos telejornais paulistas, repórter do Jornal Nacional o mais breve possível. 

Maria Julia Coutinho chamou a atenção de Bonner no Hora 1 e no Bom Dia Brasil. Ela tinha a espontaneidade que o Jornal Nacional busca desde que estreou, em 27 de abril, novo cenário, permitindo aos âncoras caminharem no estúdio e conversarem com repórteres, correspondentes e com a própria Maju _como na última sexta, quando a moça do tempo foi elogiada pelo chefe, no ar, pela "precisão" da previsão da véspera e pela entrevista ao Jô.

No JN, Maria Julia vem chamando a atenção pela informalidade (ela usa BH no lugar de Belo Horizonte e Floripa para Florianópolis). Indiretamente, ela quebrou uma regra do jornalismo da Globo, a que proibia o uso de apelidos. No JN de 12 de maio, Bonner decretou que Maria Julia passaria a ser chamada de Maju.

Procurada após a publicação deste texto, a Globo não se manifestou.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

 

 

Enquete

O que você achou do vaivém de Datena na Band?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook