Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

MEMÓRIA DA TV | COPA

Comentarista polêmico contrariou médico e morreu após a final da Copa de 1990

Reprodução

Jornalista esportivo e ex-técnico da seleção, João Saldanha se destacou por desafiar as regras - Reprodução

Jornalista esportivo e ex-técnico da seleção, João Saldanha se destacou por desafiar as regras

THELL DE CASTRO

Publicado em 29/6/2018 - 16h20

João Saldanha (1917-1990) foi um dos maiores nomes do jornalismo esportivo brasileiro. E também o mais polêmico _não por acaso, seu apelido era João Sem Medo. Mas essa coragem lhe custou caro: às vésperas da Copa de 1990, o comentarista desobedeceu ao seu médico e viajou para a Itália. Acabou morrendo poucos dias após a final do Mundial.

Nascido em Alegrete (RS), Saldanha chegou a ser técnico da seleção brasileira entre 1969 e 1970, comandando o time na campanha de classificação para a Copa do México, na qual o Brasil se sagrou tricampeão.

Em 1986, foi contratado pela Manchete para trabalhar como comentarista do torneio, também disputado no México. Quatro anos depois, porém, a situação era muito diferente, como relatou o narrador Alberto Léo (1950-2016), também do rede da família Bloch, no livro História do Jornalismo Esportivo na TV Brasileira.

"Saldanha estava com sérios problemas de saúde. A direção da Rede Manchete fez reuniões com os filhos do comentarista e também falou com o médico dele. Havia a dúvida se João poderia fazer uma viagem internacional e participar da cobertura de uma Copa. A data do embarque dele já tinha sido adiada duas vezes. O técnico Zagallo foi contratado para ser mais um comentarista da emissora na Copa."

Mas o comentarista não ficaria de fora do Mundial. Quando percebeu que estava sendo enrolado, não teve dúvidas: pegou dinheiro do próprio bolso e, contrariando a ordem médica, comprou uma passagem para Roma. A família também foi contra a viagem _no aeroporto, Saldanha embarcou amparado por funcionários. "Eu estou de cadeira de rodas só de sacanagem", disse ao jornalista Sebastião Nery.

A viagem, no entanto, foi feita com muita dificuldade. Saldanha passou mal e teve que receber oxigênio. O comandante da aeronave queria descer em Recife (PE) para encaminhá-lo a um hospital, mas foi convencido a seguir o roteiro. O desembarque na capital italiana também ocorreu em cadeira de rodas.

"No início da Copa, ele se recuperou do problema respiratório. Comentava os jogos do Centro de Imprensa, pois não tinha a menor condição de ir para os estádios", destacou Alberto Léo em seu livro.

Saldanha era acompanhado de perto por Osmar de Oliveira (1943-2014), que além de narrador da Manchete era médico. Entre altos e baixos, na medida do possível, participou da cobertura. Mas a situação se complicou perto do final do torneio.

Saldanha trabalhou na semifinal entre Itália e Argentina e parecia bem. "Quando acabou a gravação, se despediu e combinou o mesmo esquema para o dia seguinte. Na quarta, 4 de julho, recebi um recado da Heloísa [mulher de Saldanha]: ele não estava bem e ficaria no hotel. Fiquei preocupado, pois sabia que para João faltar é que realmente o problema era sério. Aquela notícia não era um bom sinal", escreveu.

No dia seguinte, João Saldanha foi internado na UTI de um hospital de Roma. Em coma induzido, seu estado era grave. Fumante inveterado, o comentarista morreu no dia 12 de julho de 1990, aos 73 anos, vítima de enfisema pulmonar, apenas quatro dias após a final da Copa, em que a Alemanha venceu a Argentina por 1 a 0.

No dia 15 de julho do mesmo ano, para homenagear João Saldanha, a Manchete exibiu um especial intitulado Meus Amigos, no qual grandes companheiros do jornalista deram depoimentos emocionados sobre ele.

Em seguida, no programa Toque de Bola, Paulo Stein leu uma mensagem de Pelé: "Lamento saber o falecimento do meu ex-treinador e um dos maiores jornalistas do esporte brasileiro. Saldanha sempre foi um amigo sincero, uma voz que sempre elevou o nome do futebol e do jornalismo no Brasil. Ele jamais será esquecido. Do seu amigo e admirador, Edson Arantes do Nascimento, Pelé".


THELL DE CASTROé jornalista, editor do site TV História e autor do livro Dicionário da Televisão Brasileira. Siga no Twitter: @thelldecastro

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?