JUSTIÇA

Após 19 anos, Globo é condenada por causar baque psicológico em escritora

Divulgação/TV Globo

Gabriela Duarte em cena de Chiquinha Gonzaga: minissérie de 1999 é alvo de ação na Justiça - Divulgação/TV Globo

Gabriela Duarte em cena de Chiquinha Gonzaga: minissérie de 1999 é alvo de ação na Justiça

DANIEL CASTRO - Publicado em 10/08/2018, às 06h21

Na noite quente de 12 de janeiro de 1999, Dalva Lazaroni de Moraes reuniu amigos influentes dos meios artístico e político em seu apartamento de frente para o mar na avenida Vieira Souto, no Rio de Janeiro, um dos metros quadrados mais caros do mundo. Era estreia da minissérie Chiquinha Gonzaga, e ela, mesmo lutando contra um câncer de mama, queria festejar o fato de o mais famoso de seus quase 30 livros ter inspirado a grande novidade da programação da Globo naquele verão.

A felicidade da escritora, no entanto, virou "frustração, mágoa e constrangimento", como relatou ao advogado Sylvio Guerra, assim que subiram os créditos da obra estrelada por Regina Duarte e escrita por Lauro César Muniz. Nem seu nome nem o de seu livro (Chiquinha Gonzaga. Sofri e Chorei. Tive Muito Amor) apareceram nas legendas finais.

Dalva, uma pedagoga e advogada que fez carreira política, queria tanto que seu registro sobre a vida da compositora Francisca Edwiges Neves Gonzaga (1845-1935) fosse para a televisão que abriu mão de qualquer remuneração. Ao ceder os direitos da obra, exigiu em contrato apenas que recebesse crédito por isso.

Candidata a governadora do Rio de Janeiro, pelo PV, no ano anterior, a ex-vereadora de Duque de Caxias buscava "o reconhecimento de seu trabalho pela comunidade cultural", como percebeu o juiz Paulo Assed Estevan, em sentença proferida no último dia 30.

A escritora, na época, procurou a Globo e conseguiu reduzir o prejuízo. Seu nome e o de seu livro começaram a aparecer a partir do 20º capítulo (de um total de 38). A emissora pediu desculpas e se comprometeu, em documento, que eventuais reprises no futuro e versões para o mercado internacional citariam a obra como inspiradora da minissérie.

A escritora Dalva Larazoni de Moraes (Reprodução)

Em 25 de novembro de 2010, Dalva Lazaroni novamente "aguardou com ansiedade", dessa vez sem festa, a estreia de Chiquinha Gonzaga no canal Viva. Para nova decepção, não havia créditos à sua biografia. Ela foi pesquisar e descobriu que a Globo também não cumprira o prometido nas exibições fora do país, em emissoras de Portugal, França, Japão e Angola.

Dalva, então, dediciu entrar com ação judicial contra a Globo. Uma sequência de recursos impetrados pela emissora, contrários a laudo que atestavam seus relatos, protelou a decisão judicial, e a pedagoga não viveu para comemorar sua vitória. Ela morreu em julho de 2016, dois anos antes de a sentença sair, na semana passada.

No documento, o titular da 31ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Paulo Assad Estevam, reconhece a influência do livro de Dalva na minissérie da Globo e registra que a omissão dos créditos, além de causar "grave prejuízo" à imagem da escritora, a fez sofrer um "baque psicológico".

Ele condenou a Globo a pagar aos herdeiros R$ 150 mil de indenização por danos morais e a inserir os créditos a Dalva e seu livro em todos os capítulos de Chiquinha Gonzaga.

Defensor da escritora, Sylvio Guerra, o advogado das estrelas, vai recorrer da decisão. "É uma sentença muito bem fundamentada, mas o valor não condiz com a realidade, até porque o juiz julgou apenas o dano moral, não apreciou o dano material. Não concordo com esse valor de R$ 150 mil. E faltou também o juiz arbitrar uma multa para caso a Globo não cumpra a determinação de exibir os créditos", diz.

Procurada, a Comunicação da Globo disse que a emissora não comenta casos sub judice. No processo, a rede confirmou que celebrou um contrato com Dalva Lazaroni, pela cessão de direitos autorais do livro (Chiquinha Gonzaga. Sofri e Chorei. Tive Muito Amor) e admitiu que, "por um equívoco" não inseriu os créditos nos primeiros 20 episódios da minissérie.

Cabe recurso também por parte da Globo.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O Vídeo Show tem salvação?
Sim, é um programa clássico, só precisa de pautas melhores.
24.20%
Talvez, se trocarem os apresentadores por nomes consagrados.
12.08%
Não, não tem mais relevância alguma.
49.81%
Só se contratarem Fabiola Reipert e chamarem de A Nova Hora da Venenosa.
13.91%

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook